Interpretação teórico-política da gestão democrática universitária no contexto das políticas neoliberais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v25iesp.4.15933

Palavras-chave:

Gestão democrática, Autonomia universitária, Neoliberalismo

Resumo

O artigo analisa a gestão democrática universitária a partir de uma reflexão teórico-política das contradições do Estado capitalista como instância de dominação e poder burguês no contexto das políticas neoliberais. O referencial teórico é a concepção de Florestan Fernandes de democracia e autocracia-burguesa em países de capitalismo dependente e subdesenvolvido. Os procedimentos são um estudo teórico que faz referências aos conceitos de democracia, gestão da educação, autonomia universitária e as políticas neoliberais. A limitação do princípio constitucional de autonomia universitária produziu uma restrição da gestão democrática pelo modelo de gestão gerencial e pelo projeto neoliberal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tânia Barbosa Martins, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos – SP

Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da UFSCar.

Vagno Emygdio Machado Dias, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais (IFSULDEMINAS), Poços de Caldas – MG

Professor no Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT).

Sueli Soares dos Santos Batista, Centro Paula Souza (CEETEPS), São Paulo – SP

Professora no Mestrado Profissional do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETEPS).

Referências

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2005.

ARAÚJO, S.; CASTRO, A. M. D. Gestão educativa gerencial: superação do modelo burocrático? Ensaios: aval. Pol.públ. Edu., Rio de Janeiro, v. 19, n. 70, p. 81-106, jan./mar. 2011.

BAIMA, E. Future-se: destruição do ensino superior. O Trabalho, 2019. Disponível em: https://otrabalho.org.br/future-se-destruicao-do-ensino-superior/. Acesso em: 10 out. 2020.

BIANCHETTI, L.; SGUISSARDI, V. Da universidade à commoditycidade: ou de como e quando, se a educação/formação é sacrificada no altar do mercado, o futuro da universidade se situaria em algum lugar do passado. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2017.

BRESSER-PEREIRA, L. C. B. A Reforma do estado dos anos 90: lógica e mecanismos de controle / Luiz Carlos Bresser Pereira. Brasília, DF: Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado, 1997. 58 p. (Cadernos MARE da reforma do estado; v. 1)

CURY, C. R. J. Os sentidos da Constituição. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, v. 29, p. 195-206, 2013.

DAGNINO, E. (org.). Sociedade civil e espaços públicos no Brasil. São Paulo: Paz e Terra/Unicamp, 2002. 364 p.

DARDOT, P.; LAVAL, C. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Editora Boitempo, 2016. 402 p.

FÁVERO, M. L. A. Autonomia universitária: necessidade e desafios. Cadernos CEDES, n. 22, 1988, p. 7-16.

FERNANDES, F. A revolução burguesa no Brasil: ensaios de interpretação sociológica. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

PAULANI, L. Brasil Delivery: servidão financeira e estado de emergência econômica. São Paulo: Boitempo, 2008.

SGUISSARDI, V. A universidade neoprofissional, heterônoma e competitiva. In: MANCEBO, D.; FÁVERO, M. L. A. Universidade. Políticas, avaliação e trabalho docente. São Paulo: Cortez, 2004.

SGUISSARDI, V. Estudo Diagnóstico da Política de Expansão da (e acesso à) educação superior no Brasil - 2002-2012. 2014.

Publicado

08/12/2021

Como Citar

MARTINS, T. B.; DIAS, V. E. M.; BATISTA, S. S. dos S. Interpretação teórico-política da gestão democrática universitária no contexto das políticas neoliberais. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 25, n. esp.4, p. 1942–1961, 2021. DOI: 10.22633/rpge.v25iesp.4.15933. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/15933. Acesso em: 28 maio. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)