Mais rápidas que a escola: crianças referidas como hiperativas no contexto escolar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.1.12207

Palavras-chave:

TDAH, Hiperatividade, Atenção, Inclusão Escolar, Educação Infantil.

Resumo

Este trabalho analisa os discursos que identificam um número expressivo de crianças como hiperativas na Educação Infantil da Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre. O conceito de normalidade teve como base o pensamento de Canguilhem e Foucault em sintonia com as proposições de Gregory Bateson. Considerando a contínua articulação entre normal e anormal busca-se a construção do conceito de Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade - TDAH. Uma análise cartográfica da atenção evidencia esta, em seu movimento circular de invenção, como efeito da/na aprendizagem. Dentre as evidências, uma das mais importantes é: a responsável por associar hiperatividade a uma dimensão de desamparo, dirigida não só ao sujeito criança, mas a todos os implicados nessa rede.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudia Rodrigues de Freitas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre - RS - Brasil. Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutora em Educação.

Claudio Roberto Baptista, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre - RS - Brasil. Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutor em Educação.

Referências

AMADOR, F.; FONSECA, T. M. G. Da intuição como método filosófico à cartografia como método de pesquisa: considerações sobre o exercício cognitivo do cartógrafo. Arquivos Brasileiros de Psicologia, Rio de Janeiro, v. 61, n. 1, p. 30-37, abr., 2009.

ANGELUCCI, C. B; SOUZA, B. P. Apresentação. In: Conselho Regional de Psicologia, Grupo Interinstitucional Queixa Escolar (Orgs.). Medicalização de Crianças e Adolescentes: Conflitos silenciados pela redução de questões sociais a doenças de indivíduos. Ed. Casa do psicólogo, São Paulo, 2010.

BRASIL, Ministério da Educação. Lei nº 12.796, de 04 de abril de 2013. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília, 2013. [online]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12796.htm. Acesso em: 5 jul. 2018.

BATESON, G. Mente e natureza. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1993.

BENINCASA, M. C. Educação especial e educação infantil: uma análise de serviços de apoio no município de Porto Alegre. 2011. 126 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

CALIMAN, L. V. A biologia moral da atenção: a constituição do sujeito (des)atento. 2006. 176 f. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva) - Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Instituto de Medicina Social Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

CALIMAN, L. V. Notas sobre a história oficial do Transtorno do Déficit de Atenção/hiperatividade TDAH. Psicologia, Ciência e Profissão, v. 30, n. 1, p. 45-61, 2010.

CANGUILHEM, G. O Normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

FERNÁNDEZ, Alicia. Os Idiomas do aprender. Porto Alegre: Artes Médicas, 2001.

FRANCES, A. Primo, non curare chi è normale. Millano: Bollati Boringhieri, 2013.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1992.

FOUCAULT, M. Os Anormais. Curso no Collège de France (1974-1975). São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FREITAS, C. R.; BAPTISTA, C. R. A atenção, a infância e os contextos educacionais. Psicologia & Sociedade. Belo Horizonte, v. 29, n. e140387, p. 1-9, jul., 2017.

ITABORAHY, C. A Ritalina no Brasil: uma década de produção, divulgação e consumo. 2009. 126 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) - Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

KASTRUP, V. O funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Orgs.) Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009.

ROSE, N. La politica della vita. Torino: Giulio Enaudi, 2008.

UNTOIGLICH, G. Consenso de especialistas da área de saúde sobre o chamado “Transtorno por déficit de atenção com ou sem hiperatividade”. Diagnóstico na Infância hoje. APPOA – Associação Psicanalítica de Porto Alegre. POA. Correio APPOA, nº144, 2006.

Publicado

01/04/2019

Como Citar

FREITAS, C. R. de; BAPTISTA, C. R. Mais rápidas que a escola: crianças referidas como hiperativas no contexto escolar. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. esp.1, p. 791–806, 2019. DOI: 10.21723/riaee.v14iesp.1.12207. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12207. Acesso em: 8 ago. 2022.