Professores, tecnologias digitais e inclusão escolar: desafios da política de educação especial em um município brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16iesp2.15127

Palavras-chave:

Tecnologias digitais, Inclusão escolar, Educação especial

Resumo

Este artigo objetiva conhecer as concepções dos professores sobre o uso das tecnologias digitais nas atividades pedagógicas, em um contexto de diversidade, em uma região do Brasil que implantou a política nacional de educação inclusiva. Os procedimentos metodológicos consistiram em consulta a documentos e realização de entrevistas semiestruturadas com docentes que atuam em salas comuns e em salas de atendimento educacional especializado, com crianças na etapa de alfabetização. A escola se distingue por receber grande número de alunos da educação especial, por possuir um centro de especializado de apoio à inclusão, e atender alunos que tem o espanhol como língua materna, por localizar-se perto da fronteira entre Brasil e Bolívia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiane da Silva Ferreira, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Corumbá – MS

Mestrado pelo Programa de Pós-Graduação em Educação.

Andressa Santos Rebelo, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Corumbá – MS

Docente no Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutorado em Educação (UFMS).

Mônica de Carvalho Magalhães Kassar, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Corumbá – MS

Docente no Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutorado em Educação (UNICAMP).

Referências

AFONSO, A. P. Comunidades e Aprendizagem: um modelo para gestão da aprendizagem. In: CONFERÊNCIA INTERNACIONAL - TIC NA EDUCAÇÃO CHALLENGES, 2., 2001, Braga. Anais [...]. Braga, Portugal: Centro de Competência Nónio Séc. XXI Universidade do Minho, 2001. p. 427-432.

ARÁN, P. O. A questão do autor em Bakhtin. Bakhtiniana, Rev. Estud. Discurso, São Paulo, v. 9, n. esp., p. 4-25, jul. 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/S2176-45732014000300002

ARAÚJO, I. M. S. et al. Atendimento educacional especializado e o ensino regular: interlocuções docentes com vistas à inclusão. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 23, n. 2, p. 441-452, maio/ago. 2019. DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v23i2.12651

BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BORGES, W. F.; TARTUCI, D. Tecnologia Assistiva: concepções de professores e as problematizações geradas pela imprecisão conceitual. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v. 23, n. 1, p. 81-96, jan./mar. 2017.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação básica 2019: resumo técnico. Brasília, DF: INEP, 2020.

BRIGHENTE, M. F.; MESQUIDA, P. Paulo Freire: da denúncia da educação bancária ao anúncio de uma pedagogia libertadora. Pro-Posições, Campinas, v. 27, n. 1, p. 155-177, abr. 2016.

CONTRERAS, J. A autonomia de professores. Trad. Sandra Trabucco Valenzuela. São Paulo: Cortez, 2002.

COSTA, G. V. L. Os filhos da fronteira em Corumbá-MS: os estudantes de origem boliviana nas margens da nação. In: BAHIA, J.; SANTOS, M. (Org.). Um olhar sobre as diferenças: a interface entre projetos educativos e migratórios [recurso eletrônico]. São Leopoldo: Oikos, 2016.

COSTA, G. V. L. Os bolivianos em Corumbá-MS: conflitos e relações de poder na fronteira. Mana, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 35-63, abr. 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/0104-93132015v21n1p035

DELMAZO, C.; VALENTE, J. C. L. Fake news nas redes sociais online: propagação e reações à desinformação em busca de cliques. Media & Jornalismo, Lisboa, v. 18, n. 32, p. 155-169, abr. 2018. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2183-54622018000100012&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 5 dez. 2020.

EUROPEAN UNION. Commission and European regulators calls on streaming services, operators and users to prevent network congestion. 2020. Disponível em: https://ec.europa.eu/digital-single-market/en/news/commission-andeuropean-regulators-calls-streaming-services-operators-and-users-prevent-network. Acesso em: 13 set. 2020.

FERNANDES, J. M.; FREITAS-REIS, I.; ARAÚJO NETO, W. N. Uma revisão sistemática sobre semiótica, multimodalidade e ensino de ciências da natureza na educação do aluno surdo. Revista Educação e Linguagens, v. 9, n. 17, 2020. Disponível em: http://revista.unespar.edu.br/index.php/revistaeduclings/article/view/110. Acesso em: 10 dez. 2020.

FERREIRA, F. S. As concepções dos professores da educação básica e da educação especial sobre o uso das TIC e da tecnologia assistiva. 2020. 118 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Corumbá, 2020.

FERREIRA, G. M. S.; CASTIGLIONE, R. G. M. TIC na educação: ambientes pessoais de aprendizagem nas perspectivas e práticas de jovens. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 44, e153673, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/s1678-4634201702153673

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2009.

HABOWSKI, A. C.; CONTE, E. Interações crítico-dialéticas com as tecnologias na educação. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 15, n. 1, p. 266-288, 2020. DOI: http://doi.org/10.21723/riaee.v14i4.11993

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE Cidades@. 2020. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ms/corumba/panorama. Acesso: 4 nov. 2020.

INEP. Sinopse Estatística da Educação Básica. Brasília, DF, 2019. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-basica. Acesso: 29 mar. 2020.

INSTITUTO RODRIGO MENDES. Protocolos sobre educação inclusiva durante a pandemia da covid-19: Um sobrevoo por 23 países e organismos internacionais. 2020. 56 p.

KELLNER, D.; SHARE, J. Educação para a leitura crítica da mídia, democracia radical e a reconstrução da educação. Educação & Sociedade, Campinas, v. 29, n. esp. 104, p. 687-715, 2008.

LÖBLER, M. L.; PRETTO, D.; BOLZAN, L. M. Percepção dos alunos a respeito da inclusão de tecnologias digitais no ensino público. Novas Tecnologias na Educação, v. 11, n. 3, dez. 2013.

MEDEIROS, T. J.; SILVA, T. R.; ARANHA, E. H. S. Ensino de programação utilizando jogos digitais: uma revisão sistemática da literatura. Novas Tecnologias na Educação, v. 11, n. 3, dez. 2013.

MILL, D. M.; OLIVEIRA, M. R. G. A educação à distância em pesquisas acadêmicas: uma análise bibliométrica em teses do campo educacional. Educar em Revista, Curitiba, Edição Especial, n. 4, p. 15-36, 2014.

ONU. Governo Federal do Brasil: Pátria Educadora. Transformando nosso mundo: a agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. Nova York, sede da ONU. Traduzido do inglês pelo Centro de Inf. das UN para o Brasil (UNIC Rio) e rev. pelo Ministério das Relações Exteriores do Brasil. 2016. Última edição: 11 fev. 2016.

PÚBLIO JÚNIOR, C. O docente e o uso das tecnologias no processo de ensinar e aprender. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 13, n. 4, p. 1092-1105, 2018. DOI: http://doi.org/10.21723/riaee.v13.n3.2018.11190

REBELO, A. S. A educação especial no Brasil: indicadores educacionais de atendimento especializado (1973-2014). 2016. 200 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2016.

RODRIGUES, A. P. N. O uso da Tecnologia Educacional e a Tecnologia Assistiva na escolarização de estudantes com deficiência no município de Corumbá (MS). 2017. 151 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Corumbá, 2017.

SANTANA, R. S.; SOFIATO, C. G. Ensino de Ciências para todos: uma experiência com um estudante com deficiência intelectual. Educação, Santa Maria, v. 44, 2019. DOI: https://doi.org/10.5902/1984644434206

SANTOS, J. O. L. et al. Atendimento Educacional Especializado: Reflexões sobre a demanda de alunos matriculados e a oferta de salas de recursos multifuncionais na rede municipal de Manaus-AM. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v. 23, n. 3, p. 409-422, jul./set. 2017.

SANTOS, Lídia M. O uso de recursos de Tecnologia Assistiva para o ensino de Ciências e Matemática em salas de Recursos Multifuncionais. 2019. 101 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências) – Universidade Federal de Itajubá, Itajubá, 2019.

SAYAD, A. L. V. Educação midiática e pensamento crítico: antídotos contra a “desinformação”. In: COSTA, C.; BLANCO, P. (Org.) Liberdade de expressão: questões da atualidade [recurso eletrônico]. São Paulo: ECA-USP, 2019. p. 09-17. Disponível em: https://www.palavraaberta.org.br/docs/Livro_liberdade-de-expressao_-_questoes-da-atualidade.pdf#page=9. Acesso em: 10 jul. 2020.

SHIMAZAKI, E. M.; MENEGASSI, R. J.; FELLINI, D. G. N. Ensino remoto para alunos surdos em tempos de pandemia. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 15, e2015476, p. 1-17, 2020.

SILVA, D. R. C. Tecnologia de Informação e Comunicação (TIC) na educação inclusiva: formação de professores do Brasil e Espanha. Relatório UFMS/PIBIC/CNPq. Corumbá, 2019.

SOUZA, Fl. F.; DAINEZ, D. Educação Especial e Inclusiva em tempos de pandemia: o lugar de escola e as condições do ensino remoto emergencial. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 15, e2016303, p. 1-15, 2020.

SPINELLI, E. M.; SANTOS, J. A. Saberes necessários da educação midiática na era da desinformação. Revista Mídia e Cotidiano, v. 13, n. 3, dez. 2019.

UNESCO. Educação 2030. Declaração de Incheon e Marco de Ação: para a implementação do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 4. Paris: UNESCO, 2015.

UNESCO. Oficina Regional de Educación para América Latina y el Caribe OREALC/UNESCO Santiago. Enfoques estratégicos sobre las TICs en educación em América Latina y el Caribe. Santiago: OREALC/UNESCO, 2013. Disponível em: http://www.unesco.org/new/fileadmin/MULTIMEDIA/FIELD/Santiago/images/ticsesp.pdf. Acesso: 6 nov. 2020.

VIEGAS, P. P. C.; GOULART, I. C. V. O estado da arte da produção acadêmica sobre o letramento digital na formação docente. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 15, n. 1, p. 125-145, 2020. DOI: http://doi.org/10.21723/riaee.v15i1.12217

WANG, C.; SHANNON, D. M.; ROSS, M. E. Students’ characteristics, self-regulated learning, technology self-efficacy, and course outcomes in online learning. Distance Education, v. 34, p. 302-323, 2013.

WORD BANK. Políticas educacionais na pandemia da COVID-19: o que o Brasil pode aprender com o resto do mundo? 2 abr. 2020. Disponível em: http://pubdocs.worldbank.org/en/413781585870205922/pdf/politicas-educacionais-na-pandemia-da-covid-19-o-que-o-brasil-pode-aprender-com-o-resto-do-mundo.pdf. Acesso em: 13 set. 2020.

Publicado

01/05/2021

Como Citar

FERREIRA, F. da S.; REBELO, A. S.; KASSAR, M. de C. M. Professores, tecnologias digitais e inclusão escolar: desafios da política de educação especial em um município brasileiro. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. esp2, p. 1307–1324, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16iesp2.15127. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/15127. Acesso em: 24 jul. 2021.