Como obra aberta: do constituir-se professor na formação inicial

Ana Luiza Bernardo Guimarães

Resumo


A investigação, de abordagem qualitativa, consiste em um estudo de caso, cujo escopo fundamenta-se na análise de como as experiências vivenciadas pelos estudantes em um Curso de Formação Inicial de Professores – Licenciatura em Artes Visuais (LAV), em uma Instituição de Ensino Superior Privada no interior do Estado de São Paulo – são constitutivas da identificação profissional docente. Parte-se da hipótese de que no desenvolvimento da identidade docente, as experiências vivenciadas pelos licenciandos durante o itinerário formativo inicial (a graduação) terminam por criar brechas de ruptura com as crenças e as representações cristalizadas da docência, possibilitando a assunção de outros modos de ser e de estar na profissão. Para a coleta de dados, foram adotados como instrumentos: análise de documentos, questionário e entrevista semiestruturada. E os procedimentos de análise foram alicerçados pelos pressupostos da Análise de Conteúdo (BARDIN, 1977). Os caminhos escolhidos possibilitaram dar a potência que as experiências formativas assumem no processo identitário docente, dando visibilidade à urgência dos cursos de formação inicial de professores em Artes Visuais atentarem para as experiências formativas e simbólicas, criando mecanismos de articulação entre teoria, prática e experiência e de outros modos de ser/estar na profissão e na própria vida.


Palavras-chave


Experiência. Identidade Docente. Formação de Professores em Artes Visuais.

Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, J. L’ére logique. Paris: Robert Laffont, 1977.

BARREIRO, I. M. F.; GEBRAN, R. A. Prática de ensino e estágio supervisionado na formação de professores. São Paulo: Avercamp, 2006.

DEWEY, J. Arte como experiência. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

DEWEY, J. Como pensamos. São Paulo: Nacional, 1959a.

DEWEY, J. Democracia e educação. São Paulo: Nacional, 1959b.

DEWEY, J. Experiência e educação. São Paulo: Nacional, 1971.

ECO, U. Obra aberta: forma e indeterminação nas poéticas contemporâneas. São Paulo: Perspectiva, 2008.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Olho d’Água, 1998.

FURLANETTO, E. C. F. A formação como possibilidade de reconhecimento e transformação de matrizes pedagógicas. In: FONTOURA, H. A.; SILVA, M. Formação de professores, culturas: desafios à pós-graduação em educação em suas múltiplas dimensões. Rio de Janeiro: ANPED Nacional, 2011. p. 107-118.

GARCIA, C. M. A identidade docente: constantes e desafios. Revista Formação Docente, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 109-131, ago./dez. 2009. Disponível em: . Acesso em: 01 jul. 2014.

GARCIA, C. M. Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora, 1999.

GARCIA, C. M. Pesquisa sobre formação de professores: o conhecimento sobre aprender a ensinar. In Revista Brasileira de Educação, n. 9, São Paulo, ANPED-Bartira Gráfica e Editora, set/out/nov. 1998, p. 51-75.

HERNANDEZ, F. A construção da subjetividade docente como base para uma proposta de formação inicial de professores de artes visuais. In: OLIVEIRA, M. O.; HERNANDEZ, F. A formação do professor e o ensino de artes visuais. Santa Maria, RS: Ed. UFSM, 2005. p. 21-42.

LARROSA, J. Experiência e alteridade em educação. Reflexão & Ação, Santa Cruz do Sul, RS, v. 19, n. 2, p. 4-27, 2011.

LARROSA, J. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação [online], São Paulo, n. 19 p. 20-28, 2002. Disponível em: . Acesso em: 02 dez. 2012.

LARROSA, J. Tecnologias do eu e Educação. In: SILVA, T. T. (Org.). O sujeito da educação: estudos foucaultianos. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 35-86.

MACHADO, N. J. Educação: projetos e valores. São Paulo: Escrituras, 2000.

MATTAR, S. A deflagração de projetos criadores na arte e na educação: uma perspectiva dialógica, inventiva, experimental e investigativa na formação de professores de arte no âmbito da graduação e da pós-graduação. In: GERALDO, S. C., COSTA, L. C (Orgs.). In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS, 2011, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAP, 2011.

MEIRA, M. Filosofia da criação: reflexões sobre o sentido do sensível. Porto Alegre: Mediação, 2003.

MONTALVÃO, E. C.; MIZUKAMI, M. G. N. Conhecimentos de futuras professoras das séries iniciais do ensino fundamental: analisando situações concretas de ensino e aprendizagem. In: MIZUKAMI, M. G. N.; REALI, A. M. M. R. Formação de professores, práticas pedagógicas e escola. São Carlos: EdUFSCar, 2010.

NÓBREGA, M. J.; PRADO, R. Apresentação. In: IAVELBERG, R. Desenho na educação infantil. São Paulo: Melhoramentos, 2013. p. 5-07.

NÓVOA, A. (Org.). Os professores e sua formação. Lisboa: Don Quixote, 1995.

PEREIRA, M. V. Estética da professoralidade: um estudo crítico sobre a formação do professor. Santa Maria: Ed. da UFSM, 2013.

PIMENTA, S. G. (Org.). Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez, 1999.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2012.

ZABALZA, M. A. Diários de aula: Contributo para o estudo dos dilemas práticos dos professores. Porto: Porto Editora, 1994.

ZEICHNER, K. M. A formação reflexiva de professores: Idéias e práticas. Lisboa: Educa, 1993.

ZEICHNER, K. M.; LISTON, D. Reflective teaching: an introduction. Nova Jersey: Lawrence Erlbaum Ass Publis., 1996.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v20.n3.9756



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.