A escola enquanto espaço produtor da saúde de seus alunos

Andre Guirland Vieira, Denise Rangel Ganzo de Castro Aerts, Sheila Câmara, Claudio Schubert, Dóris Cristina Gedrat, Gehysa Guimarães Alves

Resumo


A escola tem um compromisso essencial enquanto espaço de desenvolvimento de ações promotoras da saúde de toda a comunidade escolar. No entanto, para que seja potencializadora da qualidade de vida, é necessário que as pessoas sintam-se aceitas e participem do processo de construção deste ambiente. Assim, o objetivo deste estudo é refletir sobre a escola como espaço de produção da saúde e a importância da proposta da escola promotora da saúde. Para tanto, foi realizada pesquisa teórica sobre o ambiente escolar, a inclusão social, e a promoção da saúde na escola. Os resultados apontam para a necessidade de a escola contribuir para o desenvolvimento de habilidades para uma vida saudável, refletindo sobre estilos de vida e promovendo um ambiente de aprendizagem saudável e eficaz para o aluno, com a valorização das individualidades e o estabelecimento de um ambiente que potencialize relações saudáveis, com qualidade de comunicação e com a reflexão sobre as diversidades. Enfatiza-se a importância da atuação crítica, criativa e reflexiva de toda a comunidade escolar na busca da implantação da Escola Promotora da Saúde, desenvolvendo um ambiente prazeroso, alegre e solidário e estimulando a busca compartilhada das perguntas que se apresentam. 


Palavras-chave


Saúde escolar. Escola promotora da saúde. Aprendizagem. Comunicação.

Texto completo:

PDF

Referências


AERTS, D. et al. Promoção de Saúde: a convergência entre as propostas de vigilância da saúde e da escola cidadã. Cad. de Saúde Pública. Rio de Janeiro, 20 (4):1020-128, jul-ago, 2004.

AERTS, D.; GANZO, C. A felicidade possível. Porto Alegre: Bororó, 2011.

ALVES, R. Conversas sobre educação. Campinas, SP: Verus Editora, 2010.

ALVES, R. O Desejo de ensinar e a arte de aprender. Campinas: Fundação Educar. D. Paschoal. 2004.

ALVES, R.; DIMENSTEIN, G. Fomos maus alunos. São Paulo: Editora Papirus, 2009.

ALVES, G. capacitação em vigilância da saúde fundamentada nos princípios da educação popular. Tese de doutorado. PUCRS: Porto Alegre, 2006.

ARMSTRONG, T. Inteligências múltiplas na sala de aula. Porto Alegre: ARTMED Editora, 2001.

ANDRADE, L. O. M.; CUNHA, I. C. H. B. Promoção da Saúde e Cidades/Municípios Saudáveis: propostas de articulação entre saúde e ambiente. In.: MINAYO, M. C. S; MIRANDA, A. C. Saúde e ambiente sustentável: estreitando nós. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2001.

ANTUNES, C. Inteligências múltiplas e seus jogos: introdução. Vol.1, Petrópolis, RJ, Vozes, 2006.

ASSIS, S. G.; PESCE, R. P.; AVANCI, J. Q. Resiliência: enfatizando a proteção dos adolescentes. Porto Alegre: Artmed, 2006.

BAGNO, M. A língua de Eulália. São Paulo: Contexto, 2008.

BAGNO, M. Preconceito linguístico. São Paulo: Parábola, 2015.

BOCALETTO, E. M. Referenciais Teóricos e Práticas da Escola Promotora da Saúde e Qualidade de Vida. Disponível em: . Acesso em: 25 já. 2016.

BORTONI-RICARDO, S. M. Educação em Língua Materna. A sociolinguística na sala de aula. São Paulo: Parábola, 2004.

BRASIL. A Promoção da Saúde no Contexto Escolar. Informe Técnico-Administrativo. Projeto Promoção da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Ministério da Saúde. Revista de Saúde Pública. Rio de Janeiro, p. 533 - 535. 2002.

BUSS, P. M. e FERREIRA, J. R. (org.) Promoção da Saúde e a Saúde Pública: contribuição para o debate entre as escolas de saúde pública da América Latina. RJ, 1998 (mimeo).

BUSS, P. Uma Introdução ao Conceito de promoção da Saúde. In.: CZERESNIA, D; FREITAS, C.M. (Org.). Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2003. cap. 1.

BUSS, P.M.; FILHO, A.P. A Saúde e seus Determinantes Sociais. PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 2007, 17(1):77-93.

CAMACHO, R. Sociolinguística. In: MUSSALIN, F. e BENTES, A.C. (orgs.) Introdução à Linguística, v.1. São Paulo: Cortez, 2001.

CERQUEIRA, M. T. A Construção da Rede Latino Americana de Escolas Promotoras da Saúde. In.: MINISTÉRIO DA SAÚDE; ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE. Escolas Promotoras de Saúde: experiências no Brasil. Série Promoção da Saúde nº 6. Brasília, 2007.

CORDEIRO, J. C. A promoção da saúde e a estratégia de cidades saudáveis; um estudo de caso no Recife e Pernambuco. Tese de Doutorado. Fundação Oswaldo Cruz, 2008.

EDMUNDO, K; BITTECOURT, D; NASCIMENTO, G. Saúde e educação. Salto para o Futuro. Ano XVIII. Boletim 12, agosto de 2008. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2016.

FRACOLLI, L.A.; BERTOLOZZI, M.R. A abordagem do processo saúde-doença das famílias e do coletivo. Ministério da Saúde/Universidade de São Paulo/IDS, 2003. Disponível em: . Acesso em: 23fev. 2016.

FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 38. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

FREIRE, P Pedagogia da autonomia: saberes e necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e terra, 2015.

GARDNER, H. Inteligências Múltiplas: A teoria na prática. Porto Alegre, Artes mèdicas, 1995.

GEDRAT, D.C. Relevância e Ensino: reflexão sobre a noção apropriada de contexto nas situações de ensino e aprendizagem de língua portuguesa à luz de teorias pragmáticas da comunicação. Letras & Letras, v. 31, n.2, 2015. P. 36-60. Disponível em: . Acesso em: 03 mar. 2016.

GENTILE, M. Promoção da saúde e município saudável. São Paulo: Vivere, 2001.

GOMES, J.P. As Escolas Promotoras de Saúde: uma via para promover a saúde e a educação para a saúde da comunidade escolar. Educação, Porto Alegre, v. 32, n. 1, 2009, p. 84-91, jan./abr.

GORAYEB, R. O ensino de habilidades de vida em escolas no Brasil. Psicologia, Saúde & Doenças, v. 3, n.2, 2002, 213-217.

GOULART, R.M. Promoção de saúde e o programa escolas promotoras da saúde. Caderno de Saúde. Vol.1. N. 1. 2006, p. 5 - 13.

HABERMAS, J. Teoría de la acción comunicativa: complementos y estudios previos. Tradução de Manuel J. Redondo. 3. ed. Madrid: Ediciones Cátedra, 2011.

KELLNER, D. A cultura da mídia: identidade e política entre o moderno e o pós-moderno. Bauru, SP: EDUSC, 2001.

IPPOLITO-SHEPHERD, J.A Promoção da Saúde no Âmbito Escolar: A Iniciativa Regional Escolas Promotoras da Saúde. Caderno das escolas promotoras da saúde. Sociedade Brasileira de Pediatria, 2012. Disponível em: . Acesso em 27 fev. 2016.

MENDES, E. Uma Agenda para a saúde. São Paulo: Hucitec, 2006.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. A promoção da saúde no contexto escolar. Informes Técnicos Institucionais. Projeto de Promoção da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Rev. Saúde Pública. V.36. n. 4. São Paulo, agosto, 2002.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. A escola que produz saúde. Série F. Comunicação ee educação em saúde. Secretaria de gestão do trabalho e da educação em saúde. Departamento da Gestão em Educação em Saúde. MS: Brasília, 2005.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Política Nacional de Educação Popular em Saúde. Comitê Nacional De Educação Popular Em Saúde – CNEPS. Brasília – DF, 2012. . Acesso em 15 mar. 2016.

MINTO, E. C.; PEDRO, C. P.; NETTO, J. R. C.; BUGLIANI, M. A. P.; GORAYEB, R. Ensino de habilidades de vida na escola: uma experiência com adolescentes. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 11, n. 3, p. 561-568, set./dez. 2006.

MOREIRA, J.; SANTOS, H. R.; TEIXEIRA, R. F.; FROTTA, P. R. O. Educação popular em saúde: a educação libertadora mediando a promoção da saúde e o empoderamento. Contrapontos. V.7; n. 3, p. 507-521, 2007.

MONTEIRO, D. S. A. Resiliência e pedagogia da presença:

intervenção sócio-pedagógica no contexto escolar. In.: BELLO, José Luiz de Paiva. Pedagogia em Foco, Vitória, 2001. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2016.

MOURA, J. B.; LOURINHO, L. A.; VALDÊS, M. T. M.; FROTA, M. A.; CATRIB, A. M. F. Perspectiva da epistemologia histórica e a escola promotora da saúde. Rev. História, Ciência e Saúde. Rio de Janeiro: Manguinhos. V. 14, n.2, p. 489 – 501, 2007.

ORGANIZAÇÃO PANAMERICANA DE SAÚDE. Por una juventud sin tabaco: adquisición de habilidades para una vida saludable. Publicación Científica y Técnica no. 579. Oficina Sanitaria Panamericana. Oficina Regional de la OMS, 2001.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE. Municípios e comunidades saudáveis- Guia dos prefeitos para promover qualidade de vida. Divisão de promoção e proteção da saúde. Washington DC, 2002.

ORGANIZAÇÃO PANAMERICANA DE SAÚDE. Escolas promotoras da saúde: fortalecimento da iniciativa regional. estratégias e linhas de ação 2003-2012. Washington: OPS/OMS, 2003. Disponível em: . Acesso em: 17 mar. 2016.

PAIVA, F. S.; RODRIGUES, M. C. Habilidades de vida: uma estratégia preventiva ao uso de substâncisa psicoativas no contexto educativo. Estudos e pesquisas em Psicologia. UERJ, ano 8, n. 3, p 672-684, 2008.

PEREIRA, B. G.; SILVA, J. S.; SILVA, J. B. Como trabalhar variação linguística e gramática em sala de aula: uma reflexão. Ribanceira – Revista do Curso de Letras da UEPA. Belém. Vol. 1. n. 1.Jul-Dez.2013 ISSN Eletrônico: 2318-9746.

PRESTES, N. H. A razão, a teoria crítica e a educação: In: Teoria Crítica e a Educação. Petrópolis: Vozes, 1994.

SECRETARIA MUNICPAL DE SAÚDE DE SÃO PAULO. Manual de atenção à saúde do Adolescente. São Paulo (Cidade). Secretaria da Saúde. Manual de atenção à saúde do adolescente. Coordenação de Desenvolvimento de Programas e Políticas de Saúde. CODEPPS. São Paulo: SMS, 2006.

SILVA, L. K.; SENA, R .R.; GRILLO, M. J. C.; HORTA, N. C. Formação do enfermeiro: desafios para a promoção da saúde. Esc Anna Nery. Rev Enferm. 14 (2), 368-376, 2010.

SPERBER, D.; WILSON, D. Relevance: communication and cognition. Oxford: Blackwell, 1986/1995.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). (1986) Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde. Carta de Ottawa para a Promoção da Saúde. Canadá, 1986.




DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v12.n2.8492



Direitos autorais 2017 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.