Políticas públicas de educação para o ensino médio no final do século XX: história em contexto

Autores

  • Jean Mac Cole Tavares Santos
  • Elione Maria Nogueira Diógenes

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v0i14.9339

Palavras-chave:

Reformas educacionais, Ensino secundário, Formação humana

Resumo

Este artigo analisa as políticas públicas de educação para o ensino médio, desenvolvidas pelo Ministério da Educação, nos últimos vinte anos. buscando mostrar a relação entre os seus pressupostos e a hegemonia do projeto neoliberal no Brasil e no mundo. A partir da apresentação e debate crítico com vários autores, como Dubar (1998). Machado (1998. 2002). Frigotto (1995. 1998). Frigotto e Franco (2002) e Frigotto. Franco e Ramos (2005). entre outros, evidenciamos que essa reforma tem como marco de transformação a própria essência da organização social, cujo fundamento está no mercado, que tem interesses e necessidades políticas e econômicas concretas em todo o processo de reformulação do ensino secundário. A reforma do nível médio constitui, assim, uma determinada forma de intervenção no projeto societário, desnorteiando resistências e lutas sociais, tentando naturalizar a submissão da formação humana ao mercado de trabalho. A reforma educacional, desse modo. é a expressão da estratégia política liberal para a inserção da classe-que-vive-do-trabalho na nova ordem econômica mundial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

02/02/2013

Como Citar

SANTOS, J. M. C. T.; DIÓGENES, E. M. N. Políticas públicas de educação para o ensino médio no final do século XX: história em contexto. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, n. 14, p. 3–24, 2013. DOI: 10.22633/rpge.v0i14.9339. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/9339. Acesso em: 13 abr. 2021.

Edição

Seção

Artigos