Ensino remoto e estágio supervisionado na educação do campo

Dilemas, desafios e aprendizagens

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v18i00.18017

Palavras-chave:

Ensino remoto, Estágio supervisionado, Educação do campo, Aprendizagem, Docência

Resumo

Este estudo tem como objetivo analisar os desafios e as aprendizagens vivenciadas pelos estudantes-estagiários durante o estágio supervisionado no período do ensino remoto na Licenciatura em Educação do Campo (LEdoC). A metodologia utilizada foi a abordagem qualitativa, por meio da pesquisa participante. Para produção dos dados, adotamos o levantamento da literatura, a análise das resoluções e aplicação do instrumento questionário aos estudantes-estagiários do curso de Licenciatura em Educação do Campo, Campus Professora Cinobelina Elvas no munícipio de Bom Jesus, Piauí. Os resultados apontaram para a fragilidade do ensino remoto nas escolas básicas do campo pela impossibilidade de realização de uma proposta emergencial sem atender as condições mínimas de acesso às tecnologias e plataformas digitais. Os dados também revelaram que, mesmo com esse condicionante do ensino remoto em caráter emergencial, o estágio supervisionado como componente curricular possibilitou aprendizagens sobre a docência e sobre os processos pedagógicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Lima Monteiro Cunha, Universidade Federal do Piauí

Professora do Curso de Licenciatura em Educação do Campo (LEDOC). Doutorado em Educação (UFPI).

Maria do Socorro Pereira da Silva, Universidade Federal do Piauí

Professora do Curso de Licenciatura em Pedagogia, Departamento de Fundamentos da Educação (DEFE). Doutorado em Educação (UFPI).

Thaynan Alves dos Santos, Universidade Federal do Sul da Bahia

Mestrando em Ciências e Sustentabilidade.

Referências

BATISTA; O. A.; SILVA; M. S. P. Educação do Campo na Universidade: realidades e desafios socioeducacionais dos camponeses. Interfaces da educação, v. 11, n. 33, p. 617-637, 2020. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/interfaces/article/view/4522/3948. Acesso em: 10 abr. 2022.

BRANDÃO, C. R. (org.). Repensando a pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense, 1999.

BRASIL. Projeto de lei n. 3477, de 2020. Brasília, DF: Senado Federal do Brasil, 2020. Disponível em: https://legis.senado.leg.br/sdlegetter/documento?dm=8916306&ts=1616156368586&disposition=inline. Acesso em: 12 maio 2021.

BRASIL. Decreto n. 7.352, de 4 de novembro de 2010. Dispõe sobre a política de educação do campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária –PRONERA. Brasília, DF: Presidência da República, 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7352.htm. Acesso em: 12 mar. 2021.

CALDART, R. S. Por uma educação do campo: traços de uma identidade em construção. In: ARROYO, M. G.; CALDART, R. S.; CASTAGNA, M. Por uma educação do campo. 5. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

GIMENO SACRISTÁN, J.; PÉREZ GÓMEZ, A. Compreender e transformar o ensino. 4. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

GOMES, D. A.; SANTOS, J. S. A implementação e a consolidação dos cursos de formação de professores para a educação do campo: uma revisão sistemática. RIAEE – Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. 2, p. 1079-1097, abr./jun. 2022. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/14369/13315. Acesso em: 10 abr. 2022.

KULCSAR, R. O estágio supervisionado como atividade integradora. In: PICONEZ, S. C. B. (coord.). A prática de ensino e o estágio supervisionado. 23. ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

LEFEBVRE, H. Lógica Formal/Lógica Dialética. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1983.

MINAYO, M. C. S.; DESLANDES, S. F.; GOMES, R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 32. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

MOLINA, M. C. Contribuições das Licenciaturas em Educação do Campo para as políticas de formação de educadores. Educ. Soc., Campinas, v. 38, n. 140, p. 587-609, jul./set. 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/57t84SXdXkYfrCqhP6ZPNfh/abstract/?lang=pt. Acesso em: 10 abr. 2022.

NÓVOA, A. Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

PACHECO, J. A.; FLORES, M. A. Formação e avaliação de professores. Porto: Porto

Editora, 1999.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docência. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

SAVIANI, D.; GALVÃO, A. C. Educação na Pandemia: a falácia do “ensino” remoto. Caderno Universidade & Sociedade, Rio de Janeiro, Ano XXXI, n. 67, 2021.

SILVA, W. A. Trabalho educativo, tecnologias educacionais e formação humana. RIAEE – Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. esp. 1, p. 0781-0794, mar. 2022. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/15880. Acesso em: 10 abr. 2022.

STRECK, D. R. Fontes da pedagogia latino-americana: uma antologia. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012.

UFPI. Projeto Político do Curso. Campus Professora Cinobelina Elvas. Bom Jesus, 2013.

UFPI. Resolução CEPEX/UFPI n. 56 de 14 de maio de 2021. Dispõe sobre a regulamentação, em caráter excepcional, da oferta de Componente Curricular para o Período Letivo 2020.1 para estudantes dos cursos de Licenciatura em Educação do Campo (LEDOC), no formato remoto, em decorrência da pandemia do novo coronavírus – COVID-19, e dá outras providências. Teresina, PI: UFPI, 2021.

VEIGA, I. P. A. (org.). Aula: gênese, dimensões, princípios e práticas. Campinas, SP: Papirus, 2008.

Publicado

31/08/2023

Como Citar

CUNHA, A. L. M.; SILVA, M. do S. P. da; SANTOS, T. A. dos. Ensino remoto e estágio supervisionado na educação do campo: Dilemas, desafios e aprendizagens. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 18, n. 00, p. e023058, 2023. DOI: 10.21723/riaee.v18i00.18017. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/18017. Acesso em: 28 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos teóricos