Indústria cultural e semiformação: democracia e educação sob ataque nos países ibero-americanos à luz da teoria crítica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.4.12912

Palavras-chave:

Educação, Indústria Cultural, Semiformação, Teoria Crítica da Sociedade.

Resumo

Este ensaio objetiva refletir, urdidos pelos fundamentos da Teoria Crítica da Sociedade, sobre indústria cultural e semiformação (Halbbildung) no contexto dos países ibero-americanos. O conceito de indústria cultural não só permanece atual como é fundamental para compreender a semiformação ou a formação danificada. A reflexão está ancorada em M. Horkheimer, T. W. Adorno e H. Marcuse, pensadores da primeira geração da Escola de Frankfurt. A formação (Bildung), conforme assumida por esses autores, pode oferecer os substratos necessários para a práxis de resistência ao processo que impede o florescimento de individualidade autônoma, no qual a democracia tem sido atacada.

Biografia do Autor

Marta Regina Furlan de Oliveira, Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina – PR

Docente do programa de pós-graduação em Educação. Doutora em Educação.

Maria Terezinha Bellanda Galuch, Universidade Estadual de Maringá – (UEM), Maringá – PR

Professora do Departamento de Teoria e Prática da Educação.

Carlos Antônio Giovinazzo Júnior, Pontifica Universidade Católica de São Paulo – (PUC), São Paulo – SP

Docente do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: História, Política, Sociedade.

Referências

ADORNO, T. W. A Indústria Cultural. In: COHN, G. (org). Theodor W. Adorno. São Paulo: Ática, p. 92-99, 1986. (Coleção Grandes Cientistas Sociais)

ADORNO, T. W. Educação e emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

ADORNO, T. W. Teoria da semicultura. Educação e sociedade, Campinas, n. 56, ano XVII, dez., p. 388-411, 1996.

ADORNO, T. W. Teoria freudiana e o padrão de propaganda fascista. In: _____. Ensaios sobre psicologia social e psicanálise. São Paulo: Ed. UNESP, p. 153-189, 2015.

ADORNO, T. W.; HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

HAUG, W. F. Crítica da estética da mercadoria. São Paulo: Unesp, 1997.

HORKHEIMER, M. Teoria tradicional e teoria crítica. In: HORKHEIMER, M.; ADORNO, T. W. Textos escolhidos. São Paulo: Nova Cultural, p. 31-68, 1991. (Col. Os Pensadores).

HORKHEIMER, M. Meios e fins. In: _____. Eclipse da razão. São Paulo: Centauro, p. 13-64, 2000.

MARCUSE, H. Ideologia da sociedade industrial. Rio de janeiro: Zahar, 1969.

MARCUSE, H. Eros e civilização: uma interpretação filosófica do pensamento de Freud. Rio de Janeiro: Zahar, 1972.

MARCUSE, H. Sobre o caráter afirmativo da cultura. Cultura e sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, v. 1, p. 89-136, 1997.

MARCUSE, H. Algumas implicações sociais da tecnologia moderna. In: _____. Tecnologia, guerra e fascismo. São Paulo: Ed. Unesp, p. 71-104, 1999.

MARX, K. O capital. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS IBERO-AMERICANOS. O que é a OIE? Disponível em: https://oei.org.br/oei. Acesso em: 20. jun. 2019.

PUCCI, B. A escola e a semiformação mediada pelas novas tecnologias. In: PUCCI, B.; ALMEIDA, J. de; LASTÓRIA, L. A. C. N. (Orgs.). Experiência formativa e educação. São Paulo: Nankin, p. 69-79, 2009.

TÜRCKE, C. Sociedade excitada: filosofia da sensação. Campinas: Ed. Unicamp, 2010.

ZUIN, A. A. S. Indústria cultural e educação: o novo canto da sereia. Campinas: Autores Associados, 1999.

Publicado

01/09/2019

Como Citar

OLIVEIRA, M. R. F. de; GALUCH, M. T. B.; GIOVINAZZO JÚNIOR, C. A. Indústria cultural e semiformação: democracia e educação sob ataque nos países ibero-americanos à luz da teoria crítica. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. esp.4, p. 1883–1898, 2019. DOI: 10.21723/riaee.v14iesp.4.12912. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12912. Acesso em: 6 mar. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)