As estratégias do Brasil e de Portugal para lidar com a pandemia no contexto educacional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v18i00.17264

Palavras-chave:

Pandemia, Educação comparada, Educação a distância, Políticas educacionais

Resumo

O presente artigo se propõe a analisar como Brasil e Portugal, países que guardam relações históricas, se posicionaram no enfrentamento da pandemia do coronavírus no contexto educacional. Comparando as estratégias adotadas pelos dois países, se busca responder ao seguinte questionamento: as estratégias adotadas pelos gestores da educação brasileira foram eficientes para enfrentar o momento de crise? Era possível ter seguido outro caminho? Para efetuar tal análise, adotou-se um levantamento bibliográfico, com o detalhamento das ações implementadas pelos dois países para enfrentar o maior desafio educacional do século XXI. Os resultados da análise demonstram que o Brasil, de maneira equivocada, apostou apenas no Ensino Remoto Emergencial, sendo que não havia infraestrutura adequada para fazê-lo, o que prejudicou milhões de estudantes no país. Portugal mesclou formatos e conseguiu melhores resultados, o que acarretou consequências bem visíveis, como um menor tempo de fechamento dos estabelecimentos de ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Celina Maria Linhares Paiva, Universidade Federal do Ceará

Doutoranda em Educação Brasileira.

Gisafran Nazareno Mota Jucá, Universidade Federal do Ceará

Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira. Pós-doutorado em História Urbana pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Referências

ANJOS, K. S. FREITAS, L. G. As implicações da pandemia do coronavírus na gestão educacional de Altamira. In: ALMEIDA, F. A. (org.). Políticas Públicas, Educação e Diversidade: Uma compreensão científica do real. Guarujá, SP: Editora Científica Digital, 2021.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J-C. A reprodução: Elementos para uma teoria do sistema de ensino, 3. ed. Rio de Janeiro: F. Alves, 1992.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Portaria MEC n. 343, de 17 de março de 2020. Dispõe sobre a substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais enquanto durar a situação de pandemia do Novo Coronavírus - COVID-19. Brasília, DF: Ministro de Estado da Educação, 2020. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/portaria/prt/portaria%20n%C2%BA%20343-20-mec.htm. Acesso em: 12 ago. 2022.

CABRITO, B. Covid-19, Educação (Básica) e equidade em Portugal. RTPS - Revista Trabalho, Política e Sociedade, v. 6, n. 10, p. 125-138, jun. 2021.

DE OLIVEIRA, R. M.; CORRÊA, Y.; MORÉS, A. Ensino remoto emergencial em tempos de covid-19: Formação docente e tecnologias digitais. Revista Internacional de Formação de professores, v. 5, p. e020028, 2020. Disponível em: https://periodicoscientificos.itp.ifsp.edu.br/index.php/rifp/article/download/179/110. Acesso em: 12 ago. 2022.

HAUPT, H-G. O lento surgimento de uma História Comparada. In: BOUTIER, J.; DOMINIQUE, J. (org.). Passados recompostos: Campos e canteiros da História. Rio de Janeiro: Editora UFRJ/Editora FGV, 1998.

INEXISTÊNCIA de políticas educacionais deixa milhares de crianças sem aula no Brasil. Jornal da USP, São Paulo, 01 set. 2020. Disponível em: https://jornal.usp.br/ciencias/inexistencia-de-politicas-educacionais-deixa-milhares-de-estudantes-sem-aula-no-brasil/.

LIMA, É. C. A AIDS vira notícia: Os discursos sobre a “doença nova” nos periódicos cearenses na década de 1980. 1. ed. Fortaleza: Editora da UECE, 2021.

LIMA JUNIOR, P. V. M. Educação em tempos de peste: Uma análise sobre a representação da educação nos média na primeira vaga da pandemia. 2020. Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação) – Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade do Porto, Porto, 2020. Disponível em: https://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/131118. Acesso em: 06 fev. 2021.

MARQUES, E. Entre Brasil e Portugal: pensando educação em tempos de pandemia. Revista Espaço Acadêmico, v. 21, p. 113-124, jun. 2021. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/59392. Acesso em: 10 ago. 2022.

NOVA, C.; ALVES, L. Educação à Distância: Limites e possibilidades. In: NOVA, C.; ALVES, L. Educação à distância: Uma nova concepção de aprendizado e interatividade. São Paulo: Futura, 2003.

REDE BRASILEIRA DE MULHERES CIENTISTAS. A educação na pandemia e a omissão do governo federal. Disponível em: https://mulherescientistas.org/wp-content/uploads/2021/05/NT5-EducacaonapandemiaVF.pdf. Acesso em: 07 out. 2022.

ROCHA, B. B.; QUINTÃO, G. F. A educação em tempos de pandemia: Transformações no ensino devido ao novo coronavírus. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIAS; ENCONTRO DE PESQUISADORES EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA, 2020, São Carlos. Anais [...]. São Carlos, SP: UFSCAR, 2020. Disponível em: https://cietenped.ufscar.br/submissao/index.php/2020/article/view/1122. Acesso em: 05 out. 2022.

RODRIGUES, J.; ANDRÉ, M.; MIRANDA, R.; MUCHARREIRA, P. Os desafios da pandemia COVID-19 para a docência no ensino básico em Portugal. Humanidades & Inovação, v. 8, n. 61, p. 241-253, 2021. Disponível em: https://repositorio.ul.pt/handle/10451/52619. Acesso em: 06 fev. 2019.

SANTOS, B. S. A cruel pedagogia do vírus. São Paulo: Editora Boitempo, 2020.

SAVIANI, D. Escola e Democracia. 42. ed. Campinas, SP: Autores Associados Editora, 2012.

VYGOTSKI, L. S. A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

WENCZENOVICZ, T. J. Ensino a distância, dificuldades presenciais: Perspectivas em tempos de COVID-19. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 15, n. 4, p. 1750-1768, 2020. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/13761. Acesso em: 12 set. 2022.

Publicado

04/05/2023

Como Citar

PAIVA, C. M. L.; JUCÁ, G. N. M. As estratégias do Brasil e de Portugal para lidar com a pandemia no contexto educacional. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 18, n. 00, p. e023026, 2023. DOI: 10.21723/riaee.v18i00.17264. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/17264. Acesso em: 22 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos teóricos