A visão da sociedade para os profissionais com formação ead: a quebra de um paradigma

João Luiz Coelho Ribas, Izabelle Cristina Garcia Rodrigues, Ivana de França Garcia, Vera Lucia Pereira dos Santos

Resumo


A metodologia de ensino presencial é considerada como tradicional, por isso, pessoas que desconhecem as estratégias do Ensino a Distância (EaD) podem subjugar essa modalidade e assim ter uma visão distorcida e preconceituosa dos profissionais formados nesta modalidade. Com isso, o presente estudo tem como objetivo analisar a visão da sociedade com relação ao profissional da área da saúde com formação de cursos EaD.  Além de verificar se as empresas contratam profissionais com formação (graduação e pós) EaD o estudo engloba se as pessoas têm interesse em obter certificados de cursos da modalidade EaD e a percepção que os profissionais tem de cursos EaD no desempenho de sua carreira. A metodologia utilizada foi do tipo quantitativa com caráter exploratório. Por meio desse estudo foi possível verificar que a sociedade está mais suscetível ao ensino na modalidade EAD. A maioria dos entrevistados não mostraram preconceito com profissionais formados nessa modalidade, e ainda confirmaram que que já buscaram informações sobre cursos EAD. Além disso, apontaram ter grande interesse em realizar cursos na modalidade EAD. Assim, pode-se confirmar a tendência da expansão de profissionais com formação EAD, fato que se tornará cada vez mais comum nas empresas.


Palavras-chave


Ensino a distância. Saúde. Educação. Mercado de trabalho.

Texto completo:

PDF

Referências


ABED. Associação Brasileira de Ensino a Distância. Censo EAD.BR: Relatório Analítico de Aprendizagem a Distância no Brasil. Curitiba: Intersaberes, 2015.

ALVES, V. S.; VELOSO, R. Sistemas de Educação a Distância: subsídios para a construção do modelo de gestão desta modalidade de ensino no contexto da secretaria de saúde do estado da Bahia. Rev. Baiana Saúde Pública, v. 33, n. 1, p. 86-93, 2009.

ANDERSON, M. I. P.; RODRIGUES, R. D. Formação de especialistas em Medicina de Família e Comunidade no Brasil: dilemas e perspectivas. Rev. Bras. Med. Fam. Comunidade, Florianópolis, v. 6, n. 18, p. 19-20, 2011.

ARAÚJO, E.M.; OLIVEIRA NETO, J. D.; CAZARINI, E.W.; OLIVEIRA, S.R.M. A gestão da inovação na educação a distância. Gest. Prod., São Carlos, v. 20, n. 3, p. 639-651, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 278, de 27 de fevereiro de 2014. Institui diretrizes para implementação da Política de Educação Permanente em Saúde, no âmbito do Ministério da Saúde (MS). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt0278_27_02_2014.html. Acesso em: 05 de out. 2016.

BRASIL. Ministério de Educação. O que é Educação a Distância. 2016. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/component/content/article?id=12823:o-que-e-educacao-a-distancia. Acesso em: 15 out. 2016.

CARNEIRO, A. C. G. B.; CARNEIRO, C. A. G. B.; GIARDINI, M. M. A educação a distância e o mercado de trabalho. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/ueadsl/article/viewFile/2922/2881. Acesso em: 23 set. 2016.

CORRÊA, S. C.; SANTOS, L. M. M. Preconceito e educação a distância: atitudes de estudantes universitários sobre os cursos de graduação na modalidade a distância. Educação Temática Digital, Campinas, v.11, n.1, p.273-297, 2009.

COSTA, M. A.; SANTOS, N. B.; RODRIGUEZ, J. A. F.; BARBOSA, D. S.; SILVA, T. P.; SPILKER, M. J.; COSTA, S. M. M. EAD e saúde: aproximação entre as áreas a partir da experiência de um curso na Fundação Oswaldo Cruz. Fundação Cecierj., Rio de Janeiro, n. 2, p. 47-118, 2012.

DALFOVO, M. S.; LANA, R. A.; SILVEIRA, A. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01- 13, Sem II. 2008.

GOMES, L. F. EAD no Brasil: perspectivas e desafios. Avaliação, Campinas, v.18, n. 1, p. 13-22, 2013.

LEMGRUBER, M. S. Educação a Distância: para além dos caixas eletrônicos. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/conferencia/documentos/marcio_lemgruber.pdf. Acesso em: Acesso em: 28 set. 2016.

LESSA, S. C. F. Os reflexos da legislação de educação a distância no Brasil. 2010. Disponível em: http://www.abed.org.br/revistacientifica/Revista_PDF_Doc/2010/2010_232010234551.pdf. Acesso em: 05 out. 2016.

MELO, C. S. Os desafios do ensino a distância no Brasil. 2016. Disponível em: https://www.projetoredacao.com.br/temas-de-redacao/os-desafios-do-ensino-a-distancia-no-brasil/os-desafios-do-ensino-a-distancia-no-brasil-8/49170. Acesso em: 05 out. 2016.

NETTO, C.; GIRAFFA, L. M. M. Preconceito ou despreparo? Uma investigação acerca da percepção dos docentes de Pedagogia sobre formação de professores na modalidade EAD. IX ANPED SUL. Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul. 2012.

NIETSCHE, E. A.; BACKES, V. M. S.; FERRAZ, F.; LOUREIRO, L.; SCHMIDT, S. M. S.; NOAL, H. C. Política de educação continuada institucional: um desafio em construção. Rev. Eletr. Enf., v. 11, n. 2, p. 341-8, 2009. Disponível em: https://www.fen.ufg.br/revista/v11/n2/v11n2a15.htm. Acesso em: 10 out. 2016.

OLIVEIRA, M. A. N. Educação à Distância como estratégia para a educação permanente: possibilidades e desafios. Rev. Bras. Enferm., Brasília, v. 60, n. 5, p. 585-9, 2007.

PAIM, M. C.; GUIMARÃES, J. M. M. Importância da formação de docentes em EAD no processo de educação permanente para trabalhadores do SUS na Bahia. Rev. Baiana Saúde Pública, v. 33, n. 1, p. 94-103, 2009.

PRETI, O. Educação a distância e globalização: desafios e tendências. R. Bras. Est. Pedag., Brasília, v. 79, n. 191, p.19-30, 1998.

SANTOS, M. C. O preconceito na educação a distância: a visão dos discentes de um curso de Letras EAD. VI Colóquio Internacional “Educação e Contemporaneidade”. São Cristóvão, SE, 20 a 22 de setembro de 2012.

SERAFINI, A. M. S. A autonomia do aluno no contexto da Educação a Distância. Educ. foco, Juiz de Fora, v. 17, n. 2, p. 61-82, 2012.

SILVA, R. C.; SANTOS, V. L. P.; MENDES, L. H. S.; LIMA, A. P. W.; GARCIA, I. F. Pós-graduação na área de saúde na modalidade EAD: perfil e dificuldades dos alunos. Revista Intrersaberes, v. 10, n. 20, p. 1-23, 2015.

SOUSA, P. T.; VARGAS, L. P. M.; MASSENSINI, A. R. Referenciais de qualidade em EAD: a porta para a internacionalização dos cursos em EAD no Brasil - um estudo de caso no SENAI/GOIÁS mediante o benchmarking nos cursos profissionalizantes. Disponível em: http://www.abed.org.br/hotsite/20-ciaed/pt/anais/pdf/99.pdf. Acesso em: 05 set. 2016.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n.esp3.2017.10041



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.