Instrumento para avaliação de práticas, culturas e políticas inclusivas em contextos universitários

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16i4.15756

Palavras-chave:

Acessibilidade. Educação Inclusiva. Ensino Superior. Inclusão.

Resumo

A presença de pessoas com deficiência no ensino superior acena políticas afirmativas em defesa de uma universidade acessível a todos. Convoca ainda, distintos membros da comunidade acadêmica a reduzir as desigualdades no acesso e participação na Educação Superior, à coletivos populacionais, em situação de vulnerabilidade social, econômica e educacional, dos quais se inserem as pessoas com deficiências. Posto isso, este trabalho descreve a preparação do instrumento de pesquisa para identificar políticas, culturas e práticas inclusivas em contextos universitários. Trata-se do Índice de Inclusão para Educação Superior (INES), traduzido e adaptado para uso em ambientes socioeducativos universitários distintos. Os resultados indicaram ajustes no instrumento original sendo, portanto, adaptado ao contexto universitário brasileiro. Sua aplicabilidade reafirma o compromisso institucional da comunidade acadêmica para uma mirada social, crítica e transformadora dos processos de formativos na Educação Superior.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Cavalcante de Andrade Louzada, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Marília – SP – Brasil

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Filosofia e Ciências (FFC).

Sandra Eli Sartoreto de Oliveira Martins, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Marília – SP – Brasil

Professor assistente no Departamento de Educação Especial e no Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Filosofia e Ciências (FFC). Doutorado em Educação (UNESP).

Referências

ANACHE, A. A.; CAVALCANTE, L. D. Análise das condições de permanência do estudante com deficiência na Educação Superior. Psicologia Escolar e Educacional, n. esp., p. 115-125, 2018.

BEATON, D. et al. Guidelines for the process of cross-cultural adaptation of self-report measures. Spine, v. 24, n. 25, p. 3186-3191, 2002.

BEATON, D. et al. Recommendations for the cross-cultural adaptation for DASH & Quick DASH outcome measures. Institute for work & health, 2007. 45 p.

BOOTH, T.; AINSCOW, M. (col.). Guía para la melhora evaliación y mejora de la educación inclusiva. CSIE. Centre for Studies in Inclusive Education. Reino Unido: CSIE, 2000. 130 f.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Documento elaborado pelo Grupo de Trabalho nomeado pela Portaria nº 555/2007, prorrogada pela Portaria nº 948/2007, entregue ao Ministro da Educação em 07 de janeiro de 2008.

BRASIL. Lei n. 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da União; Poder Executivo, Brasília, DF, 7 jul. 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm. Acesso em: 10 ago. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Referenciais de acessibilidade na educação superior e a avaliação in loco do sistema nacional de avaliação da educação superior (SINAES). Brasília, DF: MEC, 2013. Disponível em: https://www.puc-campinas.edu.br/wp-content/uploads/2016/04/proavi-referenciais-de-acessibilidade-parte-i.pdf. Acesso em: 26 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da educação superior – Sinopse Estatística da Educação Superior. Brasília, DF: MEC/INEP, 2017. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopsesestatisticas-da-educacao-superior. Acesso em: 01 nov 2018.

CABRAL, L. S. A.; MELO, F. R. L. V. Entre a normatização e a legitimação do acesso, participação e formação do público-alvo da educação especial em instituições de ensino superior brasileiras. Educar em Revista, n. esp. 3, p. 55-70, 2017.

COLÔMBIA. Ministerio de Educación Nacional. Índice de inclusión para educación superior (INES). Bogotá, 2017. 158p.

DINIZ, I. C. S.; ALMEIDA, A. M.; FURTADO, C. C. University libraries: The role of an accessible campus on the inclusion of users with special needs. TransInformação, v. 31, p. 1-12, 2019.

FERNANDES, W. L.; COSTA, C. S. L. Possibilidades da Tutoria de Pares para Estudantes com Deficiência Visual no Ensino Técnico e Superior. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 21, n. 1, p. 39-56, 2015.

FERREIRA, A. V. et al. Educação Inclusiva no ensino superior: principais desafios a serem superados. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 3., 2016, Campina Grande, PB. Anais […]. Campina Grande, PB: Realize Editora, 2016. Disponível em: http://www.editorarealize.com.br/revistas/conedu/trabalhos/TRABALHO_EV056_MD1_SA7_ID4844_16082016200614.pdf. Acesso em: 20 mar. 2020.

FISCHER, M. L. Tem um estudante autista na minha turma! E agora? O diário reflexivo promovendo a sustentabilidade profissional no desenvolvimento de oportunidades pedagógicas para inclusão. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 25, n. 4, p.535-552, 2019.

LEITE, L. P.; LACERDA, C. B. F. de. A construção de uma escala sobre as concepções de deficiência: procedimentos metodológicos. Psicologia USP, v. 29. n. 3, p. 432-441, 2018.

LIMA, A. et al. Inclusão no ensino superior: uma proposta de ação em psicologia escolar. Psicologia Escolar e Educacional, v. 20, n. 1, p. 175-177, 2016.

MACÊDO, L. Avaliação, acessibilidade e inclusão de pessoas com deficiência nos cursos de graduação do sistema nacional da educação superior (SINAES). 2017. Disponível em: https://institutoitard.com.br/avaliacao-acessibilidade-e-inclusao-de-pessoas-com-deficiencia-nos-cursos-de-graduacao-do-sistema-nacional-da-educacao-superior-sinaes/ Acesso em: 26 abr. 2020.

MEDRADO, B. P.; MELLO, D.; TONELLIS, J. R. A. Inclusive practices and policies in language teacher education courses. DELTA, v. 35, n. 3, p. 1-23, 2019.

NEVES, J. D. V.; MACIEL, R. A.; OLIVEIRA, M. V. S. Representações de práticas inclusivas: da realidade vivida aos caminhos da inclusão no ensino superior da Amazônia paraense. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 100, n. 255, p. 443-463, 2019.

OLIVEIRA, R. Q. et al. A inclusão de pessoas com necessidades especiais no ensino superior. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 22, n. 2, p. 299-314, 2016.

PERON, L.; MICHELS, L. R. F. Práticas Inclusivas na educação superior: a experiência da UFFS. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO – EDUCERE, 12., 2015, Curitiba. Anais […]. Curitiba, PR: PUCPR, 2015. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2015/18088_7828.pdf. Acesso em: 23 mar. 2020.

SANTOS, P. N. D. Tradução e adaptação transcultural do instrumento Wound quality of life. 2016. 103 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná, 2016.

SERRANO, E. A. P.; OCHOA, E. M. H. La orientación educativa en las prácticas inclusivas de la educación superior cubana. Psicologia Escolar e Educacional, n. esp., p. 77-85, 2018.

STAINBACK, W.; STAINBACK, S. Colaboração, Rede de apoio e construção de comunidade. In: STAINBACK, W.; STAINBACK, S. (Ed.). Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999. p. 223-230.

TOMELIN, K. N. et al. Educação inclusiva no ensino superior: desafios e experiências de um núcleo de apoio discente e docente. Revista Psicopedagogia, v. 35, n. 106, p. 94-103, 2018.

UNESCO. Declaração de Salamanca. Conferência Mundial sobre Educação Especial. Salamanca, Espanha, 1994. 17 p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf. Acesso em: 25 fev. 2019.

UNICEF. Declaração Mundial sobre Educação para Todos. Conferência Mundial sobre Educação para Todos. Plano de Ação para Satisfazer as Necessidades Básicas de Aprendizagem. Aprovada pela Conferência Mundial sobre Educação para Todos. Jomtien, Tailândia: UNICEF, 1990. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/declaracao-mundial-sobre-educacao-para-todos-conferencia-de-jomtien-1990. Acesso em: 25 fev. 2019.

Publicado

02/01/2022

Como Citar

LOUZADA, J. C. de A.; MARTINS, S. E. S. de O. Instrumento para avaliação de práticas, culturas e políticas inclusivas em contextos universitários. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. 1, p. 0229–0245, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v16i4.15756. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/15756. Acesso em: 13 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos