Educação Especial E Formação De Professores: Uma Análise Dos Projetos Pedagógicos De Curso (PPC)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14i1.11267

Palavras-chave:

Educação especial, Formação inicial, Licenciaturas.

Resumo

A democratização do ensino vem impulsionando demandas de formação. Neste sentido, o artigo objetivou descrever e analisar como os cursos de Licenciatura da Universidade Federal de Goiás - Regional Catalão (RC-UFG) têm se organizado quanto à oferta de disciplinas e temáticas relacionadas à educação especial e seu público-alvo. Trata-se de pesquisa documental, que se utilizou da análise de projetos pedagógicos de curso (PPC), matrizes curriculares e ementários dos componentes curriculares de 12 cursos de licenciatura da RC-UFG, os quais foram submetidos à técnica de análise do conteúdo. Os resultados demonstram que todos os cursos investigados ofertam a disciplina de Libras, e apenas cinco oferecem disciplinas e/ou discussão de conteúdos referentes às outras especificidades da educação especial. Os dados evidenciam que apenas mediante a obrigatoriedade de oferta de conteúdos relacionados à educação especial serão atendidas as recomendações legais de formação para atendimento à diversidade.

Biografia do Autor

Wanessa Ferreira Borges, Universidade Federal de São Carlos - Ufscar

Possui graduação em Ciências Biológicas (Licenciatura) pela Universidade Federal de Goiás- Campus Avançado Catalão (2010) e em Pedagogia pela Universidade de Uberaba (2016). Mestre em Educação pelo Programa de Pós Graduação em Educação - PPGEDUC da Universidade Federal de Goiás - Campus Avançado Catalão (2015). Instrutora de Braille na Subsecretaria Regional de Educação de Catalão-GO. Atualmente é doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos - Conceito 6. Tem experiência na área de Educação com ênfase em Educação Especial, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Especial, Tecnologia Assistiva, Deficiência visual (Baixa visão), Inclusão Escolar, Formação de Professores, Pesquisa e Consultoria colaborativa e Atendimento Educacional Especializado.

Cristiane Silva Santos, Universidade Federal de Goiás - UFG

Possui graduação em Educação Física pela Universidade Federal de Uberlândia (1999), mestrado em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia (2004) e Doutorado em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia (2013). Docente do Curso de Educação Física da Unidade Acadêmica Especial de Biotecnologia da Regional Catalão da Universidade Federal de Goiás (RCC/UFG) atuando principalmente com os seguintes temas: pessoas com deficiência e Políticas Públicas de inclusão escolar. Participo do Grupo de Pesquisa Práticas Educativas e Inclusão. Doutorado Sanduíche (Estágio Científico Avançado no Âmbito de Doutoramento) na Universidade do Minho na cidade de Braga-Portugal no período de 01/09/2011 a 31/01/2012. Coordenadora do Núcleo de Acessibilidade da RC/UFG

Maria da Piedade Resende da Costa, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar

ossui Formação em Psicologia pela Universidade Católica de Pernambuco (1975), graduação em Pedagogia pela Universidade Católica de Pernambuco, mestrado em Educação Especial (Educação do Indivíduo Especial) pela Universidade Federal de São Carlos (1984) e doutorado em Psicologia (Psicologia Experimental) pela Universidade de São Paulo (1992). Participou da formação da profissão de Fonoaudiólogo desde 1965, em Recife, através da Associação Pernambucana de Logopedia. Após o reconhecimento da profissão obteve o título de Fonoaudióloga pelo Conselho Federal de Fonoaudiologia. Foi professora dos Departamentos de Psicologia e de Metodologia do Ensino da Universidade Federal da Paraíba e do Departamento de Psicologia da UFSCar. Atualmente é professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação Especial da Universidade Federal de São Carlos com orientação no mestrado e doutorado e supervisão de pós-doutorado. Foi membro do Conselho Universitário da UFSCar, membro do Conselho do Curso de Pós-Graduação em Educação Especial da UFSCar, Chefe e Vice-Chefe do Departamento de Psicologia da UFSCar.Participou do Projeto para a implantação do curso de Licenciatura em Educação Especial da UFSCar. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Especial, atuando principalmente nos seguintes temas: educação especial, inclusão, surdocegueira, deficiência visual, deficiência mental, deficiência múltipla e educação de surdos. Iniciou e coordena as atividades do Laboratório de Educação Especial que oferece um atendimento especializado à comunidade desde 1985 até a presente data. É líder do Grupo de Pesquisa Educação Especial desde 1992 (dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/9661605924327912) até a presente data. Publicou livros sobre Alfabetização para Deficientes Intelectuais, Matemática para Deficientes Intelectuais, Ensino de Surdos, Surdocegueira, Deficiência Múltipla e Educação Especial. Possui publicações em capítulos de livros e artigos em periódicos especializados.Tem participado de eventos nacionais e internacionais sobre Educação Especial, emitido pareceres para periódicos especializados em Educação e Educação Especial. É membro do corpo editorial de periódicos especializados e conselhos científicos de editoras.

Referências

ALVES, M. L. T; DUARTE, E. A percepção dos alunos com deficiência sobre a sua inclusão nas aulas de educação física escolar: um estudo de caso. Revista Brasileia de Educação Física do Esporte, São Paulo, p. 329-338, abr./jun. 2014.

AMARAL, L. A. et al. Projeto USP legal propondo uma política da USP referida à deficiência. 2000. Disponível em: www.fsp.usp.br/acessibilidade/cd/atiid2003/.../ProjetoUSPLegal.doc. Acesso em: 30 nov. 2010.

BARDIN, L. Análise do conteúdo. Lisboa- Portugal: Ed.70, 2004. 223p.

BASSO, S. P. S. Curso de licenciatura na área de Ciências: a temática inclusão escolar de alunos com necessidades educacionais especiais. 2015. 131f. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, Bauru, 2015.

BORGES, W. F. Tecnologia Assistiva e Práticas de Letramento no Atendimento Educacional Especializado. 2015. 205 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal de Goiás - Regional Catalão, Catalão, 2015.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988. Disponível em: http://www.culturabrasil.pro.br/zip/constituicao.pdf. Acesso em: 6 fev. 2011.

BRASIL. Decreto n. 5626 de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei n. 10436 de 24 de abril de 2002 que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais e o art.18 da Lei 10.098 de 19 de dezembro de 2000. 2005. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5626.htm. Acesso em: 6 fev. 2011.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). 2015b. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm. Acesso em: 22 fev 2016.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Portaria 1793, de dezembro de 1994. Recomenda a inclusão da disciplina ou conteúdos sobre aspectos ético-político-pedagógicoeducacionais da normalização e integração da pessoa portadora de necessidades especiais em cursos de graduação. 1994. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/port1793.pdf. Acesso em: 6 fev. 2011.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. MEC/SEESP: Brasília, 2008a. Acesso em: Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/politica.pdf. Acesso em: 07 fev. 2011.

BRASIL. Resolução nº 2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. 2015a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf&category_slug=agosto-2017-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 16 fev. 2018.

CARDOSO, C. R. Organização do trabalho pedagógico, funcionamento e avaliação no Atendimento Educacional Especializado em Salas de Recursos Multifuncionais. 2013. 189 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal de Goiás- Regional Catalão, Catalão, 2013.

INSTITUTO EDUCACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Sinopse estatística da educação básica 2016. Brasília: Inep, 2017. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/sinopses-estatistitcas-da-educacao-báscia. Acesso em: 27 fev. 2018.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Sinopse Estatística da Educação Básica. Brasília, 2015, Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-basica. Acesso em: 04 jan. 2018.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MOREIRA, L. C.; BOLSANELLO, L. A.; SEGER, R. G. Ingresso e permanência na Universidade: alunos com deficiência em foco. Educar em Revista, Curitiba, n. 41, p. 125-143, 2001.

NOZI, G. S.; VITALIANO, C. R. Saberes de professores propícios à inclusão dos alunos com necessidades educacionais especiais: condições para sua construção. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 30, n. 59, p. 589-602, set./dez. 2017.

POKER, R. B.; MELLO, A. R. L. Inclusão e formação do professor. Journal of Research in Special Educational Needs, v. 16, n. 1, p. 619- 624, 2016.

PUREZA, M. G. B. Desvelando o território da educação inclusiva na formação inical de professores de Geografia: os projetos pedagógicos da UFPA e IFPA em análise. 2012. 200f. Dissertação (Mestrado em Educação) Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Pará, Belém, 2012.

RIBEIRO, E. B. V. Formação de professor de Ciências e Educação Inclusiva em uma instituição de ensino superior de Jataí-GO. 2011. 107f. Dissertação (Mestrado em Educação, Ciências e Matemática) – Programa de pós-graduação em Educação em Ciências e Matemática, Universidade Federal de Goiás.

SALVADOR, D. A. Métodos e técnicas de pesquisa bibliográfica. 11. ed. São Paulo: Sulinas, 1986.

SANTOS, Y. B. S. O paradigma da inclusão no curso de pedagogia do IFPA: o projeto formativo em debate. 2012. 152f. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Pará, Belém, 2012.

SILVA, L. C. da. Políticas públicas e formação de professores: vozes e vieses da educação inclusiva. 2009. 251. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2009.

SILVA, M. R. A Formação de Professores de Atendimento Educacional Especializado de Goiás. 2014. 194 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Goiás - Regional Catalão, Catalão.

UNESCO. United Nations Educational, Scientific na Cutural Organization (1994). The Salamanca Statement an Framework for Anction Special Needs Education. Salamanca, 1994.

VEIGA, I. P. A. Inovações e projeto político-pedagógico: uma relação regulatória ou emancipatória? Cad. Cedes, Campinas, v.23, n. 61, p. 267-281, 2003.

VITALIANO, C. R.; MANZINI, E. J. A formação inicial de professores para a inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais. In: VITALIANO, C. R.; MANZINI, E. J. A. Formação de professores para a inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais. Londrina: EDUEL, 2010. p. 49-112.

Publicado

01/01/2019

Como Citar

BORGES, W. F.; SANTOS, C. S.; COSTA, M. da P. R. da. Educação Especial E Formação De Professores: Uma Análise Dos Projetos Pedagógicos De Curso (PPC). Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. 1, p. 138–156, 2019. DOI: 10.21723/riaee.v14i1.11267. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/11267. Acesso em: 3 mar. 2021.

Edição

Seção

Artigos