Percepções sobre o papel do professor de filosofia no processo da experiência filosófica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v18i00.16948

Palavras-chave:

Papel do professor de filosofia, Filosofia, Criação de conceitos, Experiência filosófica

Resumo

Este artigo discute as percepções sobre o papel do professor de filosofia. Partiu-se da hipótese da relevância de um ensino de filosofia como experiência que possibilite aos estudantes relacionar os conceitos da filosofia ao seu cotidiano. A pesquisa foi de natureza qualitativa e os dados foram coletados em questionário realizado com 208 professores de filosofia do estado do Paraná. Para organização e análise dos dados, foram utilizados o software Atlas Ti e a análise de conteúdo de Bardin (2016). Contou-se com o referencial teórico de Deleuze e Guattari (2010), além de Mendes (2017) e Obiols (2002). Quatro categorias foram identificadas: criar conceitos; estimular o senso crítico; problematizar a existência; e propiciar uma experiência filosófica. No que concerne ao papel do professor de filosofia, os resultados indicam um ensino que supere a transmissão enciclopédica e caminhe no sentido de uma experiência filosófica, de filosofar a partir do cotidiano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Antonio Gabriel, Universidade Estadual do Norte do Paraná

Professor do Centro de Letras, Comunicação e Artes (UENP) e Professor de Filosofia na Rede Estadual do Paraná (SEED/PR).

Ana Lúcia Pereira, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Professora Adjunta no Departamento de Matemática e Estatística e nos Programas de Pós-Graduação em Educação e em Ensino de Ciências e Educação Matemática na UEPG.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução: Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2016.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

CERLETTI, A. O ensino de filosofia como problema filosófico. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O que é a filosofia? Tradução: Bento Prado Jr. e Alberto Alonso Muñoz. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora 34, 2010.

DIAS-SANTOS, A. R. As intermitências da filosofia no ensino básico: um quadro histórico-crítico. Semiário de Visu, Petrolina, v. 8, n. 2, p. 23-32, 2020.

GABRIEL, Fábio Antônio. O ensino de filosofia enquanto experiência filosófica. São Paulo: Pimental Cultural, 2022.

HELLER, A. A filosofia radical. Brasília: Brasiliense, 1983.

HORN, G. B. Ensinar filosofia: pressupostos teóricos e metodológicos. Ijuí, RS: Editora Unijuí, 2009.

MACHADO, R. Deleuze e a filosofia. Rio de Janeiro: Graal, 1990.

MENDES, A. A. P. Didática e metodologia do ensino de filosofia no ensino médio. Curitiba: Intersaberes, 2017.

MOSTAFA, S.; CRUZ, D. V. da N. Para ler a filosofia de Gilles Deleuze e Félix Guattari. Campinas, SP: Alinea, 2009.

OBIOLS, G. Uma introdução ao ensino de Filosofia. Ijuí, RS: Editora da Unijuí, 2002.

Publicado

31/05/2023

Como Citar

GABRIEL, F. A.; PEREIRA, A. L. Percepções sobre o papel do professor de filosofia no processo da experiência filosófica. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 18, n. 00, p. e023037, 2023. DOI: 10.21723/riaee.v18i00.16948. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/16948. Acesso em: 13 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos teóricos