Dos aspectos históricos aos tensionamentos de inclusão do povo preto no contexto contemporâneo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v25i2.15013

Palavras-chave:

Inclusão , Movimento social, Marginalização, Discriminação, Preconceito

Resumo

Este ensaio teórico buscou traçar um recorte no espaço/tempo do século XX em que o movimento social do povo preto enfrenta uma revolução em busca de respeito e a minimização dos processos de racismo, discriminação e preconceito que subjugam estes como marginais e, por assim ser discriminados constantemente. Apontamos momentos da história da sociedade brasileira e suas adequações organizativas numa referência eurocêntrica, em normas e, a militância negra, com suas idiossincrasias como essencial para o reconhecimento de que as diferenças existem e precisam impreterivelmente ser debatidas. Finalizamos o ensaio com uma análise crítica/reflexiva acerca das políticas sociais dos governos mais recentes buscando e reconhecimento da inclusão como peça-chave de empoderamento, protagonismo e compreensão do lugar do povo preto na história A educação como um dos atos da inclusão é pautada no texto de maneira que atravessa o processo reflexivo/crítico e de militância na ordem social do mundo contemporâneo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro Costa Vieira, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Campo Grande – MS

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Educação.

Eladio Sebástian Heredero, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Campo Grande – MS

Professor Visitante, atua no Programa de Pós-Graduação em Educação. Professor Aposentado da Universidad de Alcalá – Espanha.

Referências

A carne. Intérprete: Elza Soares. Compositor: Seu Jorge, Marcelo Yuka, Wilson Cappellette. In: DO CÓCCIX até o pescoço. Intérprete: Elza Soares. São Paulo: Tratore, 2002. 1 CD, faixa 6 (4min).

ALMEIDA, S. Racismo estrutural. São Paulo, SP: Editora Jandaíra, 2020.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, n. 248, p. 27833, 23 dez. 1996. PL 1258/1988

DOMINGUES, P. Movimento negro brasileiro: alguns apontamentos históricos. Tempo, v. 12, n. 23, p. 100-122, 2007.

FONSECA, D. Políticas e ações afirmativas. São Paulo, SP: Selo Negro, 2009.

FREIRE, P.; NOGUEIRA, A. Que fazer: teoria e prática em educação popular. 4. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1993.

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. 2019. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/. Acesso em: 10 jan. 2021.

LEÃO, D. Paradigmas contemporâneos de educação: Escola tradicional e escola construtivista. Cadernos de pesquisa, São Paulo (SP), n 107, p. 187-206, 1999.

MANTOAN, M. Inclusão escolar: o que é? por quê? como fazer? São Paulo, SP: Summus, 2015.

ONU. Organização das Nações Unidas. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Paris, 1948. Disponível em: http://www.onu-brasil.org.br/documentos/. Acesso em: 10 maio 2020.

PAIXÃO, M.; THEODORO, M. ... para depois dividir: notas sobre Reforma Previdenciária e assimetrias raciais no Brasil. Em Pauta, Rio de Janeiro (RJ), v. 18, n. 45, p. 130-147, 2020

SANTOS, G. A invenção do “ser negro”: um percurso das ideias que naturalizam a inferioridade dos negros. São Paulo, SP: Educ/Fapesp; Rio de Janeiro, RJ: Pallas, 2002.

SANTOS, G. Relações raciais e desigualdade no Brasil. São Paulo, SP: Selo Negro, 2009.

Downloads

Publicado

01/08/2021

Como Citar

VIEIRA, L. C.; SEBÁSTIAN HEREDERO, E. Dos aspectos históricos aos tensionamentos de inclusão do povo preto no contexto contemporâneo. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 25, n. 2, p. 1207–1221, 2021. DOI: 10.22633/rpge.v25i2.15013. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/15013. Acesso em: 25 out. 2021.