Educação em tempo integral em uma escola de educação infantil de Santa Maria-RS: diálogos possíveis

Natália Desconsi de Andrade, Andressa Wiebusch, Taciana Camera Segat

Resumo


Esta pesquisa trata sobre a Educação em Tempo Integral na Educação Infantil de uma Escola Municipal da cidade de Santa Maria - RS. Tem como objetivo compreender a proposta educativa realizada com as crianças que permanecem em Tempo Integral na escola. A metodologia utilizada foi a pesquisa qualitativa, a qual objetivou compreender da organização do trabalho docente e da equipe gestora, em especial da direção, tendo em vista o Turno Integral. Por fim, apontamos que com o aumento do número de instituições para atender as crianças de zero a cinco anos, poderíamos implementar melhor qualidade no atendimento às necessidades da população do município. Essa é uma luta longa e muito árdua da sociedade em prol da garantia do direito ao acesso das crianças na escola em Turno Integral.


Palavras-chave


Educação em tempo integral. Educação infantil. Gestão escolar. Políticas públicas.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, V. C. de; COELHO, G. R.; SIQUEIRA, L. de A. R. Educação em tempo integral na educação infantil: um estudo das concepções e praticas no estado do Espírito Santo/Brasil. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2015.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1998, Inciso XXV do art. 7º. Disponível em:

Acesso em: 18 out. 2015.

BRASIL. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, 2010.

BRASIL. Educação integral: texto referência para o debate nacional. Série Mais Educação. Brasília: Mec, Secad, 2009.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Parecer CNB/CEB nº 22/98. Ministério da Educação e do Desporto Conselho Nacional de Educação. Disponível em: Acesso em: 14 Out. 2015.

BRASIL. Planejando a próxima década: Conhecendo as 20 metas do Plano Nacional de Educação. Ministério da Educação/Secretaria de Articulação com os Sistemas de Ensino (MEC/SASE), 2014.

COELHO, L. M. C. da C. Alunos no Ensino Fundamental, ampliação da jornada escolar e educação integral. UNIRIO. GT 13: 2011.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 39. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

KRAMER, S. Propostas pedagógicas ou curriculares: Subsídios para uma leitura crítica. In: Educação & Sociedade, ano XVIII, n. 60, dezembro/97.

LÜCK, Heloísa. Gestão educacional: uma questão paradigmática. 4. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008b. Série Cadernos de Gestão.

NEVES, J. L. Pesquisa qualitativa: características, usos e possibilidades. Mestrando do curso de pós-graduação em administração de empresas. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2015.

NUNES, Angela; CARVALHO, Maria Rosário de. Questões metodológicas e epistemológicas suscitadas pela antropologia da infância. (Artigo-ANPOCS/2007)

OSTETTO, L. E. Planejamento na Educação Infantil: mais que a atividade, a criança em foco. In: Encontros e encantamentos na educação infantil. Campinas, Papirus, 2000.

UNICEF. Tendências para a educação integral. “Iniciativa: Fundação Itaú Social, Fundo das Nações Unidas para a Infância” (UNICEF). São Paulo: Fundação Itaú Social – CENPEC, 2011.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v20.n3.9760



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.