A fábula flusseriana e o futuro da educação

Luiz A. Calmon Nabuco Lastória

Resumo


Este artigo parte de algumas concepções sustentadas por Vilém Flusser acerca das novas formas de pensamento emergentes a partir das novas tecnologias, bem como do desafio para a educação que daí se deriva – a “leitura” de imagens através dos conceitos –, e prossegue refletindo acerca do ponto cego presente em seu pensamento: a nova forma de exploração – aesthesis – própria ao capitalismo contemporâneo.

Palavras-chave


Educação. Tecnologia. Futuro.

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTOTELES. De anima. São Paulo: editora 34, 2006.

BENJAMIN, W. A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica. In: Obras escolhidas. Tomo I. São Paulo: Brasiliense, 1993.

FLUSSER, V. Filosofia da caixa preta: ensaios para uma futura filosofia da fotografia. Rio de Janeiro: Relume Dumara, 2002.

FLUSSER, V. Língua e realidade. São Paulo: Annablume, 2005.

FLUSSER, V. O mundo codificado: por uma filosofia do design e da comunicação. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

LASTÓRIA, L. A. C. N. Tecno-imagem e sujeito. Revista Artefilosofia, n. 8. Ouro Preto: Ed. UFOP, 2010.

MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto do partido comunista. São Paulo: Edipro, 2015.

TÜRCKE, C. Sociedade excitada. Campinas: Ed. Unicamp, 2010a.

TÜRCKE, C. Filosofia do sonho. Ijuí: Ed. Unijuí, 2010b.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n.esp1.out.2017.10424



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.