Estado do conhecimento sobre financiamento da educação obrigatória e privatização a partir do web of science, 2015-2018

Andrey Mori, Theresa Adrião

Resumo


Trata-se de um estado do conhecimento, Romanowski e Ens (2006), construído a partir de levantamento de publicações entre 2015-2018 em periódicos que integram a Web of Science. O inventário foi realizado pelo descritor Financing identificado em títulos, resumos e palavras-chave em trabalhos circunscritos à educação básica/obrigatória. A análise dos resumos indicou que 23%, dos 76 artigos selecionados, abordaram o tema da privatização, a maioria por autores estadunidenses. A produção brasileira foi a terceira mais frequente, embora sem análises sobre formas de privatização. O estudo indicou ainda que escolha parental foi a forma de privatização mais analisada.

Palavras-chave


Estado do conhecimento; Financiamento; Privatização; Educação obrigatória.

Texto completo:

PDF XML

Referências


ADRIÃO, T. Dimensões da privatização da educação básica no Brasil a partir de 1990: um diálogo com a produção acadêmica. 2015. 227f. Tese (Livre-Docência), Universidade Estadual de Campinas.

ADRIÃO, T. A privatização dos processos pedagógicos: Grupos editoriais e os negócios na educação básica. In: MARINGONI, G. (Org.). O negócio da educação. São Paulo: Olho D’água e Fepesp. p. 129-144, 2017.

ADRIÃO, T. Dimensões e formas da privatização da educação no Brasil: caracterização a partir de mapeamento de produções nacionais e internacionais. Currículo sem fronteiras, v. 18, n. 1, p. 8-28, jan./abr. 2018.

ARAÚJO, C. Bibliometria: evolução histórica e questões atuais. Em Questão, Porto Alegre, v. 12, n. 1, p. 11-32, jan./jun. 2006.

BALL, S.; YOUDELL, D. Hidden privatisation in public education. 2008. Disponível em: https://pages.ei-ie.org/quadrennialreport/2007/upload/content_trsl_images/630/Hidden_privatisation-EN.pdf. Acesso em: 17 nov. 2018.

BELFIELD, C.; LEVIN, H. Education Privatization: Causes, Consequences, and Planning Implications. Paris, UNESCO-IIPE, 2002.

DALE, R. A promoção do mercado educacional e a polarização da educação. Educação, Sociedade e Cultura, n. 2, p. 109-139, 1996 Disponível em http://www.fpce.up.pt/ciie/revistaesc/ESC2/2-6-dale.pdf> Acesso em: 17 nov. 2018.

FERREIRA, N. S. A. As pesquisas denominadas "estado da arte". Educação & Sociedade, Campinas, v. 23, n. 79, p. 257-272, ago. 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302002000300013&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 17 nov. 2018.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. (Orgs.). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

MARTINS, A. (Org.). Estado da Arte: Gestão, autonomia escolar e órgãos colegiados. Brasília: Editora Liber Livro, 2011.

NOGUEIRA, M. A. Teses e dissertações sobre a relação família-escola no. Brasil (1997-2011): um estado do conhecimento. 37ª Reunião Anual da ANPEd, UFSC – Florianópolis, 2015. Disponível em: http://37reuniao.anped.org.br/wp-content/uploads/2015/02/Trabalho-GT14-4137.pdf. Acesso em: 17 nov. 2018.

ROBERTSON, S. L. Parcerias público-privadas, empresas digitais e a produção de um espaço educacional neoliberal em escala européia. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 34, n. 3, p. 573-586, dez. 2008.

ROMANOWSKI, J. P.; ENS, R. T. As pesquisas denominadas do tipo “estado da arte” em educação. Revista Diálogo Educacional, v. 6, n. 19, set./dez. 2006, p. 37-50.

WITTIMAN, L; GRACINDO, R. (Orgs.). Políticas e gestão da educação (1991-1997). Brasília: MEC/Inep/Comped, 2001.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v0i0.12009



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.