Atendimento educacional especializado – AEE na educação infantil: entraves e possibilidades.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.1.12204

Palavras-chave:

Educação especial, Educação infantil, Formação de professores, Atendimento educacional especializado, Sala de recurso multifuncional.

Resumo

O trabalho apresenta os resultados de uma pesquisa que buscou compreender o Atendimento Educacional Especializado na Educação Infantil em Dourados/MS. Caracterizada como um Estudo de Caso de cunho qualitativo, a coleta de dados contou com sessões de observação e aplicação de dois questionários diferentes.  Utilizou-se ainda de um checklist para verificar quais os materiais disponíveis para o serviço e as anotações do caderno de campo que registrou as observações. Os resultados apontaram que falta adequação dos materiais oferecidos pelo MEC para o AEE da Educação infantil e a necessidade de mais professores especializados para realizar este atendimento. Concluímos que existe necessidade de maiores investimentos em recursos humanos, tanto para mais contratação quanto para formação.

Biografia do Autor

Gabriela Machado, Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)

Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Dourados - MS - Brasil. Doutoranda em Educação.

Morgana de Fátima Agostini Martins, Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)

Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Dourados - MS - Brasil. Docente Permanente do Programa de Pós-graduação em Educação - PPGEdu. Professora Associada de Educação Especial da Faculdade de Educação.

Referências

AMORIM, G. C. Organização e funcionamento do atendimento educacional especializado na educação infantil: estudo de caso. 2015. 139f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Faculdade de Filosofia e Ciências, Marília, 2015.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

BRASIL. Manual de orientação: Programa de implantação de sala de recursos multifuncionais. Brasília: MEC/SEESP, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação /Secretaria de Educação Especial. NOTA TÉCNICA – NOTA TÉCNICA Nº 04 / 2014. Orientação quanto a documentos comprobatórios de alunos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação no Censo Escolar. Diário Oficial da União, Brasília, 2014.

BRASIL. Instituto de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Ibge: cidades. 2015. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/temas.php?lang=&codmun=500370&idtema=156&search=mato-grosso-do-sul|dourados|ensino-matriculas-docentes-e-rede-escolar-2015. Acesso em 24 mar. 2016.

CARNEIRO, R. U. C. Educação Inclusiva na educação infantil. Práxis educacional, Vitória da Conquista, v. 8, n. 12, p. 81-95, 2012.

CARNEIRO, R. U. C.; DALL’ACQUA, M. J. C. Inclusão Escolar na Educação Infantil. In: CARNEIRO, R. U. C.; DALL’ACQUA, M. J. C.; CARAMORI, P. M. (Org.) Educação Especial e Inclusiva: Mudanças para escola e sociedade. Jundiaí, Paco Editorial, 2014. p. 14-26.

CHECCONI, F. F. A Transição da Educação Infantil para o Ensino Fundamental: a criança no foco das investigações. 2016. 157f. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Processos de Ensino, Gestão e Inovação. Universidade de Araraquara, Araraquara, 2016.

LAMPREIA, C.; LIMA, M. M. R. Instrumento de Vigilância Precoce do Autismo: Manual e vídeo. Rio de Janeiro, Edições Loyola, 2011.

MACHADO, G. Caracterização das práticas do Atendimento Educacional Especializado na Educação Infantil de Dourados/MS. 2017. 111f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS, 2017.

MENDES, E. G.; VILARONGA, C. A. R.; ZERBATO, A. P. Ensino Colaborativo como Apoio à Inclusão Escolar: unindo esforços entre educação comum e especial. São Carlos: EdUFSCar, 2014.

MILANESI, J. B. Organização e funcionamento das Salas de Recursos Multifuncionais em um município paulista. 2012. 185f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2012.

OLIVEIRA, I. M.; PADILHA, A. M. L. Atendimento Educacional Especializado para crianças de zero a três anos. In: JESUS, D. M.; BAPTISTA, C. R.; CAIADO, K. R. M. (Orgs.) Prática Pedagógica na Educação Especial: multiplicidade do atendimento educacional especializado. Araraquara-SP: Junqueira & Marin, 2013. p. 23-47.

RODRIGUES, R. K. G. Atendimento Educacional Especializado na Educação Infantil: Interface com os pais e professores da classe comum. 2015. 156f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2015.

SCHMITZ, A. O. Desenvolvimento de estratégias pedagógicas a partir da CARS Childhood Autism Rating Scale - versão em português, na inclusão escolar de crianças com TEA. 2015. 75f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS, 2015.

SCHWARTZMAN, J. S.; ARAÚJO, C. A de. Transtorno do espectro do autismo – TEA. São Paulo: Memnon, 2011.

Publicado

01/04/2019

Como Citar

Machado, G., & Martins, M. de F. A. (2019). Atendimento educacional especializado – AEE na educação infantil: entraves e possibilidades. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 14(esp.1), 746–759. https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.1.12204