A importância da construção de redes de conhecimento em IES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v19i00.18393

Palavras-chave:

Redes de Conhecimento, Conhecimento, Informação, Inteligência, Instituições de Ensino Superior

Resumo

As Instituições de Ensino Superior (IES) estão inseridas em ambientes com um número inimaginável de informações e conhecimentos. Isso proporciona a construção de redes de informações e conhecimentos extremamente dinâmicas. A pesquisa foi realizada em uma IES do estado de São Paulo, dotando-se do método de estudo de caso, permitindo a construção da rede de conhecimento da IES. Realizou-se o mapeamento das fontes e fluxos de informações e conhecimentos. O resultado proporcionou a construção do sociograma da IES, demonstrando as relações de acesso de conhecimentos e informações entre indivíduos da instituição e ao ambiente externo. Demonstrou-se que as fontes e fluxos de conhecimento existentes proporcionam sustentação para a construção de novas inteligências e conhecimentos. Identificou-se também a centralização desses recursos em indivíduos do ambiente interno, bem como a pouca percepção da importância das fontes e fluxos externos. Gerou-se recomendações para a IES realizar melhor uso desses recursos de maneira estruturada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Francisco Bitencourt Jorge, Universidade de Marília

Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Administração de Organizações Inovadoras. Doutorado em Ciência da Informação (UNESP).

Marta Lígia Pomim Valentim, Universidade Estadual Paulista

Professora no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação. Doutorado em Ciências da Comunicação (USP).

Michael J. D. Sutton, Anaheim University

Professor  e Pesquisador, Akio Morita School of Business;  PhD in Science Information, McGill University: Montreal, Quebec, CA.

Referências

ALBAGLI, S. Território e Territorialidade. In: LAGES, V.; BRAGA, C.; MORELLI, G. (org.). Territórios em movimento: cultura e identidade como estratégia de inserção competitiva. Rio de Janeiro: Relume Dumará; Brasília, DF: SEBRAE, 2004.

AL-HASHEM, A; SHAQRAH, A. Social knowledge network as an enabling factor for organizational learning. Journal of Theoretical and Applied Information Technology, [S. l.], v. 40 n. 1, p. 1-8, 2012. Disponível em: http://www.jatit.org/volumes/Vol40No1/1Vol40No1.pdf. Acesso em: 03 jun. 2023.

CHOO, C. W. A Organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. São Paulo: SENAC Editora, 2003. 426 p.

DAVENPORT, T.; PRUSAK, L. Ecologia da informação: por que só a tecnologia não basta para o sucesso na era da informação. São Paulo: Futura, 1998. 316 p.

DRUCKER, P. Além da revolução da informação. HSM Management, [S. l.], v. 18, n. 1/2, 2000.

DRUCKER, P. Uma era de descontinuidade. São Paulo: Círculo do Livro, 1969.

GIL, A. C. Métodos e técnicas da pesquisa social. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2002.

HANSEN, M. T.; MORS, M. L.; LØVÅS, B. Knowledge Sharing in Organizations: Multiple Networks, Multiple Phases. The Academy of Management Journal, [S. l.], v. 48, n. 1, p. 776–793, 2005. DOI: 10.5465/amj.2005.18803922.

HUGGINS, R.; JOHNSTON, A. Knowledge flow and inter-firm networks: The influence of network resources, spatial proximity and firm size. Entrepreneurship & regional development, [S. l.], v. 22, n. 5, p. 776–793, 2010. DOI: 10.1080/08985620903171350.

JORGE, C. F. B. Análise de fatores críticos na gestão do conhecimento e no processo de inteligência em organizações complexas: uma análise teórico prática em múltiplas organizações. 2017. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação, Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, SP, 2017. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/152376/jorge_cfb_dr_mar.pdf?sequence=3&isAllowed=y. Acesso em: 18 maio 2023.

JORGE, C. F. B.; FALÉCO, L. L. A aplicação da Gestão do Conhecimento como estratégia de competitividade organizacional. Brazilian Journal of Information Science: research trends, [S. l.], v. 10, n. 3, 2016. DOI: 10.36311/1981-1640.2016.v10n3.08.p69. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/bjis/article/view/5992. Acesso em: 2 ago. 2023.

JORGE, C. F. B.; VALENTIM, M. L. P.; SUTTON, M. J. Redes de conhecimento como estratégia de inovação na industrial alimentícia: um estudo de caso na Danilla Foods. Informação & Sociedade: Estudos, [S. l.], v. 30, n. 2, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.1809-4783.2020v30n2.52248. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/ies/article/view/52248. Acesso em: 27 maio. 2023.

JORGE, C. F. B.; VALENTIM, M. L. P. A importância do mapeamento das redes de conhecimento para a gestão da informação e do conhecimento em ambientes esportivos: um estudo de caso no Marília Atlético. Perspectivas em Ciência da Informação, [S. l.], v. 21, n. 1, p. 152-172, 2016. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/2533. Acesso em: 03 jun. 2023.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação dos dados. São Paulo: Atlas, 2003.

NAUDÉ, P. et al. Exploiting the B2B knowledge network: New perspectives and core concepts. Industrial Marketing Management, [S. l.], v. 38, n. 5, p. 493-494, 2009. DOI: 10.1016/j.indmarman.2009.02.005.

NERKAR, A.; PARUCHURI, S. Evolution of R&D Capabilities: The Role of Knowledge Networks Within a Firm. Management Science, [S. l.], v. 51, n. 1, p. 771–785, 2005. DOI: 10.1287/mnsc.1040.0354.

PÉREZ- MONTORO, M. Identificación y representación del conocimiento organizacional: la propuesta epistemológica clásica. [S. l.]: IN3 - Internet Interdisciplinary Institute, 2004. Disponível em: http://www.uoc.edu/in3/dt/20390/index.html. Acesso em: 2 fev. 2023.

RAMIRÉZ, G.A. Ensino superior no mundo. In: COLOMBO, S. S.; RODRIGUES, G. M. O desafio da gestão universitária contemporânea. Porto Alegre: Artmed, 2011. 376 p.

RAPOPORT, A.; HORVATH, W.J. A study of a large sociogram. Behavioral Science, [S. l.], v. 6, n. 4, 1961. Disponível em: http://aris.ss.uci.edu/~lin/61.pdf. Acesso em: 14 jul. 2023.

SAMMARRA, A; BIGGIERO, L. Heterogeneity and specificity of Inter‐Firm knowledge flows in innovation networks. Journal of management studies, [S. l.], v. 45, n. 4, p. 800-829, 2008. DOI: 10.1111/j.1467-6486.2008.00770.x.

SEDIGHI, M. et al. Multi-level knowledge sharing: the role of perceived benefits in different visibility levels of knowledge exchange. Journal of Knowledge Management, v. 22, n. 6, p. 1264-1287, 2018. DOI: 10.1108/JKM-09-2016-0398.

TAKEUCHI, H.; NONAKA, I. Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman, 2008.

VALENTIM, M. L. P. Ambientes e fluxos de informação. São Paulo: Cultura Acadêmica, v. 281, 2010.

VALENTIM, M. L. P. GELINSKI, J. V. V. Gestão do conhecimento corporativo. In: VALENTIM, M. L. P. (org.). Informação, conhecimento e inteligência organizacional. 2. ed. Marília, SP: FUNDEPE Editora, 2007.

VALENTIM, M. L. P. Inteligência competitiva em organizações: dado, informação e conhecimento. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 3, n. 4, ago. 2002. Disponível em: https://brapci.inf.br/index.php/res/download/43613. Acesso em: 15 ago. 2021.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. São Paulo: Bookman, 2001.

Publicado

26/02/2024

Como Citar

JORGE, C. F. B.; VALENTIM, M. L. P.; SUTTON, M. J. D. A importância da construção de redes de conhecimento em IES. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 19, n. 00, p. e024024, 2024. DOI: 10.21723/riaee.v19i00.18393. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/18393. Acesso em: 23 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos teóricos