Mais rápidas que a escola: crianças referidas como hiperativas no contexto escolar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.1.12207

Palavras-chave:

TDAH, Hiperatividade, Atenção, Inclusão Escolar, Educação Infantil.

Resumo

Este trabalho analisa os discursos que identificam um número expressivo de crianças como hiperativas na Educação Infantil da Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre. O conceito de normalidade teve como base o pensamento de Canguilhem e Foucault em sintonia com as proposições de Gregory Bateson. Considerando a contínua articulação entre normal e anormal busca-se a construção do conceito de Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade - TDAH. Uma análise cartográfica da atenção evidencia esta, em seu movimento circular de invenção, como efeito da/na aprendizagem. Dentre as evidências, uma das mais importantes é: a responsável por associar hiperatividade a uma dimensão de desamparo, dirigida não só ao sujeito criança, mas a todos os implicados nessa rede.

Biografia do Autor

Cláudia Rodrigues de Freitas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre - RS - Brasil. Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutora em Educação.

Claudio Roberto Baptista, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre - RS - Brasil. Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutor em Educação.

Referências

AMADOR, F.; FONSECA, T. M. G. Da intuição como método filosófico à cartografia como método de pesquisa: considerações sobre o exercício cognitivo do cartógrafo. Arquivos Brasileiros de Psicologia, Rio de Janeiro, v. 61, n. 1, p. 30-37, abr., 2009.

ANGELUCCI, C. B; SOUZA, B. P. Apresentação. In: Conselho Regional de Psicologia, Grupo Interinstitucional Queixa Escolar (Orgs.). Medicalização de Crianças e Adolescentes: Conflitos silenciados pela redução de questões sociais a doenças de indivíduos. Ed. Casa do psicólogo, São Paulo, 2010.

BRASIL, Ministério da Educação. Lei nº 12.796, de 04 de abril de 2013. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília, 2013. [online]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12796.htm. Acesso em: 5 jul. 2018.

BATESON, G. Mente e natureza. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1993.

BENINCASA, M. C. Educação especial e educação infantil: uma análise de serviços de apoio no município de Porto Alegre. 2011. 126 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

CALIMAN, L. V. A biologia moral da atenção: a constituição do sujeito (des)atento. 2006. 176 f. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva) - Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Instituto de Medicina Social Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

CALIMAN, L. V. Notas sobre a história oficial do Transtorno do Déficit de Atenção/hiperatividade TDAH. Psicologia, Ciência e Profissão, v. 30, n. 1, p. 45-61, 2010.

CANGUILHEM, G. O Normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

FERNÁNDEZ, Alicia. Os Idiomas do aprender. Porto Alegre: Artes Médicas, 2001.

FRANCES, A. Primo, non curare chi è normale. Millano: Bollati Boringhieri, 2013.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1992.

FOUCAULT, M. Os Anormais. Curso no Collège de France (1974-1975). São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FREITAS, C. R.; BAPTISTA, C. R. A atenção, a infância e os contextos educacionais. Psicologia & Sociedade. Belo Horizonte, v. 29, n. e140387, p. 1-9, jul., 2017.

ITABORAHY, C. A Ritalina no Brasil: uma década de produção, divulgação e consumo. 2009. 126 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) - Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

KASTRUP, V. O funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Orgs.) Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009.

ROSE, N. La politica della vita. Torino: Giulio Enaudi, 2008.

UNTOIGLICH, G. Consenso de especialistas da área de saúde sobre o chamado “Transtorno por déficit de atenção com ou sem hiperatividade”. Diagnóstico na Infância hoje. APPOA – Associação Psicanalítica de Porto Alegre. POA. Correio APPOA, nº144, 2006.

Publicado

01/04/2019

Como Citar

FREITAS, C. R. de; BAPTISTA, C. R. Mais rápidas que a escola: crianças referidas como hiperativas no contexto escolar. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. esp.1, p. 791–806, 2019. DOI: 10.21723/riaee.v14iesp.1.12207. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12207. Acesso em: 8 mar. 2021.