A Base Nacional Comum Curricular e a formação de professores de língua inglesa: desafios e possibilidades

Caique Fernando da Silva Fistarol, Adriana Fischer, Rosana Clarice Coelho Wenderlich

Resumo


O objetivo do presente artigo é analisar a última versão da Base Nacional Comum Curricular – BNCC (BRASIL, 2017) quanto à formação de professores de língua inglesa na Educação Básica. São analisadas propostas presentes nesta versão da BNCC, à luz de enfoques teóricos como saberes docentes, teoria dialógica da linguagem, inglês como língua franca e práticas pedagógicas com tecnologias em língua inglesa. Os principais resultados apontam para práticas em língua inglesa articuladas com os diferentes usos, seja com apoio da oralidade, de leituras, de escritas, mediadas também por tecnologias, na direção da formação integral dos estudantes. Em consequência, é proposta aos professores que trabalhem essas práticas de forma articulada, para estabeler interações com outras culturas e components curriculares, com contextos de uso efetivo da língua inglesa, na formação crítica dos estudantes da Educação Básica.

Palavras-chave


Língua Inglesa; Formação de Professores; Base Nacional Comum Curricular.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. [recurso eletrônico]. Brasília: Supremo Tribunal Federal, Secretaria de Documentação, 2018. Disponível em: . Acesso em: 17 mar. 2019.

BRASIL. LEI Nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: . Acesso em: 25 jul. 2018.

BRASIL. Programa Gestão da Aprendizagem Escolar - GESTAR I (2004) e II (2006). Disponível em: . Acesso em: 07 jul. 2016.

BRASIL. Pró-Letramento: Programa de Formação Continuada de Professores dos Anos/Séries Iniciais do Ensino Fundamental: alfabetização e linguagem. – ed. rev. e ampl. incluindo SAEB/Prova Brasil matriz de referência/ Secretaria de Educação Básica – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2008.

BRASIL. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa – PNAIC. 2012. Disponível em: . Acesso em: 07 jul. 2016.

BRASIL. Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio - PNEM. 2014. Disponível em: . Acesso em: 07 abr. 2019.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação (MEC), Brasília, 2017. Disponível em Acesso em: 04 mar. 2019.

FISTAROL, C. F. da S. Letramentos acadêmicos no curso de letras: práticas em inglês na voz de licenciandas. 2018. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, 2018.

FISTAROL, C. F. S., FISCHER, A., BAILER, C. O processo de estágio na formação docente de professores de língua inglesa: um olhar de licenciandas de um curso de Letras. Revista iberoamericana de estudos em educação, v. 13, p. 623-637, 2018. Disponível em:

Acesso em: 23 fev.2019.

GONÇALVES, K. Práticas de letramentos acadêmicos com tecnologias digitais: tensões, sentidos e expectativas de professores formadores em um LIFE. Blumenau, 2018. Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, 2018.

JORGE, Miriam Lúcia. O ensino de inglês em turmas grandes. Ensino de língua estrangeira. APLIEMGE Newsletter. V. 7, n. 4. Dezembro, 2002.

KOMESU, F. C.; GALLI, F. C. S. Práticas de Leitura e escrita em contexto digital: autoria e(m) novos mídiuns. Revista da ABRALIN, v.15, n.2, p. 165-185, jul./dez. 2016. Disponível em: . Acesso em: 03 ago. 2016.

LEFFA, Vilson J. (Org.). O professor de línguas estrangeiras: construindo a profissão. 2. ed., Pelotas: EDUCAT, 2008.

LEFFA, V. J.; DUARTE, G. B.; ALDA, L. S. A sala de aula invertida: o que é e como se faz. In JORDÃO, C. M. (Org.). A linguística aplicada no Brasil: rumos e passagens. Campinas: Pontes Editores, 2016, p. 365-386.

MENDES, M.A. Letramentos acadêmicos na educação profissional e tecnológica: práticas de docentes com tecnologias digitais. 2017. Dissertação (Mestrado). Universidade Regional de Blumenau. Blumenau, SC.

MIRANDA, F. D. S. S. Letramentos (en)formados por relações dialógicas na universidade: (res)significações e refrações com tecnologias digitais. 2016. Tese (Doutorado) -. Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem. Campinas, 2016.

NÓVOA, A. (Coord.). Os professores e a sua formação. 2. ed. Lisboa: Dom Quixote, 1995.

NÓVOA, A. Professores: Imagens do futuro presente. Lisboa: Educa, 2009.

NÓVOA, A. Profissão docente: Há futuro para esse ofício? VII Congresso Internacional de Educação. Porto Alegre, 2011.

ORTEGA, Lourdes. Understanding second language acquisition. London: Hodder Arnold, 2009.

PAIVA, Vera Lúcia Menezes de Oliveira. Aquisição de segunda língua. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

SEIDLHOFER, Barbara. Closing a conceptual gap: the case for a description of English as a lingua franca. International Journal of Applied Linguistics, Oslo, v. 11, n. 2, p. 133-158, 2001.

SANTOS, E. O. DOS; OKADA, A. L. P. A construção de ambientes virtuais de aprendizagem: por autorias plurais e gratuitas no ciberespaço. ANPED, GT: Educação e Comunicação/n.16. Anais, 2003.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis. RJ: Vozes, 2002.

TARDIF, M.; LESSARD, C.; LAHAYE, L. Os professores face ao saber: Esboço de uma problemática do saber docente. Teoria & Educação nº 4, Porto Alegre, 1991.

TURNES, L. Pesquisa e pós-graduação: um estudo de caso sobre os usos das tecnologias por parte de doutorandos do PPGE/UFSC. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014. Disponível em: < https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/129196>. Acesso em: 13 jan.2019.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v23i2.12453



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.