A política curricular da BNCC e seus impactos para a formação humana na perspectiva da pedagogia das competências

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v17iesp.1.16326

Palavras-chave:

Política educacional, BNCC, Formação humana, Pedagogia das competências

Resumo

Este artigo pretende discutir e analisar a caracterização possível do ideário de formação humana (sociabilidade) via educação escolar no contexto reformista curricular induzido pelo Estado neoliberal brasileiro, especialmente por meio da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), na perspectiva da chamada pedagogia das competências. Para tanto, o trabalho se fundamenta, analítica e criticamente, no materialismo histórico dialético como instrumento lógico de interpretação da realidade educacional brasileira para além do que é dito e difundindo para a educação escolar a partir da política da BNCC. Neste cenário, o projeto de educação e de formação humana tem sido definido pelo aparelhamento privado-empresarial do Estado e efetivado por meio das reformas curriculares em curso no país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Fioravante Giareta, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, (UFMS), Três Lagoas – MS – Brasil

Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação. Pós-Doutorado em Educação (UEPG).

Cezar Bueno de Lima, Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), Curitiba – PR – Brasil

Professor do Curso de Graduação em Ciências Sociais, do Programa de Mestrado em Direitos Humanos e Políticas Públicas (PPGDH/PUCPR) e Professor Visitante do Programa de Doutorado em Humanidades da Universidade Católica de Moçambique. Doutorado em Ciências Sociais (PUC-SP). Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 2.

Tarcísio Luiz Pereira, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, (UFMS), Três Lagoas – MS – Brasil

Professor Adjunto no Curso de Pedagogia e no Programa de Pós-Graduação em Educação (Mestrado). Doutorado em Educação (UFMS/FAED).

Referências

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: ensaios sobre a afirmação e a negação do trabalho. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2009.

ARAÚJO, D. S.; ALMEIDA, M. Z. C. M. Políticas Educacionais: refletindo sobre seus significados. Educativa, Goiânia, v. 13, n. 1, p. 97-112, jan./jun. 2010.

BENITE, A. M. C. Considerações sobre o Enfoque Epistemológico do Materialismo Histórico-Dialético na Pesquisa Educacional. Revista Iberoamericana de Educación, n. 50, p. 1-15, set. 2019.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, n. 248, p. 27833-27841, 23 dez. 1996.

BRASIL. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, n. 120-A, edição extra, p. 1-7, 26 jun. 2014.

BRASIL. Resolução n. 2, de 22 de dezembro de 2017. Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica. Brasília: Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação, Conselho Pleno, [2017]. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/historico/RESOLUCAOCNE_CP222DEDEZ EMBRODE2017.pdf. Acesso em: 10 ago. 2021.

BRASIL. Resolução n. 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Brasília: Conselho Nacional de Educação; Conselho Pleno, [2019]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019-pdf/135951-rcp002-19/file. Acesso em: 10 ago. 2021.

CARVALHO, R. S.; SILVA, R. R. D. Currículos Socioemocionais, Habilidades do Século XXI e o Investimento Econômico na Educação: as novas políticas curriculares em exame. Educar em Revista, n. 63, p. 73-190, jan. /mar. 2017.

CIAVATTA, M.; RAMOS, M. A “era das diretrizes”: a disputa pelo projeto de educação dos mais pobres. Revista Brasileira de Educação, v. 17, n. 49, jan./abr. 2012.

DUARTE, N. Lukács e Saviani: a ontologia do ser social e a pedagogia histórico-crítica. In.: SAVIANI, Demerval; DUARTE, Newton (org.). Pedagogia Histórico-Crítica e Luta de Classes na Educação Escolar. Campinas, SP: Autores Associados, p. 37-57, 2015.

FALLEIROS, I. Parâmetros Curriculares Nacionais para a Educação Básica e a Construção de uma Nova Cidadania. In: NEVES, L. M. W. (org.). A Nova Pedagogia da Hegemonia: estratégias do capital para educar o consenso. São Paulo: Xamã, 2005. p. 209-235.

FJELD, A; QUITANA, L. Reinstitucionalización, formas de vida y acciones igualitarias: reinvenciones de lo común hoy contra el capitalismo neoliberal”. Revista de Estudios Sociales, n. 70, 2-9, out./set. 2019. Disponível em: https://doi.org/10.7440/res70.2019.01

FRIGOTTO, G. Enfoque da Dialética Materialista Histórica na Pesquisa Educacional. In.: FAZENDA, I. (org.). Metodologia da Pesquisa Educacional. São Paulo: Cortez, 1997. p. 69-90.

GIARETA, P. F. Fundamentos político-pedagógicos da BNCC: considerações sobre o Estado educador e a produção de hegemonia. Revista de Estudios Teóricos y Epistemológicos en Política Educativa, v. 6, p. 1-17, 2021

GRAMSCI, A. Maquiavel, a Política e o Estado Moderno. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

KOSIK, K. Dialética do Concreto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. 30. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012. livro I, v. 1.

MARX, K. O Capital: crítica da economia política: Livro II: o processo de circulação do capital/Karl Marx; edição Friedrich Engels; tradução e seleção de textos extras Rubens Enderle. 1. Ed. São Paulo: Boitempo, 2014.

MÉSZÁROS, I. A teoria da alienação em Marx. São Paulo: Boitempo, 2006.

NETTO, J. P. Introdução ao estudo do método de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

PEREIRA, L. C. B. Crise Econômica e Reforma do Estado no Brasil: para uma nova interpretação da América Latina. São Paulo: Editora 34, 1996.

RAMOS, M. No. A pedagogia das competências: Autonomia ou adaptação? 2. ed. São Paulo: Cortêz, 2002.

SAVIANI, D. Marxismo, Educação e Pedagogia. In: SAVIANI, Demerval; DUARTE, Newton (org.). Pedagogia Histórico-Crítica e Luta de Classes na Educação Escolar. Campinas, SP: Autores Associados, 2015. p. 59-85.

SAVIANI, D. Educação escolar, currículo e sociedade: o problema da Base Nacional Comum Curricular. Revista de Educação Movimento, ano 3, n. 4, p. 54-84, 2016.

SILVA, M. A. Intervenção e Consentimento: a política educacional do Banco Mundial. Campinas, SP: Autores Associados: São Paulo, FAPESP, 2002.

Publicado

01/03/2022

Como Citar

GIARETA, P. F.; LIMA, C. B. de; PEREIRA, T. L. A política curricular da BNCC e seus impactos para a formação humana na perspectiva da pedagogia das competências. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. esp.1, p. 0734–0750, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v17iesp.1.16326. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/16326. Acesso em: 28 jun. 2022.