Indústria cultural e a dialética do esclarecimento: implicações para o trabalho docente na educação física escolar

Autores

  • Flávia Regina Schimanski dos Santos Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina – PR https://orcid.org/0000-0002-4583-0193
  • Fernanda Neri de Oliveira Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina – PR
  • Karina de Toledo Araújo Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina – PR
  • Rovilson José da Silva Universidade Estadual de Londrina https://orcid.org/0000-0002-8756-9421

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.4.12919

Palavras-chave:

Educação física, Indústria cultural, Esclarecimento.

Resumo

O objetivo deste estudo, de cunho qualitativo, é refletir sobre a Educação Física Escolar enquanto componente curricular constituída por conhecimentos e saberes que integram a formação humana à luz Teoria Crítica da Sociedade, com fundamentos na concepção educacional Crítico-Emancipatória, elaborada por Elenor Kunz. O percurso metodológico é uma pesquisa bibliográfica, que analisa as interferências da Indústria Cultural na conjuntura da sociedade atual e seus impactos para o campo educacional, especificamente nas aulas de Educação Física. A discussão contribui para pensar sobre a ruptura do ensino com vistas ao esclarecimento e a emancipação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia Regina Schimanski dos Santos, Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina – PR

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação.

Fernanda Neri de Oliveira, Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina – PR

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação.

Karina de Toledo Araújo, Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina – PR

Docente do curso de Licenciatura em Educação Física, Departamento Estudos do Movimento Humano.

Rovilson José da Silva, Universidade Estadual de Londrina

Docente do Departamento de Educação. Pós-doutorado em Ciência da Informação

Referências

ADORNO, T.; HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Tradução Guido Antonio de Almeida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1985.

ALTHUSSER, L. Aparelhos Ideológicos de Estado. 3. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1987.

ARAÚJO, K. de T. Transformações Sociais, Desenvolvimento Tecnológico e a Educação na Contemporaneidade. In: EDUCERE – XI Congresso Nacional de Educação. 2013, Curitiba, Anais... Curitiba: EDUCERE, p. 5164-5184, 2013.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. LDB - Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.

BERTE, O. S.; MARTINS, R. Corpo e Educação: desconstruindo imagens para reconstruir pedagogias. Revista Educação e Cultura Contemporânea, v. 13, n. 32, 2016.

BUENO, S. F. Semicultura e educação: uma análise crítica da revista Nova Escola. Revista Brasileira de Educação, v. 12, n. 35, p. 300-307, 2007.

COSTA, J. H. A atualidade da discussão sobre a Indústria Cultural em Theodor W. Adorno. Trans/Form/Ação: Revista de Filosofia, Marília, v. 36, n. 2, p. 135-154, maio/ago., 2013.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 2004.

GHIRALDELLI JR., P. O corpo: filosofia e educação. São Paulo: Ática, 2007.

KANT, I. O que é o Esclarecimento? In: Imannuel Kant Textos Seletos. Tradução de Floriano de Souza Fernandes. 2. Ed. Petrópolis: Vozes, p. 100-117, 1985.

KUNZ, E. O esporte enquanto fator determinante da Educação Física. Contexto & Educação, v. 15, p. 63- 73, 1989.

KUNZ, E. Transformação didático-pedagógica do esporte. Ijuí: Unijuí, 1994.

MAAR, W. L. Adorno, semiformação e educação. Educação e Sociedade. Campinas, v. 24, n. 83, p. 459-476, ago., 2003

MARQUES, R. F. R.; GUTIERREZ, G. L.; ALMEIDA, M. A. B. de. O esporte contemporâneo e o modelo de concepção das formas de manifestação do esporte. CONEXÕES Revista da Faculdade de Educação Física da UNICAMP, Campinas, v. 6, n. 2, 2008 – ISSN 1983-9030.

MOSTARO, F. F. R. Jogos Olímpicos de Berlim 1936: o uso do esporte para fins nada esportivos. Comunicação e Entretenimento: Práticas Sociais, Indústrias e Linguagens. v. 19, n. 1, p. 95-108, 1. Semestre, 2012

PUCCI, B. Teoria crítica e educação: contribuições da teoria crítica para a formação do professor. Espaço Pedagógico, v. 8, p. 13-30, 2001a.

PUCCI, B. Um encontro de Adorno e Nietzsche na mínima moralia. Editora UNIMEP, artigo, v. 10, 2001b.

PUCCI, B. Tecnologia, crise do indivíduo e formação. Comunicações (Piracicaba), Piracicaba-SP, v. 2, p. 70-80, 2005.

SOARES, C. L. et al. Metodologia do ensino de Educação Física. São Paulo: Cortez, 1992.

TONET, I. Educar para a cidadania ou para a liberdade? Perspectiva, v. 23, n. 2, 469-484. Jul./dez., 2005.

ZUIN, A. Á. S. Sobre a atualidade do conceito de indústria cultural. Cadernos Cedes, v. 21, n. 54, p. 9-18, 2001.

Publicado

01/09/2019

Como Citar

SANTOS, F. R. S. dos; OLIVEIRA, F. N. de; ARAÚJO, K. de T.; SILVA, R. J. da. Indústria cultural e a dialética do esclarecimento: implicações para o trabalho docente na educação física escolar. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. esp.4, p. 1929–1943, 2019. DOI: 10.21723/riaee.v14iesp.4.12919. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12919. Acesso em: 18 abr. 2021.