Servidores com deficiência na universidade: barreiras para a inclusão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14i4.12968

Palavras-chave:

Deficiência, Servidores, Trabalho, Universidade.

Resumo

As pesquisas ainda são incipientes quanto à temática de servidores/funcionários/trabalhadores com deficiência, tanto na rede privada quanto no setor público, sendo necessários mais estudos sobre a inserção e a permanência desse público, relativamente recente, no mercado de trabalho. Este estudo tem como objetivo identificar e analisar as possíveis barreiras existentes no ambiente de trabalho de servidores com deficiência de uma Universidade federal do sul do Brasil. Esta é uma pesquisa de natureza qualitativa exploratória, que se utilizou de entrevistas constituídas por questionários semiestruturados aplicada a quatro servidores com deficiência. Os resultados apontam que as barreiras atitudinais, comunicacionais/linguísticas e arquitetônicas estão presentes nos discursos dos servidores, influenciando em sua permanência na instituição. Revelam que as ações institucionais ainda não conseguem incidir sobre todos os obstáculos enfrentados em suas atividades laborais cotidianas. Essas barreiras ainda não foram superadas, pois a inclusão trata-se de um processo político, pedagógico, cultural e social muito amplo. Romper com os paradigmas segregacionista e assistencialista seculares demandam ações e requerem tempo. O paradigma inclusivo é recente, as leis por si só não garantem mudanças nas atitudes das pessoas, só as regula. É necessário, portanto, a criação de uma cultura inclusiva na Universidade. As conclusões apontam para a necessidade de um acompanhamento/capacitação dos servidores de maneira mais efetiva, de modo que a instituição possa oferecer ações que incidam diretamente sobre as barreiras que se revelam em seu local de trabalho.

Biografia do Autor

Sandra Pottmeier, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis – SC

Graduada em Letras (Língua Portuguesa/Língua Inglesa e Respectivas Literaturas) pela Universidade Regional de Blumenau (2002). Especialista em Metodologia do Ensino de Língua Inglesa pela Universidade Internacional de Curitiba (2006); Gestão Escolar pela Universidade Castelo Branco (2007); Mídias em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande (2009); Educação a Distância: Gestão e Tutoria pelo Centro Universitário Leonardo da Vinci (2013); Educação, Pobreza e Desigualdade Social pela Universidade Federal de Santa Catarina (2016); Metodologia de Ensino de Língua Portuguesa e Literatura pelo Centro Universitário Leonardo da Vinci (2017); Linguagens e Educação a Distância pela Universidade Federal de Santa Catarina (2019). Mestre em Educação pela Universidade Regional de Blumenau (2010). Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal de Santa Catarina. Participa do Grupo de Estudos em Linguagem, Cognição e Educação (GELCE/UFSC). É integrante do Núcleo de Estudos em Linguística Aplicada (NELA/UFSC). Docente concursada na SED/SC, lotada na Escola de Educação Básica Padre José Maurício, município de Blumenau/SC. Atua na área da Educação, com ênfase em Linguística Aplicada nos seguintes temas: leitura, letramentos, formação de professores, educação básica, educação superior, tecnologias.

 

Lais Donida, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis – SC

Graduada em Fonoaudiologia pela UFSC. Mestre e doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Linguística da UFSC. Participa do Grupo de Estudos em Linguagem, Cognição e Educação (GELCE/UFSC). É integrante do Núcleo de Estudos em Linguística Aplicada (NELA/UFSC).

Aline Olin Goulart Darde, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis – SC

Graduada em Fonoaudiologia pela UFSC. Mestre e doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Linguística da UFSC. Docente da Educação Especial no Colégio de Aplicação.  Participa do Grupo de Estudos em Linguagem, Cognição e Educação (GELCE/UFSC). É integrante do Núcleo de Estudos em Linguística Aplicada (NELA/UFSC).

 

 

Ana Paula Santana, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis – SC

Mestre e Doutora em Linguistica pela UNICAMP. Docente no curso de Fonoaudiologia e no Programa de Pós-Graduação em Linguística da UFSC. É pesquisadora do Núcleo de Estudos em Linguística Aplicada (NELA/UFSC). Líder do Grupo de Estudos em Linguagem, Cognição e Educação (GELCE/UFSC).

Referências

ALVES BORGES, Eurides. Qualidade de vida no trabalho e intenção de rotatividade: estudo com servidores de uma instituição pública de ensino superior. 2018. 116 f., il. Dissertação (Mestrado Profissional em Administração), Universidade de Brasília, Brasília, 2018. Disponível em: http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/32412/1/2018_EuridesAlvesBorges.pdf. Acesso em: 09 mar. 2019.

ANGELUCCI, Carla Biancha. Uma Inclusão Nada Especial: apropriações da política de inclusão de pessoas com necessidades especiais na rede pública de educação fundamental do Estado de São Paulo: s. n., 2002. 171 p. Dissertação (mestrado) – Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Departamento de Psicologia da Aprendizagem, do Desenvolvimento e da Personalidade. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-17082006-154028/publico/UMAINCLUSAONADAESPECIALAngeluccimestrado.pdf. Acesso em: 08 fev. 2019.

AVILA-VITOR, Maria Regina do Carmo; CARVALHO-FREITAS, Maria Nivalda de. Valores organizacionais e concepções de deficiência: a percepção de pessoas incluídas. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 32, n. 4, p. 792-807, 2012. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932012000400003&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 27 nov. 2018.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 4. ed. Lisboa: Edições 70, 2010.

BEYER, Hugo Otto. Inclusão e avaliação na escola: de alunos com necessidades educacionais especiais. 4. ed. Porto Alegre: Mediação, 2013.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Imprensa Oficial, 1988. Disponível em: http://www.senado.gov.br/legislacao/const/con1988/CON1988_05.10.1988/CON1988.pdf. Acesso em: 08 fev. 2019.

BRASIL. Lei n. 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais. Brasília. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8112cons.htm. Acesso em: 08 fev. 2019.

BRASIL. Lei n. 8.213, de 24 de julho de 1991. Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Brasília. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8213cons.htm. Acesso em: 08 fev. 2019.

BRASIL. Lei n. 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Brasília Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l10098.htm. Acesso em: 08 fev. 2019.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Ministério da Educação - Secretaria de Educação Especial. Educação Inclusiva. Brasília, 2008. Disponível em: http://www.mec.gov.br. Acesso em: 08 fev. 2019.

BRASIL. Lei n. 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm. Acesso em: 08 fev. 2019.

BITTENCOURT, Zelia Zilda Lourenço de Camargo; FONSECA, Ana Maria Ribeiro da. Percepções de pessoas com baixa visão sobre seu retorno ao mercado de trabalho. Paidéia (Ribeirão Preto), Ribeirão Preto, v. 21, n. 49, p. 187-195, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-863X2011000200006&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 22 jan. 2019.

CAMARGO, Mário Lázaro; GOULART JUNIOR, Edward; LEITE, Lúcia Pereira. O Psicólogo e a Inclusão de Pessoas com Deficiência no Trabalho. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 37, n. 3, p. 799-814, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932017000300799&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 06 jan. 2019.

CARVALHO-FREITAS, Maria Nivalda de; MARQUES, Antônio Luiz. Formas de ver as pessoas com deficiência: um estudo empírico do construto de concepções de deficiência em situações de trabalho. RAM. Revista de Administração Mackenzie. São Paulo, v. 11, n. 3, 2010, p. 100 – 129. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-69712010000300007&lang=pt. Acesso em: 27 nov. 2016.

COUTINHO, Kátia Soares; RODRIGUES, Graciela Fagundes; PASSERINO, Liliana Maria. O Trabalho de Colaboradores com Deficiência nas Empresas: com a Voz os Gestores de Recursos Humanos. Rev. bras. educ. espec., Marília, v. 23, n. 2, p. 261-278, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382017000200261&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 13 jan. 2019.

DONIDA, Lais Oliva. Universitários com dificuldades de leitura e escrita: desvelando discursos. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão, Programa de Pós-Graduação em Linguística. Florianópolis: 2018, 145p. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/194394/PLLG0731-D.pdf?sequence=-1&isAllowed=y. Acesso em: 20 set. 2019.

EAO, Marluce Auxiliadora Borges Glaus; SILVA, Ludimila Santos. Vivências de trabalhadores com deficiência: uma análise à luz da Psicodinâmica do Trabalho. Rev. bras. saúde ocup., São Paulo, v. 37, n. 125, p. 159-169, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0303-76572012000100019&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 24 nov. 2018.

FILLMANN, Alceu Edir; ZANOTELLI, Cladir Terezinha; BALDIN, Nelma; CAPONI, Sandra Noemi Cucurullo de. Inclusão Social do portador de Transtorno Mental: Um Estudo de Caso no Centro de Atenção Diária Nossa Casa de Joinville-SC. Dissertação. Mestrado em Saúde e Meio Ambiente. Universidade da Região de Joinville, 2005.

GARCIA, Vinicius Gaspar. Panorama da inclusão das pessoas com deficiência no mercado de trabalho no Brasil. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v.12 n. 1, p. 165-187, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tes/v12n1/10.pdf. Acesso em: 26 nov. 2016.

GARLET, Valéria; BEURON, Thiago Antônio; SCHERER, Flávia Luciane. Qualidade de vida no serviço público: uma análise das ações de qualidade de vida no trabalho das instituições federais de ensino superior gaúchas. Estudos do CEPE, Santa Cruz do Sul, n. 45, p. 109-126, jun. 2017. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/cepe/article/view/8245/6077. Acesso em: 09 mar. 2019.

IBGE. Cartilha do Censo 2010 – Pessoas com Deficiência. Luiza Maria Borges Oliveira / Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) / Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SNPD) / Coordenação-Geral do Sistema de Informações sobre a Pessoa com Deficiência; Brasília: SDH-PR/SNPD, 2012. Disponível em: http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/sites/default/files/publicacoes/cartilha-censo-2010-pessoas-com-deficienciareduzido.pdf. Acesso em: 08 fev. 2019.

LIMA, Francisco J. Lima; TAVARES, Fabiana S. S. Barreiras atitudinais: obstáculos à pessoa com deficiência na escola. 2012. Disponível em: http://www.deficienteciente.com.br/2012/09/barreiras-atitudinais-obstaculos-a-pessoa-comdeficiencia-na-escola.html. Acesso em: 08 fev. 2018.

NEVES-SILVA, Priscila; PRAIS, Fabiana Gomes; SILVEIRA, Andréa Maria. Inclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalho em belo Horizonte, Brasil: cenário e perspectiva. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 20, n. 8, 2005, p. 2549 – 2558. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232015000802549&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 27 nov. 2016.

PEREIRA, Carlos Eduardo Candido; BIZELLI, José Luís; LEITE, Lúcia Pereira. Organizações de ensino superior: inclusão e ambiente de trabalho. Educ. Soc., Campinas, v. 38, n. 138, p. 99-115, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302017000100099&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 13 jan. 2019.

PEREIRA-SILVA, Nara Liana; FURTADO, Adelaine Vianna; ANDRADE, Jaqueline Ferreira Condé de Melo. A Inclusão no Trabalho sob a Perspectiva das Pessoas com Deficiência Intelectual. Trends Psychol., Ribeirão Preto, v. 26, n. 2, p. 1003-1016, 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2358-18832018000201003&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 06 jan. 2019.

PRETI, Dino. (org). O discurso oral culto. 2. ed. São Paulo: Humanitas Publicações – FFLCH/USP, 1999.

SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão. Construindo uma Sociedade para Todos. 3. ed. Editora WVA: Brasília, 1997.

SEVERO, Cristine. Políticas linguísticas e questões de poder. Alfa, n.57, v.2, pp. 451-473. São Paulo, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/alfa/v57n2/06.pdf. Acesso em: 12 de jan. 2019.

SILVA, Adriana Leal Brum. Práticas de leitura e constituição do leitor com cegueira e baixa visão: o contexto universitário em questão. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão, Programa de Pós-Graduação em Linguística. Florianópolis: 2018, 201p.

Publicado

02/09/2019

Como Citar

Pottmeier, S., Donida, L., Darde, A. O. G., & Santana, A. P. (2019). Servidores com deficiência na universidade: barreiras para a inclusão. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 14(4), 2377–2397. https://doi.org/10.21723/riaee.v14i4.12968

Edição

Seção

Artigos