Parceria na form(ação) docente: o estágio curricular supervisionado como lugar de fronteira dos cursos de formação e a educação básica

Vilmar José Borges

Resumo


Objetiva-se socializar reflexões acerca de gargalos da form(ação) docente, causados pela ausência de uma relação de parceria institucionalizada entre as Instituições de Ensino Superior e as escolas de Educação Básica. Trata-se de uma pesquisa cuja abordagem metodológica deriva de um híbrido constituído por procedimentos da História Oral e da Análise de Conteúdo. Toma o Estágio Curricular Supervisionado (ECS) como promissor para a relação institucionalizada de parceria na formação docente. Conclui-se por sugerir o aprofundamento de reflexões que possibilitem a institucionalização dos sistemas estaduais e municipais de ensino como co-responsáveis pela formação docente, atribuindo carga horária para o professor que receber e acompanhar licenciandos para realização do ECS.


Palavras-chave


Estágio curricular supervisionado; Formação docente; Parceria.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRE, M.; SIMOES, R. H. S.; CARVALHO, J. M.; BRZEZINSKI, I. Estado da Arte na formação de professores no Brasil. Educação e Sociedade. Campinas, São Paulo, ano XX, v. 20, n. 68, p. 301-309, dez.1999. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-73301999000300015&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 2 abr. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73301999000300015

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1988.

BOM MEIHY, J. C. S. Manual de História Oral. São Paulo: Loyola, 1996.

BORGES, V. J. Modos de realizar Estágio Curricular Supervisionado em Geografia: vozes de professores supervisores e professores parceiros na Região Sudeste (Brasil). Orientadora: Marilda da Silva. 2012, 251f. Tese (Doutorado em Educação Escolar). Universidade Estadual Paulista. Araraquara-SP, 2012. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/101551?locale-attribute=en. Acesso em: 2 abr. 2019.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília-DF. 20 de nov. de 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 2 abr. 2019.

BRASIL. Parecer CNE/CP 009/2001 de 08.05.2001, do Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de Licenciatura, de Graduação plena. Disponível em http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/009.pdf. Acesso em: 2 abr. 2019.

BRASIL. Parecer CNE/CP 21/2001, de 06.08.2001, do Conselho Nacional de Educação. Dispõe sobre a duração e carga horária dos cursos de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de Licenciatura, de Graduação plena. Disponível em http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/cnecp_212001.pdf. Acesso em: 2 abr. 2019.

BRASIL. Parecer CNE/CP 27/2001, de 02.10.2001, do Conselho Nacional de Educação. Dá nova redação ao Parecer CNE/CP 9/2001, que dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em Cursos de Nível Superior. Disponível em http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/027.pdf. Acesso em: 2 abr. 2019.

BRASIL. Parecer CNE/CP 28/2001 de 02.10.2001, do Conselho Nacional de Educação. Dá nova redação ao Parecer CNE/CP 21/2001, que estabelece a duração e a carga horária dos cursos de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de Licenciatura, de Graduação plena. Disponível em http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/028.pdf. Acesso em: 2 abr. 2019.

CORRADI, D. P. Estágio Supervisionado: cultura(s) e processos de identificação permeando um currículo de formação de professores de Química. Orientadora: Maria Ines Petrucci Rosa. 2005. 99 f. Dissertação (Mestrado em Educação). UNICAMP, Campinas-SP, 2005. Disponível: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/253115. Acesso em: 2 abr. 2019.

DELGADO, L. A. N. História Oral – Memória, tempo, identidade. Belo Horizonte-MG: Autêntica, 2006.

FOERSTE, E. Parceria na formação de professores. Revista Iberoamericana de Educación, v. 34, n. 3, p. 1-13, 2004. Disponível em: https://rieoei.org/RIE/article/view/3547 Acesso em 13 de mar. 2019. DOI: https://doi.org/10.35362/rie36133547

FOERSTE, E. Parceria na formação de professores. São Paulo: Cortez, 2005.

GATTI, B.; NUNES, (coord.). Relatório final: estudo dos cursos de Licenciatura no Brasil: letras, matemática e ciências biológicas. Rio de Janeiro: Fundação Carlos Chagas, 2008. 137p.

GAUTHIER, C. Por uma teoria da Pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Ijuí-RS: Unijuí, 1998. 480p.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e Docência. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

RODRIGUES, P. A. M. Anatomia e fisiologia de um Estágio. Orientadora: Menga Lüdke. 2009, 140 f. Dissertação (Mestrado em Educação). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=14119@1. Acesso em: 2 abr. 2019. DOI: https://doi.org/10.17771/PUCRio.acad.14119

SANTOS, B. de S. Modernidade, identidade e a cultura de fronteira. Tempo Social; Rev. Sociol. USP, S. Paulo, v. 5, n. 1-2, p. 31-52, 1993 (editado em nov. 1994). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-20701993000100031&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 2 abr. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/ts.v5i1/2.84940

TARDIF, M. Princípios para guiar a aplicação dos programas de formação inicial para o ensino. Anais do XIV ENDIPE: trajetórias e processos de ensinar e aprender: Didática e formação de professores. XIV ENDIPE, 27 a 30 de abril de 2008. PUC/Porto Alegre, RS. 2008. p.17-46.

TARDIF, M. Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários. Elementos para uma epistemologia da prática profissional dos professores e suas consequências em relação à formação para o magistério. Revista Brasileira de Educação, n. 13, p.5-24, jan./fev./mar./abr. de 2000. Disponível em: http://educa.fcc.org.br/pdf/rbedu/n13/n13a02.pdf. Acesso em: 2 abr. 2019.

VALLADARES, M. T. R. Vivências em Zonas de fronteiras...as narrativas se fazem travessias... (Um estudo com narrativas e com os cotidianos no estágio curricular da licenciatura em Geografia na UFES). 2009. 276 f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória-ES, 2009. Disponível em: . Acesso em: 2 abr. 2019.




DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v15i2.12482



Direitos autorais 2020 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.