Tendências do acesso à educação integral no Brasil: percursos dissonantes na educação básica

Sabrina Moehlecke

Resumo


Nos últimos anos, as experiências de educação integral têm ganhado abrangência nacional, inserindo-se na agenda das políticas educacionais, especialmente com o novo Plano Nacional da Educação de 2014. À primeira vista, tais orientações parecem indicar uma ampliação do direito à educação, na medida em que se estende a jornada escolar, inclusive para o ensino médio. Contudo, é necessário analisar esse processo mais detidamente. Desse modo, o presente trabalho tem como objetivo identificar a evolução do acesso ao tempo integral nas três etapas da educação básica, de modo a observar as tendências de expansão ou não das oportunidades educacionais. A metodologia utilizada foi a revisão bibliográfica e a análise estatística descritiva, a partir dos censos escolares, no período de 2010 a 2017. Como resultado, observou-se uma ampliação em todas as etapas, mas com trajetórias bem distintas, particularmente no ensino médio.

Palavras-chave


Educação integral; Tempo integral; Educação básica; Oportunidades educacionais; Direito à educação.

Texto completo:

PDF XML

Referências


BRASIL. Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília/DF, Diário Oficial. 1996.

BRASIL. Lei nº 10.172 de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação (2001-2010). Brasília/DF, Diário Oficial. 2001.

BRASIL. Lei nº 11.494 de 2007. Regulamenta o FUNDEB. Brasília/DF, Diário Oficial. 2007.

BRASIL. Lei nº 13.005 de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação (2014-2024). Brasília/DF, Diário Oficial. 2014.

BRASIL. Lei nº Lei no. 13.415 de 2017. Aprova a Reforma do Ensino Médio. Brasília/DF, Diário Oficial. 2017.

CAVALIERE, A. M. V. Escola de tempo integral versus aluno de tempo integral. Em Aberto, Brasília, vol.22, n.80, p.51-63, abr.2009.

CAVALIERE, A. M. V. Anísio Teixeira e a educação integral. Ribeirão Preto, Paidéia. v. 20, n. 46, p.249-259, maio-ago. 2010.

CAVALIERE, A. M. V. Escola pública de tempo integral no Brasil: filantropia ou política de Estado? Educação & Sociedade, Campinas, v. 35, nº. 129, p. 1205-1222, out.-dez. 2014.

COELHO, L. M. C. (Org.). Educação integral: história, políticas e práticas, Rio de Janeiro: Rovelle, Faperj, 2013.

COELHO, L. M. C. História(s) da educação integral. Em Aberto, Brasília, v. 22, n. 80, p.83-96, abr. 2009.

LECLERC, G. F. E.; MOLL, J. Programa Mais Educação: avanços e desafios para uma estratégia indutora da Educação Integral em tempo integral. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 45, p. 91-110, jul-set. 2012.

SCHIMONEK, Elisangela Maria P. Programas governamentais para a educação em tempo integral no Brasil e Portugal: implicações sobre as desigualdades educacionais. 2017. 443p. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas - Unicamp, Campinas/SP. 2017.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v22iesp3.12013



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.