O lugar do brinquedo e do brincar na educação básica: uma proposta de pé no chão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v15i3.12425

Palavras-chave:

Brinquedo, Brincadeira, Cultura lúdica.

Resumo

Este texto apresenta uma oficina com brinquedos, jogos e brincadeiras, endereçadas a professores no cotidiano da Educação Básica. Serviu de instrumento uma aplicação de atividades com professores do ensino fundamental, em estágios de formação, numa escola da periferia de Londrina/PR. Os dados foram coletados quando, envolvendo alunos e seus professores, puderam constatar aquilo que seria de proveito no trato de brinquedos, brincadeiras e jogos com esses participantes. Huizinga, Caillois, Château, Bateson, Sutton-Smith e Brougère serviram de arrimo teórico para lidar com essas informações. Consideramos apropriado relevar pela pena da ciência do jogo e suas disposições didáticas aquilo que pode promover um ambiente lúdico. Com o trabalho feito conseguimos obter algum resultado positivo na educação de crianças, com o uso de brinquedos e brincadeiras, no curso das demandas de aprendizagem. Foi muito rico para pesquisadores e professores saber como lidar com esses conceitos na faina do trabalho cotidiano e como aproveitar esses conhecimentos adquiridos nos cursos de formações específicas e estudos para, na intervenção, auferir algum resultado prático, usando jogos e brincadeiras no solo da formação de crianças e jovens. Lato sensu, os resultados revelaram que os discursos e as práticas são favoráveis à entrada de brinquedos, jogos e brincadeiras no espaço escolar quando são importantes no desenvolvimento natural das crianças. Stricto sensu foi possível analisar as narrativas pelas percepções e noções que adquirem com o uso desses jogos e quando suas intervenções pedagógicas estimulam os espaços de escolarização.

Biografia do Autor

Cleomar Ferreira Gomes, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Cuiabá - MT

Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo, USP, São Paulo, Brasil (2001). Pós-doutoramento em Socioantropologia da Educação pela Universidade Federal Fluminense (2010). Atualmente é Professor Titular da Universidade Federal de Mato Grosso. Tem experiência na área de Educação Física Escolar, com ênfase na Educação Básica, atuando principalmente nos seguintes temas: educação escolar infantil, pesquisa em educação, formação de professores da Educação Básica, estudos da corporeidade, com destaque na etologia humana, movimento, violência e em especial aos aspectos da ludicidade como as brincadeiras infantis, a construção de brinquedos didáticos, a alegria, o lazer e o ócio.

Referências

BARTHÉLÉMY-RUIZ, Chantal. J Comme jura. In: Le jouet: valeurs et paradoxes d’un petit objet secret. Paris: Éditions Autrement, 1992.

BATESON, Gregory. Une théorie du jeu et du fantasme. In: Vers une écologie de l’esprit. Paris: Le Seuil, 1977.

BENJAMIN, Walter. Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação. São Paulo: Summus, 1984.

BROUGÈRE, Gilles; DAUPHRAGNE, Antoine. Les biens de l’enfant. Paris: Nouveau Monde éditions, 2017.

BROUGÈRE, Gilles. A criança e a cultura lúdica. In: O brincar e suas teorias. São Paulo: Pioneira, 1998.

CAILLOIS, Roger. Os jogos e os homens: a máscara e a vertigem. Petrópolis: Vozes, 2017.

CHÂTEAU, Jean. O jogo e a criança. São Paulo: Summus, 1987.

GOMES, Cleomar F. As brincadeiras e os jogos nos anos iniciais do Ensino Fundamental. In: MOREIRA, Evando C. A educação Física na rede municipal de Cuiabá: uma proposta de construção coletiva. 2. ed. Cuiabá: Edufmt, 2016.

GOMES, Cleomar F. Meninos e brincadeiras de interlagos: um estudo etnográfico da ludicidade. 2001. 361 f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade Educação de São Paulo, FEUSP/USP, São Paulo, 2001.

GROOS, Karl. The play of animals. New York: D. Appleton and Company, 1898.

HUIZINGA. Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva 1990.

KISHIMOTO, Tizuko M. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortez, 1997.

KISHIMOTO, Tizuko M. O jogo e a educação infantil. São Paulo: Pioneira, 1994.

LORENZ, Konrad. A demolição do homem: crítica à falsa religião do progresso. São Paulo: Brasiliense, 1986.

LOWEN, Alexander. Prazer: uma abordagem criativa da vida. São Paulo: Summus, 1984.

MANSON, Michel. História do brinquedo e dos jogos: brincar através dos tempos. Lisboa: Editoria Teorema, 2002.

PIAGET, Jean. A formação do símbolo na criança: imitação, jogo e sonho, imagem e representação. Rio de Janeiro: Guanabara, 1978.

ROSAMILHA, Nélson. Psicologia do jogo e aprendizagem infantil. São Paulo: Pioneira, 1979.

SANTIN, Silvino. Educação física: da alegria do lúdico à opressão do rendimento. Porto Alegre: Edições EST. 1994.

SUTTON-SMITH, Brian. A ambiguidade da brincadeira. Petrópolis: Vozes, 2017.

Publicado

20/02/2020

Como Citar

GOMES, C. F. O lugar do brinquedo e do brincar na educação básica: uma proposta de pé no chão. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 15, n. 3, p. 1236–1249, 2020. DOI: 10.21723/riaee.v15i3.12425. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12425. Acesso em: 25 fev. 2021.

Edição

Seção

Artigos