Olhares sensíveis em estudo de campo ao museu Solar Monjardim: memória e formação histórica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16i4.14533

Palavras-chave:

Formação histórica, História, Memória, Museu

Resumo

Objetiva-se refletir sobre as teorias e metodologias que perpassam a formação histórica, encetadas a partir dos estudos de campo realizadas no museu Solar Monjardim com alunos do Curso de Pedagogia da Universidade Federal do Espírito Santo. Na busca por mapear e despertar alternativas que propiciem os olhares sensíveis para aspectos histórico-culturais presentes em museus, adotou-se a metodologia qualitativa de pesquisa. Utilizamos vários fragmentos dos debates realizados em sala de aula, da observação ao espaço museal e dos relatos, produzidos pelos alunos após o estudo de campo. Os resultados das visitas ao museu demonstram uma leitura a “contra pelo” e podem ser vistos como trama tecida a partir da sensibilidade dos alunos ao que lhes foi apresentado. Em suas competências narrativas aparecem os seus próprios sentidos históricos que atribuem em relação ao museu, à memória e à história.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Regina Celi Frechiani Bitte, Universidade Federal do Espírito Santos (UFES), Vitória – ES

Professora Associada I e Docente do Centro de Educação. Doutorado em Educação (UFES).

Sônia Maria dos Santos, Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Uberlândia – MG

Professora Titular Aposentada da Faculdade de Educação (UFU). Doutorado em Educação (PUC-SP).

Referências

BAROM,W. C. C.; CERRI, L. F.O ensino da história a partir da teoria de JörnRüsen. Universidade Estadual de Maringá 2011. Disponível em: http://www.ppe.uem.br/publicacoes/seminario_ppe_2011/pdf/1/006.pdf. Acesso em: 20 abr. 2019.

CARVALHO, M. C.; PORTO, C. Crianças e Adultos em Museus e Centros Culturais. In: KRAMER, S.; NUNES, F.; CARVALHO, M. C. (org.). Educação Infantil: formação e responsabilidade. Campinas: Papirus, 2013. p. 133-150.

CHAGAS, M. S. A uma gota de sangue em cada museu. Chapecó: Argos, 2006.

CHARTIER, R. A história cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1990.

CHARTIER, R. A história ou a leitura do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

FENELÓN, D. R. Políticas Culturais e Patrimônio Histórico. In: FENELÓN, D. R. O direito à memória: patrimônio, história e cidadania. São Paulo: DPH, 1992.

MENESES, U. T. B. A história cativa da memória? Para um mapeamento da memória no campo das ciências sociais. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 34, p. 9-24,1992.

MENESES, U. T. B. Educação e museus: sedução riscos e ilusões. Ciências; Letras, Porto Alegre, n. 27, p. 91-101, jan./jun. 2000.

ORIÁ, R. Memória e ensino de História. In: BITTENCOURT, C. (org.) O saber histórico na sala de aula. 12. ed. São Paulo: Contexto, 2013. p. 128-148.

POLLAK, M. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

RAMOS, F. R. L. A danação do objeto: o museu no ensino de história. Chapecó: Argos, 2004.

RÜSEN, J. História Viva: teoria da história: formas e funções do conhecimento histórico. Brasília: UnB, 2007.

SIMAN, L. M. C. Práticas culturais e práticas escolares: aproximações e especificidades no ensino de história. Revista do Laboratório de Ensino de História/UEL, Londrina, v. 9, p. 185-204, 2003.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 13. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2012.

Downloads

Publicado

21/10/2021

Como Citar

BITTE, R. C. F.; SANTOS, S. M. dos. Olhares sensíveis em estudo de campo ao museu Solar Monjardim: memória e formação histórica. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. 4, p. 2903–2917, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16i4.14533. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/14533. Acesso em: 22 jan. 2022.