O uso de filtros de controle na internet: o caso do sistema educacional

Ibsen Mateus Bittencourt, Rafael André Barros, Fernando Silvio Pimentel

Resumo


O avanço da internet nos meios sociais e educacionais tem gerado uma gama de estudos e pesquisa sobre as possibilidades e os desafios que o uso das mídias e tecnologias podem promover. No meio educacional um embate é realizado no sentido de liberar ou não a navegação em sites de relacionamento, blogs, microblogs ou em chat. Na maioria das escolas e até mesmo nas universidades o comum é o uso de “filtros” que impedem a navegação, restringindo o uso dos navegantes. Este artigo, apresenta um estudo de caso, enquanto pesquisa qualitativa online, trazendo uma análise de dados coletados na Universidade Federal de Alagoas junto a alunos de vários cursos e também alguns professores, inclusive da área das Tecnologias da Informação e Comunicação. Na visão da maioria dos alunos os sites de relacionamento, a exemplo das redes sociais, podem ser utilizados, ou já foram utilizados, para alguma atividade de estudo. Para a maioria dos professores ainda é cedo para que tudo seja liberado, mas que uma nova educação deve incluir o bom uso das TIC e o uso de filtros ainda é um recurso que precisa ser utilizado enquanto a sociedade se adapta a cultura do online.

Palavras-chave


Filtros de Controle; Educação; Internet.

Referências


ALMEIDA, M. E. B. Gestão de tecnologias, mídias e recursos na escola: o compartilhar de significados. In: MERCADO, L. P. L. (org.). Integração de mídias nos espaços de aprendizagem. Em Aberto. Brasília. Instituto Nacional de estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. v. . 22, n. 79, jan. 2009.

BAUMAN, Z. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 2001.

BAUMAN, Z. Tempos Líquidos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 2007.

BITTENCOURT, I. M.; BITTENCOURT, I. G. S. Como professores concebem o uso das TIC em suas práticas pedagógicas. V Encontro de Pesquisa em Educação em Alagoas-EPEAL, 2010.

BITTENCOURT, I. M.; MERCADO, L. P. L.. Evasão nos cursos na modalidade de educação a distância: estudo de caso do Curso Piloto de Administração da UFAL/UAB. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v. 22, n. 83, 2014.

BLIKSTEIN, Z; ZUFFO, M. K. As sereias do ensino eletrônico. In: SILVA, M (Org.). Educação Online: teorias, práticas, legislação, formação corporativa. São Paulo: Edições Loyola, 2003.

BRASIL. Constituição Federal. Brasília: Senado Federal, 1988.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. A era da informação: economia, sociedade e cultura. V 1. Paz e Terra, São Paulo, 1999.

CRUZ, W. Experiências utilizando ferramentas síncrona na educação. In. MERCADO, L. (Org.). Experiências com tecnologias da informação e comunicação na educação. Maceió: EDUFAL, 2006.

Declaração Universal dos Direitos Humanos. Disponível em: http://www.unhchr.ch/udhr/lang/por.htm. Acesso em: 20 jun. 2007. Acesso em: Jun. 2010. Corporativa. São Paulo: Edições Loyola.

GIDDENS, A. As conseqüências da Modernidade. São Paulo: Editora UNESP, 1991.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

MERCADO, L. Aprendizagem integrada em ambientes telemáticos através de projetos colaborativos. In: Revista do Centro de Educação da Universidade Federal de Alagoas. Ano 8, n13, dez 2000. ISSN 0104-5555.

MERCADO, L. Vivências com aprendizagem na internet. Maceió: EDUFAL, 2005.

MERCADO, L. (org.). Integração de mídias nos espaços de aprendizagem. Em Aberto. Brasília. Instituto Nacional de estudos e Pesquisas Educacionais Aníso Teixeira. v. . 22, n. 79, jan. 2009.

MORAN, J. M. Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologia. Informática na educação: teoria e prática. Porto Alegre, v. 3, n. 1, p. 137 – 144, set. 2000. Disponível em: http://www.eca.usp.br/prof/moran/inov.htm Acesso em: Julho de 2010.

NONATO, E. R. S. Novas tecnologias, educação e contemporaneidade. Práxis Educativa. Ponta Grossa, v. 1, n. 1, p. 77-86, jan. – jun. 2006.

PRADO, M. Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas. Salto para futuro/SEED/MEC. Brasília, DF: MEC/SEED, 2001.

PRENSKY, M. Digital natives, digital immigrants. Disponível em: http://www.marcprensky.com/writing/Prensky%20%20Digital%20Natives,%20Digital%20Immigrants%20-%20Part1.pdf . Acesso em: Outubro de 2009.

RECUERO, R. Um estudo do capital social gerado a partir das Redes Sociais no Orkut e nos Weblogs. Trabalho apresentado no GT de Tecnologias da Comunicação e da Informação da COMPÓS 2005. Artigo publicado na Revista da FAMECOS, Porto Alegre, v. 28, n. dez 2005.

SILVA, M. Educação Online: teorias, práticas, legislação, formação corporativa. São Paulo: Edições Loyola, 2003.




DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v14i4.9052



Direitos autorais 2018 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.