A formação acadêmica do engenheiro: produto de uma atividade coletiva

Isabel Koltermann Battisti, Cátia Maria Nehring

Resumo


O ensino é uma forma universal institucionalizada de transmitir às novas gerações saberes produzidos nas experiências sociais. Nesse contexto, a presente produção constitui-se a partir de uma investigação que visa discutir acerca da formação acadêmica do engenheiro como produto de uma atividade coletiva. Este é delimitado a partir da problemática: Quais elementos caracterizam a necessidade, o objeto e o motivo como componentes estruturadores da atividade Formação do engenheiro? Quais entendimentos podem ser produzidos, considerando a formação do engenheiro, no âmbito do ensino, como produto de uma atividade coletiva? As análises constituem-se a partir de referenciais teóricos fundamentados na perspectiva histórico-cultural, com enfoque especial à teoria da atividade, e consideram excertos do Projeto Pedagógico de cursos de Engenharia de uma universidade. O estudo desenvolvido permitiu indicar que a necessidade de formar um engenheiro se torna satisfeita na atividade coletiva, o que está intrinsecamente relacionado às ações individuais de cada professor envolvido.


Palavras-chave


Teoria da Atividade; Abordagem histórico-cultural; Ensino; Necessidade, objeto e motivo.

Texto completo:

PDF PDF (Español (España)) XML

Referências


ARAÚJO, E. S. Da formação e do formar-se: a atividade de aprendizagem docente em uma escola pública. 2003 Tese (doutorado) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

BATTISTI, I. K. Mediações na significação do conceito vetor com tratamento da geometria analítica em aulas de matemática. Tese (doutorado) – Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. 2016.

BRASIL. MEC/CNE/CES. Resolução CNE/CES nº 11, de 11 de março de 2002. Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Engenharia. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 9 de abr. 2002.

CARAÇA, B. de J. Conceitos Fundamentais da matemática. 4.ed. Lisboa: Gradiva, 1998.

DANIELS, H. Vygotsky e a pedagogia. Tradução Milton Camargo Mota. São Paulo: Loyola, 246 p. 2003.

ENGESTRÖM, Y. Learning by expanding: an activity -theoretical approach to developmental research. Helsinki, Finland: Orienta - Konsultit, 1987.

ENGESTRÖM, Y. Activity Theory and Individual and Social Transformation. In: ENGESTRÖM, Y., MIETTINEN, R., PUNÄMAKI, R. (ed.) Perspectives on Activity Theory. Cambridge: Cambridge University Press, p.19-38, 1999.

ENGESTRÖM, Y. Expansive Learning at Work: toward an activity theoretical reconceptualization. Journal of Education and Work. Vol. 14, Nº 1, p. 133-156, 2001.

ENGESTRÖM, Y. Non scolae sed vitae discimus: Como superar a encapsulação da aprendizagem escolar. In: DANIELS, H. Uma Introdução a Vygotsky. São Paulo: Edições Loyola, p. 175-197, 2002.

GARNIER, C; BEDNARZ, N; ULANOVSKAYA, I. Duas diferentes visões da pesquisa em Didática. In: Após Vygotsky e Piaget: perspectiva social e construção escolar russa e ocidental. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

LEONTIEV, A. N. Activity and Consciousness. Englewood Cliffs, Prentice-Hall,1977.

LEONTIEV, A. N. Actividad, conciencia e personalidad. Havana: Editorial Pueblo y Educación. Traducción: Lic. Librada Leyva Rosario Bilbao Jorge C. Potrony. Revisión técnica: Lic. Franklin Martínez, 1985.

LEONTIEV, A. N. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Horizonte Universitário, s/d.

KOPNIN, P. A dialética como lógica e teoria do conhecimento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

MOURA, M. O. de. O educador matemático na coletividade de formação: uma experiência com a escola pública. Tese (Livre Docência) — Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP. 2000.

MOURA, M. O. de. Pesquisa colaborativa: um foco na ação formadora. In: BARBOSA, Raquel Lazzari Leite (Org.) Trajetórias e perspectivas da formação de educadores. São Paulo: Editora UNESP, Cap. 18, p. 257-284, 2004.

MOURA, M. O. de; SFORNI, M. S. de F.; ARAÚJO, E. S. Objetivação e Apropriação de Conhecimentos na Atividade Orientadora de Ensino. Revista Teoria e Prática da Educação, v. 14, n. 1, p. 39-50, jan./abr. 2011. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2012.

OLIVEIRA, M. K. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento - um processo sócio- histórico. 4. São Paulo: Editora Scipione. 2004.

RUBTSOV, V. A atividade de aprendizado e os problemas referentes à formação do pensamento teórico dos escolares. In: GARNIER, C. et al. (Org.). Após Vygotsky e Piaget: perspectivas social e construtivista escolas russa e ocidental. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

VIGOTSKI, L. V. A Construção do pensamento e da linguagem. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

SACRISTÁN, J. G. Consciência e a ação sobre a prática como libertação profissional dos professores. In: NÓVOA, A. N. (Org.) Profissão Professor. Portugal: Porto Editora, 1991.




DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v14i2.11434



Direitos autorais 2019 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.