Educação do campo e o paradigma da extensão descolonial na universidade pública

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp3.14447

Palavras-chave:

Universidade popular, Educação do campo, Política de educação, Universidade, Extensão descolonial

Resumo

A educação pública brasileira enfrenta impasses na política de democratização da universidade com o desmonte da política educacional pelo governo ultraconservador. Essa política impacta no aumento da exclusão educacional dos povos do campo. Diante desse contexto, a educação do campo vem produzindo uma concepção de extensão popular que reafirma a valorização dos saberes dos camponeses na produção de uma educação libertadora. A extensão popular articula o diálogo entre conhecimento científico e popular no fortalecimento da pedagogia da alternância e na defesa da Educação do Campo. Interpelados pela problemática: como a extensão popular, no contexto da educação do campo, contribui com a descolonização da extensão universitária? A abordagem qualitativa e a investigação-ação participante fundamentam as bases metodológicas da pesquisa, com relação a análise dos dados utilizamos o método dialético. Os aportes teóricos que fundamentam a investigação: Freire (2006); Santos, (2010); Borda, (1981); Medeiros, (2010). Os resultados apontam para necessidade de descolonização da concepção de extensão acadêmica pelos princípios da extensão popular que se realiza pelo interconhecimento entre saberes científicos e saberes populares; articula novas bases teórico-metodológicas no trabalho educativo por meio de metodologias participativas. A extensão popular constitui os princípios para construção do conceito de extensão descolonial, que se efetiva pela intervenção ativa dos sujeitos do campo a partir de uma pedagogia participante que promove a descolonização do conhecimento e da universidade.

Biografia do Autor

Maria do Socorro Pereira da Silva, Universidade Federal do Piauí (UFPI), Teresina – PI

Professora Adjunta da Universidade Federal do Piauí, Doutora em Educação (UFPI), Coordena o Núcleo de Estudos, Pesquisa e Extensão em Educação, Ciência Descolonial, Epistemologia e Sociedade (NEPEECDES).

Referências

AGOSTINI, N.; SILVA, L. B. O. Educação e formação crítica na atualidade. RIAEE – Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. esp. 4, p. 1977-1992, dez., 2019. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12922/8691. Acesso: 12 jun. 2020

BORDA, O. F. La ciência y el Pueblo: nuevas reflexiones sobre la investigación-acción. In: La sociologia em Colombia: balance y perspectivas. Asciación Colombiana de Sociologia. III Congresso Nacional de Sociologia, Bogotá, 1981.

CASTRO, A. M. D. A.; PEREIRA, R. L. A. Universidade flexível: nova tendência para as universidades federais brasileiras. RIAEE – Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. esp. 3, p. 1638-1654, out., 2019. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12738/8440. Acesso: 10 jun. 2020

DAMÁZIO, M. F. M.; SOUZA, S. R. O. “Chão da sala de aula” no ensino superior: metodologia dos professores. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 15, n. esp. 2, p. 1482-1500, ago. 2020. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/13801/9334. Acesso em: 10 set. 2020

FERNADES, F. O desafio educacional. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1989. (Educação Contemporânea).

FREIRE, P. Extensão ou Comunicação? Ed. São Paulo: Paz e Terra, 127 p., 2015.

MÁRQUEZ, Gabriel Garcia. A solidão da América Latina. Disponível em: https://ojs.unila.edu.br/ojs/index.php/IMEA-UNILA Vol. 2, Num. 1,p. 12-14>, 2014. Acesso em: 10. Set.2020

MEDEIROS, L. B. Parceria e dissenso na educação do campo: marcas e desafios na luta do MST. 2010. 243 f. Tese (doutorado em Educação) Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Programa de Pós-Graduação em Educação, 2010.

MOLINA, M. C.; FERNANDES, B. M. O Campo da Educação do Campo. Educação do Campo: Contribuições para a Construção de um Projeto de Educação do Campo. Brasília, DF: Articulação Nacional “Por Uma Educação do Campo”, 2004.

MORA-OSEJO, L. E.; BORDA, O. F. A superação do eurocentrismo. Enriquecimento do saber sistémico e endógeno sobre nosso contexto tropical. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). Conhecimento prudente para uma vida decente. São Paulo: Cortez, p. 711-720, 2004.

NUNES, A. L. F, SILVA, M. B. C. A extensão universitária no ensino superior e a sociedade. 2011. 15. Resumo. Minas Gerais, 2011. Disponível em: http://www.uemg.br/openjournal/index.php/malestar/article/viewFile/60/89. Acesso em: 14 fev. 2019.

NUNES, J. A. O resgate da epistemologia. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (Org.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, p. 261-290, 2010.

SANTOS, B. S.; ALMEIDA, F. N. A Universidade no século XXI: para uma universidade nova. Coimbra: Almedina, 2008.

Downloads

Publicado

30/10/2020

Como Citar

Silva, M. do S. P. da. (2020). Educação do campo e o paradigma da extensão descolonial na universidade pública. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 15(esp3), 2382–2395. https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp3.14447