A expansão do ensino secundário no Brasil pós-1930

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16iesp.3.15292

Palavras-chave:

História da educação, Expansão do ensino secundário, Instituições educacionais

Resumo

Recompomos neste artigo perspectivas históricas voltadas para a expansão do ensino secundário no Brasil pós 1930. Nunes (1999) informa que essa expansão se ampliou após o colapso econômico das instituições, motivado pela quebra da bolsa de valores de Nova York, catástrofe de repercussão mundial que, dentre outras consequências, tornou visível a necessidade de reestruturação da educação secundária até então oferecida, já que não comportava mais um ensino formalista, voltado para formação de uma elite que vislumbrava o ensino superior. A base teórica e metodológica aborda os trabalhos de Silva (1969), Abreu (1955), Palma Filho (2005) e Nunes (1999). Teremos olhar atento para o ensino secundário desenvolvido no Rio de Janeiro, onde detectamos que essa oferta não se limitou a estabelecimentos públicos de ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jussara Cassiano Nascimento , Colégio Brigadeiro Newton Braga (CBNB)

Assessora Pedagógica da Diretoria e Professora do Ensino Básico Técnico e Tecnológico do Departamento de Educação – Força Aérea Brasileira (FAB). Pós-Doutorado em Educação (UERJ).

Lia Ciomar Macedo de Faria, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Professora Titular do Departamento de Educação. Doutorado em Educação (UFRJ).

Referências

ABREU, J. O sistema educacional fluminense: uma tentativa de interpretação e crítica. Rio de Janeiro, RJ: MEC/INEP/CILEME, 1955. n. 6.

BEISIEGEL, C. R. Ação política e expansão da rede escolar: os interesses do deputado estadual e a democratização do ensino secundário no Estado de São Paulo. In: A qualidade do ensino na escola pública. Brasília, DF: Liber Livro, 1964. p. 15-95.

BEISIEGEL, C. R. Ensino público e educação popular. In: PAIVA, V. (Org.). Perspectivas e dilemas da educação popular. Rio de Janeiro, RJ: Ed. Graal, 1986. p. 63-83.

BEZERRA, M. C. C. O ensino secundário no antigo estado do Rio de Janeiro: a inibição dos ginásios públicos e a expansão dos ginásios da CNEG. 1995. Dissertação. (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, 1995.

BRANDÃO, A. A. P. Executivo estadual e políticas públicas no antigo Estado do Rio de Janeiro (1950-1954): um estudo do segundo governo Amaral Peixoto. 1992. Dissertação. (Mestrado em Sociologia e Antropologia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, 1992.

BRASIL. Constituição (1934). Título V. Capítulo II. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constitui%C3%A7ao34.htm. Acesso em: 10 janeiro 2020.

BRASIL. Constituição (1937). Sessão “Da Educação e da Cultura”, art.129. Constituição dos Estados Unidos do Brasil. Rio de Janeiro, RJ, 1937. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constitui%C3%A7ao37.htm. Acesso em: 10 janeiro 2020.

BRASIL. Decreto-lei n. 19.402 de 14 de novembro de 1930. Cria uma Secretária de Estado com a denominação de Ministério dos Negócios da Educação e Saúde Pública. Rio de Janeiro, RJ, 18 nov. 1930. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-19402-14-novembro-1930-515729-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 06 mar. 2020.

BRASIL. Decreto-Lei n. 6.141 de 28 de dezembro de 1943. Definiu o ensino comercial em todo país e foi denominada Lei Orgânica do Ensino Comercial. Rio de Janeiro, RJ, 31 dez. 1943. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-6141-28-dezembro-1943-416183-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 10 mar. 2020.

BRASIL. Lei n. 4.024 de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF, 27 dez. 1961. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-4024-20-dezembro-1961-353722-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 10 mar. 2020.

CARR, E. H. Que é história? 3. ed. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 1982.

CASTRO, C. A. (Org.). Ensino secundário no Brasil: perspectivas históricas. São Luís do Maranhão: EDUFMA, 2019.

CUNHA, L. A. A política educacional e a formação da força de trabalho industrial na era Vargas. In: A Revolução de 30. Rio de Janeiro, RJ: Editora Universidade de Brasília, 1983 (Coleção Temas Brasileiros, 54)

CUNHA, L. A. Educação, estado e democracia no Brasil. São Paulo, SP: Cortez; Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense; Brasília: FLACSO do Brasil, 1991.

FIALHO, L. M. F.; FREIRE, V. C. C. Educação formativa de uma líder política cearense: Maria Luiza Fontenele (1950-1965). Cadernos de História da Educação, Uberlândia (MG), v. 17, p. 343, 2018. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/che/article/view/43290. Acesso em: 10 mar. 2020.

FIALHO, L. M. F.; SÁ, E. C. V. Educadora Henriqueta Galeno: a biografia de uma literata e feminista (1887- 1964). História da Educação, v. 22, p. 169-188, 2018. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/asphe/article/view/75182. Acesso em: 10 mar. 2020.

FIALHO, L. M. F.; SOUSA, F. G. A. de. Irmã Elisabeth Silveira e a educação feminina no Colégio da Imaculada Conceição, Fortaleza-CE. Revista Diálogo Educacional, Curitiba (PR), v. 21, n. 68, 2021. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/view/27388. Acesso em: 10 mar. 2020.

FRANCO, M. A. C. O trabalho como princípio educativo: uma investigação teórico-metodológica (1930 – 1960). 1990. Tese. (Doutorado em Educação) – Departamento de Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, 1990.

HOLANDA, I. C. Campanha Nacional de Escolas da Comunidade. 1997. Dissertação (Mestrado em Educação) – Escola de Ciências Sociais, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, RJ, 1997.

LOPES, A. P. C. Legislação e processos educativos: A constituição da escola primária no Piauí (1845 a 1889). Educação & Formação, Fortaleza (CE), v. 4, n. 1, p. 50-65, 2019. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/866. Acesso em: 10 mar. 2020.

MORAES, M. C. M. Reformas de ensino, modernização administrada: a experiência de Francisco Campos – anos vinte e trinta. Centro de Ciências da Educação. Florianópolis, SC: Núcleo de Publicações, UFSC, 2000.

NASCIMENTO, G.; MACHADO, C. J.; ALMEIDA, A. Escritos e representações de Jandira Pinto: a reformuladora de Pindobal na Paraíba do século XX. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades - Rev. Pemo, Fortaleza (CE), v. 3, n. 1, e313816, 2020. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revpemo/article/view/3816. Acesso em: 10 mar. 2020.

NASCIMENTO, J. C. O contexto de expansão do ensino secundário e a história do Ginásio Brigadeiro Newton Braga. In: JORNADA DO HISTEDBR, 9., 2013, Cascavel. Anais [...]. Cascavel, PR: Universidade Estadual do oeste do Paraná. 2013.

NUNES, C. Escola & dependência: o ensino secundário e a manutenção da ordem. Rio de Janeiro, RJ: Achiamé, 1980.

NUNES, C. O velho e o bom ensino secundário: momentos decisivos. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 14, p. 35-60, maio/jun./ago. 2000.

NUNES, M. T. Ensino Secundário e Sociedade Brasileira. 2. ed. São Cristóvão, SE: Editora da UFS, 1999.

PALMA FILHO, J. C. (Org.) A Educação Brasileira no período de 1930 a 1960: a Era Vargas. Pedagogia Cidadã. Cadernos de Formação. História da Educação. 3. ed. São Paulo, SP: PROGRAD/UNESP, Santa Clara Editora, 2005. p. 61-74.

SAVIANI, D. Aberturas para a História da Educação: do debate teórico-metodológico no campo da história ao debate sobre a construção do sistema nacional de educação no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

SILVA, G. B. A educação secundária: perspectiva histórica e teoria. São Paulo, SP: Companhia Editora Nacional, Atualidades pedagógicas, 1969. v. 94.

SPOSITO, M. P. O povo vai à escola: a luta popular pela expansão do ensino público em São Paulo. São Paulo, SP: Loyola, 1984. (Coleção Educação Popular, n. 2)

Publicado

01/06/2021

Como Citar

NASCIMENTO , J. C. .; FARIA, L. C. M. de . A expansão do ensino secundário no Brasil pós-1930. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. esp.3, p. 1455–1472, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16iesp.3.15292. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/15292. Acesso em: 17 set. 2021.