Questionando a proposital invisibilidade: reflexões sobre a abordagem das relações de gênero no PIBID – Interdisciplinar da UPE Campus Petrolina

janaina Guimarães da Fonseca Silva, Camila dos passos Roseno

Resumo


O Plano Nacional de Educação – Lei nº 13.005 de 25 de junho de 2014 – foi aprovado após uma intensa disputa liderada pelos setores religiosos e fundamentalistas da assembleia legislativa do país para a não-inserção das questões de gênero no currículo escolar. Mas porque não discutir essa problemática? Dessa forma, este artigo tem como objetivo problematizar a legislação pertinente às questões de gênero, assim como apontar possíveis abordagens das relações de gênero em sala de aula através de uma experiência realizada no Programa de Iniciação à Docência – PIBID – da Universidade de Pernambuco – campus Petrolina. Nossa preocupação se estende também à formação de professoras e professores para trabalharem as questões de gênero, posto que a maioria dos cursos de licenciatura do país não prepara as/os estudantes para abordar a temática.


Palavras-chave


Gênero; Educação; PIBID; Interdisciplinaridade.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE JUNIOR, D. M. de. A invenção do nordeste e outras artes. São Paulo: Cortez, 2001.

ALBUQUERQUE JUNIOR, D. M. de. A invenção do falo: uma história do gênero masculino (Nordeste 1920/1940). Maceió: Edições Catavento, 2003.

AMADO, J. Ponto de Vista. Região, sertão, nação. Estudos históricos, Rio de Janeiro, v. 8, n. 15, p. 145-151, 1995.

AZEVEDO, M. A. R.; ANDRADE, M. de F. R. de. O papel da interdisciplinaridade e a formação do professor: aspectos histórico-filosóficos. Educação Unisinos, v. 15, n. 3, p. 206-213, dez. 2011

BORTOLINI, A. Diversidade sexual e de gênero na escola. Revista Espaço Acadêmico, nº123, ano XI-Dossiê: Homofobia, sexualidade e direito, p. 27-37, ago. 2011.

BOURDIEU, P. Escritos de educação. Petrópolis: Vozes, 1998

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: ética. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: orientação sexual. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Políticas para as Mulheres. Programas e ações. 2014. [online]. Disponível em: http://www.spm.gov.br/assuntos/educacao-cultura-e-ciencia/programas-acoes. Acesso em: 18 dez. 2014a.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. [online]. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2014/lei-1300525-junho-2014-778970-publicacaooriginal-144468-pl.html. Acesso em: 12 dez. 2014b.

BRASIL. Resolução nº 2, de 1º de julho de 2015. Resoluções do Conselho Pleno – 2015. [online]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=17719-res-cne-cp-002-03072015&category_slug=julho-2015-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 4 fev. 2016.

BRASIL. Lei nº 13.104, de 9 de março de 2015. Prevê o feminicídio como circunstância qualificadora de homicídio e inclui o feminicídio no rol dos crimes hediondos. [online] Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13104.htm. Acesso em: 16 dez 2015a.

BRASIL. Constituição da República Federativa do. Constituição Atualizada até a Emenda Constitucional nº 88, de 7 de maio de 2015. [online]. Disponível em: https://www.imprensaoficial.com.br/downloads/pdf/Constituicoes_declaracao.pdf. Acesso em: 4 fev. 2015b.

BRASIL. Conferência Nacional de Educação, 2010. [online]. Disponível em: http://conae.mec.gov.br/images/stories/pdf/pdf/documetos/documento_final_sl.pdf. Acesso em: 04 maio 2016.

BRITO, C. Sem Ideologia de gênero plano municipal de Petrolina é a provado na casa Plinio Amorim. [online]. Disponível em: http://carlosbritto.ne10.uol.com.br/sem-ideologia-de-genero-plano-municipal-de-educacao-e-aprovado-pela-casa-plinio-amorim/. Acesso em: 09 abr. 2016.

BRITO, P.; REIS, L. Por pressão, planos de educação de 8 Estados excluem “ideologia de gênero”. Folha de S. Paulo, 25 junho 2015. [online]. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/educacao/2015/06/1647528-por-pressao-planos-de-educacao-de-8estados-excluem-ideologia-de-genero.shtml. Acesso em: 14 dez. 2015.

CARNEIRO, M. LDB fácil: leitura crítico-compreensiva, artigo a artigo. 22 ed. Petrópolis, RJ. Vozes, 2014.

CHARTIER, R. Diferenças entre os sexos e dominação simbólica (nota crítica). Cadernos Pagu, v. 4 – fazendo história das mulheres, Campinas, Núcleo de Estudos de Gênero/UNICAMP, p. 40-42, 1995.

FELIPE, J. Gênero, sexualidade e a produção de pesquisas no campo da educação: possibilidades, limites e a formulação de políticas públicas. Pro-Posições, v. 18, n. 2, p. 77-87, maio/ago. 2007.

FURLAN, C. C.; FURLAN, D. A. B. Gênero e sexualidade na formação de professores/as: a necessidade de reflexões sobre a prática pedagógica. Plures, Humanidades, Ribeirão Preto, v. 12, n. 2, p. 306-326, jul./dez. 2011.

LESSA, P. 7 notas sobre o imaginário infantil. Cadernos de apoio ao ensino, n. 7, Maringá: EDUEM, p.73-90, dez. 1999.

LOURO, G. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Pro-Posições, v. 19, n. 2, p. 17-23, maio/ago. 2008.

MAGALHÃES, S. M. O. Afetar e sensibilizar na educação: uma proposta transdisciplinar. Linhas críticas, Brasília, v. 17, n. 32, p. 163-181, jan./abr. 2011.

MORIN, E. Os setes saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez. 2000.

NOVA, C. Ideologia de Gênero: saiba mais e conheça os riscos para a sociedade. [online]. Disponível em: http://noticias.cancaonova.com/ideologia-de-genero-saiba-mais-e-conheca-riscospara-a-sociedade/. Acesso em 16 dez. 2015.

PERRENOUD, P. Escola e Cidadania: o papel da escola na formação para a democracia. (trad. Fátima Murad). Porto Alegre: Artmed, 2005.

PUPO, K. R. Violência moral no interior da escola: um estudo exploratório das representações do fenômeno sobre a perspectiva de gênero. 2007. 242f. Dissertação (Mestrado em educação), USP, São Paulo, 2007.

SANTANA, V. Câmara de vereadores de Petrolina debate a prova o plano municipal de educação. [online]. Disponível em: http://www.blogviniciusdesantana.com/camara-de-vereadores-de-petrolina-debate-e-aprova-plano-municipal-de-educacao/. Acesso em: 10 set. 2015.

VIANNA, C. Gênero, sexualidade e políticas públicas de educação: um diálogo com a produção acadêmica. Pro-Posições, Campinas, v. 23, n. 2, p. 127-143, maio/ago. 2012.

WAISELFISZ, J. J. Mapa da violência 2015. Homicídio de mulheres no Brasil. Centro Brasileiro de Estudos Latino-Americanos. 2015. [online]. Disponível em: http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2015/MapaViolencia_2015_mulheres.pdf. Acesso em: 15 dez. 2015.

YOUNG, M. Para quê servem as escolas? Revista Educação e Sociedade, Campinas, vol. 28, n. 101, pp. 1287-1302, set./dez. 2007.




DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v13.n2.2018.9645



Direitos autorais 2018 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587, ISSN: 2446-8606.

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.