Educai vossos filhos

A história da racialização na educação profissional tecnológica (1930/1950) em Pelotas/RS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v18i00.16945

Palavras-chave:

Educação, Racismo, Branquitude

Resumo

O interesse pela discussão sobre as relações raciais entre sujeitos brancos e negros têm ganhado espaço em diversas áreas, na sociedade brasileira, desde o final dos anos noventa. No campo da história da educação muitas pesquisas têm versado sobre a diversidade racial dos grupos escolares, a discussão de ações afirmativas no ensino superior e debates sobre o repensar a escola como produtora ou reprodutora de mecanismos de desigualdades sociais e raciais. Através da pesquisa realizada, pelas imagens dos quadros de formatura, entendemos que o acesso à escola profissional era o elemento de coesão e de manutenção de poder da elite branca local e nacional. Isto é, mesmo que no período investigado os negros tivessem o direito de ter acesso a uma educação profissional, sua presença, ínfima, indica que era vedado através de discriminação ou de mecanismos que dificultassem a sua permanência nesse espaço escolar e profissionalizante.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natália Garcia Pinto, Universidade Federal de Pelotas

Professora no Curso de Licenciatura em História à distância. Doutora em História (UFRGS).

Adriana Duarte Leon, Instituto Federal Sul-rio-grandense

Professora junto ao Curso de Formação Pedagógica e junto ao Programa de Pós-graduação em Educação. Doutorado em Educação (UFMG).

Referências

ADICHIE, C. N. O perigo de uma história única. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

ALBUQUERQUE, W. O jogo da dissimulação: abolição e cidadania negra no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

ANDREWS, G. R. América Afro-latina: 1800-2000. São Paulo: EDUFSCAR, 2014.

BARROS, S. A. P. Negrinhos que por ahi andão: a escolarização da população negra em São Paulo (1870-1920). 2005. (Dissertação de Mestrado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

BLOCH, M. Apologia da História: ou o ofício de historiador. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

CALDEIRA, J. A infância desvalida institucionalizada em Pelotas: controle e ordenamento social nas páginas dos periódicos locais – década de 1910 e 1940. 2020. 272 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, 2020.

CARDOSO, L. O branco ante a rebeldia do desejo: um estudo sobre a branquitude no Brasil. 2014. 290. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade de Estadual Paulista, Araraquara, SP, 2014.

DOMINGUES, P. Uma história não contada: negro, racismo e branqueamento em São Paulo no pós-abolição. São Paulo: Ed. SENAC, 2004.

FONSECA, M. Escolas para crianças negras: uma análise a partir do congresso agrícola do Rio de Janeiro e do Congresso agrícola do Recife, em 1878. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 3., Curitiba. Anais [...]. Curitiba, 2004. Tema: A educação escolar em perspectiva histórica.

GONÇALVES, L. A. O.; SILVA, P. B. G. Movimento Negro e Educação. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, v. 15, n. 15, p. 134-158, 2000.

LE GOFF, J. Documento/monumento. In: LE GOFF, J. História e memória. São Paulo: Editora UNICAMP, 2003. p. 525-541.

LONER, B. A. Construção de classe: operários de Pelotas e Rio Grande. 2. ed. Pelotas, RS: Ed. UFPEL, 2016.

MANFREDI, S. M. Educação Profissional no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.

MEIRELES, C. M. S. Das Artes e Officios à Educação Tecnológica: 90 anos de História. Pelotas, RS: UFPel, 2007.

OLIVEIRA, Â P. A racialização nas entrelinhas da imprensa negra: o caso Exemplo e A Alvorada – 1920-1935. 2017. 148 f. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, 2017.

PANDINI, S. A Escola de Aprendizes Artífices do Paraná: “Viveiro de homens aptos e úteis” (1910-1928). 2006. 147 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2006.

PINTO, N. G. “Campanha Pró-Educação”: a luta pela alfabetização e a instrução nas páginas do Jornal A Alvorada (1933-1936). 2020. 31 f. Monografia (Trabalho de Conclusão do Curso de Formação Pedagógica para Graduados Não-Licenciados) – Instituto Federal Sul-rio-grandense, Pelotas, RS, 2020.

PINTO, N. G. Gerações de senzalas, Gerações de liberdade: experiências de liberdade em Pelotas/RS, 1850-1888. 2018. 253 f. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018.

PINTO, R. A educação do negro: uma revisão bibliográfica. Cadernos de Pesquisa, Fundação Carlos Chagas, São Paulo, v. 62, p. 3-34, ago. 1987.

REVEL, J. Jogos de escalas: a experiência da microanálise. Rio de Janeiro: Ed. Getúlio Vargas, 1998.

ROSCHILD, A. B. A escola de Arte e Ofícios de Pelotas/RS e o Ensino Técnico Profissional (1917-1930). 2021. Dissertação (Mestrado/Doutorado Profissional) – Instituto Federal Sul-rio-grandense, Pelotas, RS, 2021.

SANTOS, J. A. Prisioneiros da História: trajetórias intelectuais na imprensa negra meridional. Tese. 2011. Tese (Doutorado em História) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

SANTOS, M. A história da educação: uma abordagem sobre a escolarização de afro-brasileiros. Caxambu, MG: ANPED, 2000.

SCHWARCZ, L. M. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil 1870-1930. São Paulo: Companhia da Letras, 1993.

WERLE, F. O. C. Ancorando quadros de formatura na história institucional. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 28., Caxambu. Anais [...]. Caxambu, MG: ANPED, 2005.

Publicado

01/12/2023

Como Citar

PINTO, N. G.; LEON, A. D. Educai vossos filhos: A história da racialização na educação profissional tecnológica (1930/1950) em Pelotas/RS. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 18, n. 00, p. e023115, 2023. DOI: 10.21723/riaee.v18i00.16945. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/16945. Acesso em: 2 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos teóricos