Ampliação da jornada escolar: a visão dos estudantes dos anos iniciais do ensino fundamental de duas escolas da Serra Gaúcha/RS sobre o Programa Mais Educação – PME

Vagner Peruzzo, Diogo Onofre Gomes Souza

Resumo


O presente artigo se insere no campo da avaliação de políticas públicas e de forma específica avalia a uma das maiores políticas públicas de ampliação da jornada escolar do Brasil: o Programa Mais Educação – PME. Trata-se de uma pesquisa mista, de natureza aplicada, com o objetivo de ser exploratória, de procedimento de caso, documental e bibliográfica. Tem como objetivo resgatar os marcos que legitimam o direito à ampliação da jornada escolar e avaliar a referida política pública a partir da visão dos estudantes que frequentam o PME. Como referencial metodológico nos valemos do ciclo de políticas de Stephen Ball e Richard Bowe por mostrar-se um ciclo flexível e que favorece uma avaliação contínua e de efeito da política pública. Como critério de seleção consideramos as escolas que aderiram ao PME em 2009 e o mantém de forma ininterrupta até o ano de 2015 em uma das maiores cidades da Serra Gaúcha - Rio Grande do Sul. A amostra compõe-se de oitenta e dois estudantes do terceiro, quarto e quinto ano do Ensino Fundamental, de duas escolas, que responderam a questionários com perguntas abertas e fechadas. As respostas oriundas das questões abertas foram categorizadas por especialistas. Dentre os resultados obtidos ressalta-se que o PME está enraizado na instituição escolar, os estudantes gostam de participar do PME, a preferência dos estudantes é por atividades que envolvam o movimento corporal e os alunos não apreciam a oficina de flauta e acompanhamento pedagógico e não gostam quando o oficineiro não comparece para realizar as atividades.


Palavras-chave


Ampliação da jornada escolar. Programa Mais Educação. Estudantes.

Texto completo:

PDF

Referências


BALL, Stephen.; BOWE, Richard. Reforming Education and changing schools: case studies in policy sociology. London: Routledge, 1992.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 1988.

______. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Dispõe sobre as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

______. Lei n° 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 13 jul. 1990.

______. Fundo Nacional de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (FUNDEB): DF, MEC, 2007.

______. Programa Mais Educação (PME): DF, MEC, 2007.

______. Conferência Nacional de Educação (CONAE): DF, MEC, 2010

______. Plano Nacional de Educação (PNE): Brasilia, DF, MEC, 2014.

______. PDE – Plano de Desenvolvimento da Educação. Ministério da Educação, 15 de março de 2007.

______. Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação, instituído pelo Decreto n° 6.094.

BRIGO, Maira Simoni et al. O programa mais educação: algumas reflexões a partir das ações de uma escola pública. XV Jornada de Extenção, UNIJUI, 2014.

CASSASSUS, Juan. A escola e a desigualdade. Brasília: Plano editora, 2002.

CAVALIARI, Ana Maria Vilella. Educação Integral: uma nova identidade para a escola brasileira. Educação e Sociedade, v. 23, n. 81, p. 247-270, dez./2002.

FRANCO, Creso et al. Qualidade e equidade na educação: Reconsiderando o significado de fatores intra-excolares. Ensaio: avaliação de política pública em educação, Rio de Janeiro, v. 15, n. 55, p 277-298, abr./jun., 2007.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS EDUCACIONAIS ANISIO TEIXEIRA. Censo da Educação Básica 2016 – Resumo Técnico. Brasília: INEP, 2016.

KERSTENETZKY, Celia Lessa. Escola de Tempo Integral já: quando a quantidade é qualidade. Revista Ciência Hoje, v. 39, n. 231, 2006.

MOSNA, Rosa Maria Pinheiro. Avaliação da Política Pública: Programa Mais Educação em escolas de Ensino Fundamental da rede Estadual do Rio Grande do Sul: Impactos na qualidade e no financiamento do ensino. Tese de doutorado. Universidade Federald o Rio Grande do Sul, 2014.

MOLL, Jaqueline. Educação Integral na Perspectiva da reinvenção da escola: elementos para o debate brasileiro. TV escola. Salto para o futuro: Educação Integral. Ano XVIII, boletim 13. Ago, 2008.

RIBEIRO, Darcy. O Livro dos CIEPs. Rio de Janeiro: Bloch Editores, 1986. 152 p.

SOARES, José Francisco. O efeito da escola no desempenho cognitivo dos seus estudantes. Revista eletrônica Iberoamericaba sobre Calidad, eficácia e Cambio em Educacion, v. 2, n. 2, 2004.

SOARES, Sergei.; SÁTYRO, Natália. O impacto da infra-estrutura escolar na taxa de distorção idade-série das escolas brasileiras de ensino fundamental – 1998 a 2005. IPEA: Textos para discussão 1338, Rio de Janeiro, maio de 2008.




DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v13.n1.2018.9120



Direitos autorais 2018 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.