A formação de professores e a teoria crítica: entre o mercado e a emancipação humana

Autores

  • Andréia da Cunha Maleiros Santana Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina – PR
  • Mariana Civalsci Cardoso Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina – PR
  • Taila Angélica Aparecida da Silva Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina – PR https://orcid.org/0000-0001-7780-0848

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.4.12924

Palavras-chave:

Formação de professores, Teoria crítica, Mercado, Ensino superior.

Resumo

A formação de professores sob o viés da perspectiva da teoria crítica constitui o tema deste artigo. Trata-se um artigo de cunho bibliográfico, que tem como objetivo geral promover uma reflexão de duas tendências na área da formação de professores, uma voltada para o mercado de trabalho no contexto da globalização e do neoliberalismo e outra voltada para a emancipação do ser humano.  No contexto atual, constata que se a formação não atender ao mercado de trabalho, terá sido inútil, no entanto, uma formação crítica nos fará questionar que tipo de formação esta sociedade deseja. Conclui que a formação de professores não pode ser aligeirada apenas para atender os interesses de mercado, mas deve contribuir para a formação do profissional, articulando teoria e proporcionando a difusão dos saberes historicamente produzido.

Biografia do Autor

Andréia da Cunha Maleiros Santana, Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina – PR

Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação e do Mestrado Profissional. Doutora em Educação Escolar.

Mariana Civalsci Cardoso, Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina – PR

Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Educação.

Taila Angélica Aparecida da Silva, Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina – PR

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação.

Referências

ADORNO, T. W. Soziologische Schriften. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1979.

ADORNO, T. W. Tempo Livre. In: _____. Palavras e sinais: modelos Críticos 2. Tradução de Maria Helena Ruschel; supervisão de Álvaro Valls. Petrópolis: Vozes, p. 70-82, 1995.

ADORNO, T. W. Educação após Auschwitz. In: Educação e Emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, p. 119-154, 1995.

ADORNO, T. W. O fetichismo na música e a Regressão da Audição. In: Textos Escolhidos. SP: Abril Cultural, 1999. Coleção: Os pensadores.

ADORNO, T. W.; HORKHEIMER, M. Dialética do Esclarecimento. Tradução de Guido Antonio de Almeida, Rio de Janeiro, Zahar Editores, 1985.

ALARCÃO, I. Ser Professor Reflexivo. In: ALARCÃO, I. (Org.). Formação reflexiva de professores: estratégias de supervisão. Editora Porto. Porto, Portugal, 1996. Disponível em: Ser_professor_reflexivo_Isabel_Alarcao.pdf. Acesso em: 3 abr. 2018.

ANTUNES, R. Adeus ao Trabalho? Ensaio sobre as Metamorfoses e a Centralidade no Mundo do Trabalho. 14. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 2000

ALVES, M. C. B. Didática da educação a distância: interação pedagógica. 2005.

BENJAMIN, W. Obras escolhidas I: magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.9.394/96. Brasília, DF: MEC/SEF, 1996.

CAMBI, F. História da Pedagogia. São Paulo: Editora Unesp, 1999.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Caderno 13: Maquiavel a política e o estado moderno. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

KINCHELOE, J. L. Tradução de Nize Maria Campos Pellanda. A formação do professor como compromisso político: mapeando o pós-moderno. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

MIZUKAMI, M. G. N.; REALI, A. M. M.; REYES, C. R.; MARTUCCI, E. M.; LIMA, E. F.; TANCREDI, R. M. S. P.; MELLO, R. R. Escola e aprendizagem da docência: processos de investigação e formação. São Carlos: EdUFSCar, 2002. 203p

MARCUSE, H. A ideologia da sociedade industrial. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

PUCCI, B. (Org.). Teoria Crítica e Educação: A formação cultural na Escola de Frankfurt (2. ed). 1. ed. Petrópolis - RJ: Vozes/EDUFSCar, v. 1. 197 p, 1995.

PUCCI, B. Teoria Crítica e Educação. In: _____. Teoria Crítica e Educação: a questão da formação cultural na Escola de Frankfurt. Petrópolis, RJ: Vozes; São Carlos, SP: EDUFSCAR, p. 11-58, 2007.

SANTOS, B. de S.; ALMEIDA FILHO, N. de (Orgs.). A Universidade no Século XXI: para uma universidade nova. Coimbra, 260 p., 2008. Disponível em: http://www.boaventuradesousasantos.pt/media/A%20Universidade%20no%20Seculo%20XXI.pdf. Acesso em: 23 mar. 2018.

SAVIANI, D. Da nova LDB ao FUNDB: por uma outra política educacional. Campinas, SP: Autores Associados, 2007.

ZUIN, A. A. S. O Plano Nacional de Educação e as Tecnologias de Informação e Comunicação. 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v31n112/16.pdf. Acesso: 15 de junho 2015.

Publicado

01/09/2019

Como Citar

Santana, A. da C. M., Cardoso, M. C., & Silva, T. A. A. da. (2019). A formação de professores e a teoria crítica: entre o mercado e a emancipação humana. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 14(esp.4), 2003–2016. https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.4.12924