Jogos na alfabetização matemática para estudantes com deficiência visual numa perspectiva inclusiva

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14i2.8893

Palavras-chave:

Alfabetização matemática, Jogos, Inclusão, Deficiência visual.

Resumo

A alfabetização matemática para estudantes com deficiência visual é um desafio ao professor do ensino regular, uma vez que a alfabetização desse estudante acontece juntamente com a alfabetização dos estudantes sem deficiência. Preocupados em auxiliar o professor do ensino regular nesta tarefa, este artigo apresenta algumas reflexões acerca do uso de jogos em sala de aula, como um recurso metodológico para a alfabetização matemática, assim como apresenta alguns jogos que podem ser adaptados para o ensino da disciplina de matemática para estudantes com deficiência visual. O trabalho foi desenvolvido a partir de pesquisa bibliográfica e da experiência profissional em uma Sala de Recursos Multifuncional do Tipo II, a qual presta atendimento especializado para estudantes com deficiência visual. Verificou-se que, utilizados de forma adequada, os jogos contribuem para o processo de ensino e aprendizagem de Matemática para estudantes com essa deficiência, se considerados alguns cuidados necessários na sua utilização.

Biografia do Autor

Lúcia Virginia Mamcasz-Viginheski, Faculdade Guairaca Associação de Pais e Amigos dos Deficientes Visuais - APADEVI Doutoranda PPGECT, UTFPR-Ponta Grossa

Professora formada em Matemática pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (1996). Especialização em Ensino de Matemática pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (1998). Mestrado em Ensino de Ciência e Tecnologia pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (2013). Doutoranda em Ensino de Ciência e Tecnologia pelo Programa de Pós Graduação em Ensino de Ciência e Tecnologia pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Atualmente é docente dos Colegiados de Matemática e Pedagogia da Faculdade Guairacá e docente da Escola Professora Julita, mantida pela Associação de Pais e Amigos dos Deficientes Visuais de Guarapuava-PR. Tem experiência na área de Educação, Ensino Superior e Educação Básica, com ênfase em Educação Matemática e Educação Especial, área Deficiência Visual. 

Sani de Carvalho Rutz da Silva, Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR

Docente do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciência e Tecnologia da Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR, Ponta Grossa, Paraná, Brasil. Graduada em Licenciatura em Matemática (UEPG). Doutora em Ciências dos Materiais (UFRGS).

Elsa Midori Shimazaki, Universidade Estadual de Maringá – UEM

Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá – UEM, Maringá, Paraná, Brasil. Graduada em Letras Anglo-Portuguesas (UEM) e Pedagogia (Fundação Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Mandaguari). Doutora em Educação (USP).

Nilcéia Aparecida Maciel Pinheiro, Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR

Docente do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciência e Tecnologia da Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR, Ponta Grossa, Paraná, Brasil. Graduada em Licenciatura em Matemática (UEPG). Doutora em Educação Científica e Tecnológica (UFSC).

Referências

ARANHA, Maria Salete Fábio. Visão histórica. Projeto Escola Viva. Garantindo o acesso e a permanência de todos os alunos na escola. Alunos com necessidades educacionais especiais. Caderno 1. Brasília: MEC, SEESP, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Parâmetros Curriculares Nacionais - Matemática. Brasília: MEC, 1998.

BRASIL. Saberes e práticas da inclusão: desenvolvendo competências para o atendimento às necessidades educacionais especiais de alunos cegos e de alunos com baixa visão. [2. ed.] / coordenação geral SEESP/MEC. - Brasília: MEC, Secretaria de Educação Especial, 2006.

BATLLORI, Jorge. Jogos para treinar o cérebro: desenvolvimento de habilidades cognitivas e sociais. São Paulo: Madras, 2006.

DANYLUK, Ocsana. Alfabetização matemática: as primeiras manifestações da escrita infantil. Porto Alegre: Ediupf, 2002.

EMERIQUE, Paulo Sérgio. Isto e aquilo: jogo e “ensinagem” Matemática. In: BICUDO, Maria Aparecida Viggiani. (org.). Pesquisa em educação matemática: concepções e perspectivas. São Paulo: Editora UNESP, 1999.

FERNANDES, Cleonice Terezinha; et al. A construção do conceito do número e o pré-soroban. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2006.

GALVÃO, Elizangela da Silva; NACARATO, Adair Mendes. O letramento matemático e a resolução de problemas na provinha brasil. Revista Eletrônica de Educação, v. 7, n. 3, p. 81-96, 2013.

GRANDO, Regina Célia. A construção do conceito matemático no jogo. Revista de Educação Matemática – ano 5, n. 3, 1997.

KAMII, Constance; DECLARK, Georgia. Reinventando a aritmética: Implicações da teoria de Piaget. Campinas: Papirus, 1991.

MACEDO, Lino de. Quatro cores, senha e dominó: oficinas de jogos em uma perspectiva construtivista e psicopedagógica. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1997.

MENDES, Iran Abreu. Matemática e investigação em sala de aula: tecendo redes cognitivas na aprendizagem. São Paulo: Livraria da Física, 2009.

SANTOS, Francely Aparecida dos. A matemática como um texto. In: BRASIL. Pacto nacional pela educação na idade certa: alfabetização matemática na perspectiva do letramento. Caderno 07. Brasília: MEC, SEB, 2015.

SIMONS, Ursula Marianne. Blocos Lógicos: 150 exercícios para flexibilizar o raciocínio. Petrópolis: Vozes, 2007.

VYGOTSKI, Lev Semenovich. A formação social da mente. 6 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

Publicado

15/01/2019

Como Citar

MAMCASZ-VIGINHESKI, L. V.; RUTZ DA SILVA, S. de C.; SHIMAZAKI, E. M.; MACIEL PINHEIRO, N. A. Jogos na alfabetização matemática para estudantes com deficiência visual numa perspectiva inclusiva. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. 2, p. 404–419, 2019. DOI: 10.21723/riaee.v14i2.8893. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/8893. Acesso em: 28 fev. 2021.

Edição

Seção

Artigos