Gênero e sexualidade na escola em tempos de globalização: perspectivas e culturas adolescentes no Pantanal de Mato Grosso do Sul

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp3.14453

Palavras-chave:

Educação e gênero, Gênero e sexualidade, Sexualidade e escola, Adolescência e gênero, Formação de professores e gênero

Resumo

As masculinidades e feminilidades, identidades de gênero e sexualidades expressas pelos adolescentes na atualidade, demandam atenção e refinamento científico para a formação de professores no debate sobre as novas culturas e expressões sociais latentes. Essa discussão vem aproximando pesquisadores e áreas interdisciplinares, ampliando as epistemologias e diálogos sociais nas áreas de educação, saúde e direitos humanos. A proposição de conhecer aspectos e culturas em gênero, sexualidade e diversidade, traz a triangulação de métodos para a pesquisa qualitativa, os desenhos exploratórios sobre as temáticas, considerando os desafios para coleta de dados, observação participante e análises transversais sobre as representações adolescentes. O pano de fundo apresenta um experimento em educação e saúde numa escola de ensino médio no Pantanal de Mato Grosso do Sul e suas reverberações na graduação em Pedagogia na Universidade. Os resultados se apresentam no momento em que discutimos a necessidade de a escola mediar o conhecimento acerca dessas temáticas, bem como a necessária formação docente em gênero, sexualidade e diversidade.

Biografia do Autor

Cláudia Araújo de Lima, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Corumbá – MS

Professora Adjunta. Curso de Pedagogia. Programa de Pós-Graduação em Educação. Programa de Pós-Graduação em Estudos Fronteiriços. Doutora em Ciência – Saúde Pública, pela Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz - FIOCRUZ.

Referências

BOSI, M. L. M. Desafios atuais para a pesquisa qualitativa: Considerações no cenário da saúde coletiva brasileira. Forum Sociológico [Online], 24 | 2014, posto online no dia 01 novembro 2014. Disponível em: http://journals.openedition.org/sociologico/996. Acesso em: 16 out. 2018. DOI: 10.4000/sociologico.996

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 06 maio 2020.

BRASIL. Lei n° 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF, 13

jul. 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/LEIS/L8069.htm. Acesso em: 26 nov. 2019.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro:

Civilização Brasileira, 2003.

COMINESI, C. M. A resignificação da identidade do docente frente às novas exigências do século XXI. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação - v. 6, n. 2, 2011. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v6i2.4880

GATTI, B. A. A construção da pesquisa em educação no Brasil. Brasília: Liber Livro Editora, 2012.

GROFF, A. R., MAHEIRIE, K., MENDES, P. O. S. P. A educação sexual e a formação de professores/as um convite ao dissenso. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação - v. 10, n. esp. 2, 2015. - 15 anos do Núcleo de Estudos da Sexualidade: de grupo de pesquisa a programa de pós-graduação.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE Cidades, Corumbá. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ms/corumba/panorama. Acesso em: 10 out. 2019.

LOURO, G. L. O corpo educado: pedagogia da sexualidade. Belo Horizonte: Autentica, 2001.

LOURO, G. L. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Pro-Posições, v. 19, n. 2 (56) - maio/ago. 2008.

MATTAR, L. D. Reconhecimento jurídico dos direitos sexuais - uma análise comparativa com os direitos reprodutivos. Sur, Rev. int. direitos human. vol. 5 nº.8 São Paulo June, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S1806-64452008000100004.

MINAYO, M. C. S (Org.). Pesquisa Social. Petrópolis: Vozes, 2004.

NACIONES UNIDAS. Informe de la Conferencia Internacional sobre la Población y el

Desarrollo: el Cairo, 5 a 13 de septiembre de 1994. Nueva York: Naciones Unidas,

Disponível em: http://www.unfpa.org/upload/lib_pub_file/572_filename_finalreport_icpd_spa.pdf. Acesso em: 16 dez. 2019.

RUBIN, G. “The Traffic in Women. Notes on the “Political Economy” of Sex”. In: Rayna Reiter, (ed), Toward an Anthropology of Women. New York, Monthly Review Press, 1975.

SAFFIOTI, H. I. B. O poder do macho. 1ª ed. São Paulo, Ed. Moderna. 1987.

SCOTT, J. Gender: a useful category of historical analyses. Gender and the politics of history, New York, Columbia University Press, 1989.

SILVA, C. S. F.; BRANCALEONI, A. N. L.; OLIVEIRA, R. R. Base Nacional Comum Curricular e diversidade sexual e de gênero: (des)caracterizações. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. esp. 2, p. 1538-1555, jul. 2019. E-ISSN: 1982-5587. DOI: 10.21723/riaee.v14iesp.2.12051 1539

Downloads

Publicado

30/10/2020

Como Citar

Araújo de Lima, C. (2020). Gênero e sexualidade na escola em tempos de globalização: perspectivas e culturas adolescentes no Pantanal de Mato Grosso do Sul. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 15(esp3), 2490–2503. https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp3.14453