A educação (em tempo) integral no Brasil: um olhar sobre diferentes experiências

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v24i3.13545

Palavras-chave:

Educação em tempo integral, Educação integral, Experiências de educação em tempo integral.

Resumo

Os projetos de educação em tempo integral desenvolvidos por Anísio Teixeira (1950) e Darcy Ribeiro (1980) impulsionaram diferentes experiências educacionais no Brasil. Em vista disto, apresenta-se como objetivo deste artigo analisar algumas dessas experiências à luz de artigos científicos disponibilizados na plataforma da biblioteca online SciELO, no período de 2002 a 2019. A análise revelou que as concepções de educação integral e de educação em tempo integral permeiam as discussões e provocam dúvidas quanto à função social da educação em tempo integral. Além disso, a falta de infraestrutura das escolas de tempo integral é frequentemente apontada como fator impeditivo à realização de atividades primordiais desta forma de organização do ensino. Considera-se que são necessários maiores aportes de investimentos para que a jornada escolar ampliada cumpra seu papel transformador na educação brasileira, ou seja, a formação integral do estudante.

Biografia do Autor

Mariana Lubarino Vilas Boas, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), São João da Boa Vista – SP

Graduanda de Licenciatura em Ciências Naturais: habilitação em química pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), Campus São João da Boa Vista. Professora da rede estadual de esino de São Paulo.

Andréia Silva Abbiati, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), São João da Boa Vista – SP

Docente da área de Educação/Pedagogia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), Campus São João da Boa Vista e pesquisadora do Laboratório de Gestão Educacional (LAGE/UNICAMP). Doutora em Educação pela Faculdade de Educação da UNICAMP (2019).

Referências

AZEVEDO, N. C. S.; BETTI, M. Escola de tempo integral e ludicidade: os pontos de vista de alunos do 1º ano do ensino fundamental. Rev. bras. Estud. Pedagog., Brasília, v. 95, n. 240, p. 255-275, maio/ago. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbeped/v95n240/02.pdf. Acesso em: 23 nov. 2019.

BERNADO, E. S.; CHRISTOVÃO, A. C. Tempo de Escola e Gestão Democrática: o Programa Mais Educação e o IDEB em busca da qualidade da educação. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 41, n. 4, p. 1113-1140, out./dez. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/edreal/v41n4/2175-6236-edreal-41-04-01113.pdf. Acesso em: 23 nov. 2019.

BRANCO, V. Desafios para a implantação da Educação Integral: análise das experiências desenvolvidas na região sul do Brasil. Educar em Revista, Curitiba, n. 45, p. 111-123, jul./set. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/n45/08.pdf. Acesso em: 7 nov. 2019.

BRASIL. Decreto n. 7.083, de 27 de janeiro de 2010. Dispõe o Programa Mais Educação. Brasília, DF: MEC, 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Decreto/D7083.htm. Acesso em: 7 nov. 2019.

BRASIL. Lei n. 12.796, de 4 de abril de 2013. Altera a Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Brasília, DF: MEC, 2013. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2013/Lei/L12796.htm#art1. Acesso em: 03 abr. 2020.

BRASIL. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Brasília, DF: MF/MP/MEC, 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: 6 nov. 2019.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: MEC, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 6 nov. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação - MEC. Saiba Mais - Programa Mais Educação. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/programa-mais-educacao/apresentacao?id=16689. Acesso em: 09 jan. 2020.

BRASIL. Portaria normativa interministerial n. 17, de 24 de abril de 2007. Institui o Programa Mais Educação. Brasília, DF: MEC, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/mais_educacao.pdf. Acesso em: 6 nov. 2019.

BRASIL. Portaria normativa interministerial n. 17, de 24 de abril de 2007. Institui o Programa Mais Educação. Brasília, DF: MEC. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/mais_educacao.pdf. Acesso em: 6 nov. 2019.

BRASIL.IDEB. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas (INEP). Brasília, DF: MEC. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/ideb. Acesso em: 21 nov. 2019.

CARVALHO, L. D. Crianças e infâncias na educação (em tempo) integral. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 31, n. 4, p. 23-43, out./dez. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/edur/2015nahead/0102-4698-edur-136686.pdf. Acesso em: 20 nov. 2019.

CASTRO, A.; LOPES, R. E. A escola de tempo integral: desafios e possibilidades. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 19, n. 71, p. 259-282, abr./jun. 2011. Disponível em: http: http://www.scielo.br/pdf/ensaio/v19n71/a03v19n71.pdf. Acesso em: 23 nov. 2019.

CAVALIERE, A. M. Escola pública de tempo integral no brasil: filantropia ou política de estado? Educ. Soc., Campinas, v. 35, n. 129, p. 1205-1222, out./dez. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v35n129/0101-7330-es-35-129-01205.pdf. Acesso em: 30 out. 2019.

CAVALIERE, A. M.; COELHO, L. M. Para onde caminham os Cieps? Uma análise após 15 anos. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 119, p. 147-174, jul. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/n119/n119a08.pdf. Acesso em: 6 nov. 2019.

CHARLOT, B. A relação com o saber nos meios populares: uma investigação nos liceus profissionais de subúrbio. Porto: Livpsic, 2009.

COELHO, L. M. C. C. Alunos no ensino fundamental, ampliação da jornada escolar e educação integral. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 45, p. 73-89, jul./set. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/n45/06.pdf. Acesso em: 19 nov. 2019.

COELHO, L. M. C. C.; MARQUES, L. P.; BRANCO, V. Políticas públicas municipais de educação integral e(m) tempo ampliado: quando a escola faz a diferença. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 22, n. 83, p. 355-378, abr./jun. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ensaio/v22n83/a05v22n83.pdf. Acesso em: 19 nov. 2019.

COELHO, L. M. C. C.; MAURÍCIO, L. V. Sobre tempo e conhecimentos praticados na escola de tempo integral. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 41, n. 4, p. 1095-1112, out./dez. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S2175-62362016005005102&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 19 nov. 2019.

CURY, C. R. J.; CUNHA, C. da (Org.). O Manifesto educador: os pioneiros 80 anos depois. Rev. bras. Estud. pedagog., Brasília, v. 96, n. esp., 2015. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/documents/186968/489316/O+Manifesto+Educador+Os+Pioneiros+80+Anos+Depois/588cfd88-e167-4d02-b810-cbafa1dce05d?version=1.2. Acesso em: 2 fev. 2020.

FERREIRA, H. B.; REES, D. K. Educação integral e escola de tempo integral em Goiânia. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 40, n. 1, p. 229-251, jan./mar. 2015. Acesso em: http://www.scielo.br/pdf/edreal/v40n1/2175-6236-edreal-40-01-00229.pdf. Acesso em: 19 nov. 2019.

GONÇALVES, A. S. Reflexões sobre educação integral e escola de tempo integral. Cadernos Cenpec, São Paulo, v. 1, n. 6, p. 129-135, 2006. Disponível em: http://cadernos.cenpec.org.br/cadernos/index.php/cadernos/article/view/136. Acesso em: 12 nov. 2019.

GOOGLE. Como funciona a Pesquisa Google. Disponível em: https://www.google.com/search/howsearchworks. Acesso em: 13 nov. 2019.

LEITE, L. H. A. Educação integral, territórios educativos e cidadania: aprendendo com as experiências de ampliação da jornada escolar em Belo Horizonte e Santarém. Educar em Revista, Curitiba, n. 45, p. 57-72, jul./set. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/n45/05.pdf. Acesso em: 16 nov. 2019.

LEITE, L. H. A.; CARVALHO, P. F. L. de. Educação (de tempo) integral e a constituição de territórios educativos. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 41, n. 4, p. 1205-1226, out./dez. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/edreal/v41n4/2175-6236-edreal-41-04-01205.pdf. Acesso em: 16 nov. 2019.

LEITE, L. H. A.; RAMAHO, B. Jovens-adolescentes egressos de uma educação integral: a construção de atitudes e valores. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 31, n. 4, p. 63-80, out./dez. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/edur/v31n4/1982-6621-edur-31-04-00063.pdf. Acesso em: 16 nov. 2019.

MACIEL, A. C.; JACOMELI, M. R. M.; BRASILEIRO, T. S. A. Fundamentos da educação integral politécnica: da teoria à prática. Educ. Soc., Campinas, v. 38, n. 139, p. 473-488, abr./jun. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v38n139/1678-4626-es-38-139-00473.pdf. Acesso em: 16 nov. 2019.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MEDEIROS, J. B. Redação científica: a prática de fichamentos, resumos, resenhas. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

PARO, V. H. Gestão escolar, democracia e qualidade do ensino. 1. ed. São Paulo: Ática, 2009.

SANTOS, S. V. A ampliação do tempo escolar em propostas de educação pública integral. Orientadora: Marília Gouvea de Miranda. 2009. 138 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2009. Disponível em: http://ppge.fe.ufg.br/up/6/o/Dissert-%20Soraya.pdf. Acesso em: 08 jan. 2020.

SOARES, A. J. G.; BRANDOLIN, F.; AMARAL, D. P. do. Desafios e dificuldades na implementação do Programa Mais Educação: percepção dos atores das escolas. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 42, n. 3, p. 1059-1079, jul./set. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/edreal/v42n3/2175-6236-edreal-60490.pdf. Acesso em: 16 nov. 2019.

SOARES, T. M. et al. Escola de tempo integral: resultados do projeto na proficiência dos alunos do ensino fundamental das escolas públicas da rede estadual de Minas Gerais. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 22, n. 82, p. 111-130, jan./mar. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ensaio/v22n82/a06v22n82.pdf. Acesso em: 16 nov. 2019.

SOUSA, I. F.; GUIMARÃES-IOSIF, R.; ZARDO, S. P. As redes da educação integral no Distrito Federal sob o prisma da gestão escolar. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 26, n. 99, p. 397-417, abr./jun. 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ensaio/v26n99/1809-4465-ensaio-S0104-40362018002601432.pdf. Acesso em: 13 nov. 2019.

SOUZA, M. C. R. F. Aprendizagens e tempo integral: entre a efetividade e o desejo. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 25, n. 95, p. 414-439, abr./jun. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ensaio/v25n95/1809-4465-ensaio-S0104-40362017002500483.pdf. Acesso em: 16 nov. 2019.

SOUZA, M. C. R. F. Estudantes em tempo integral no campo: aprendizagens, processos e sentidos. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 46, n. 161, p. 756-782, jul./set. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/v46n161/1980-5314-cp-46-161-00756.pdf. Acesso em: 13 nov. 2019.

SOUZA, M. C. R. F. Tempo integral: tensões entre os tempos da escola e os tempos do corpo. Educar em Revista, Curitiba, v. 34, n. 67, p. 159-175, jan./fev. 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/v34n67/0104-4060-er-34-67-159.pdf. Acesso em: 13 nov. 2019.

SOUZA, M. C. R. F.; CHARLOT, B. Relação com o saber na escola em tempo integral. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 41, n. 4, p. 1071-1093, out./dez. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/edreal/v41n4/2175-6236-edreal-59843.pdf. Acesso em: 16 nov. 2019.

TEIXEIRA, A. S. Educação não é privilégio. 5. ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1994.

TORALES, M. A. Entre kronos e kairós: o sentido e as implicações da ampliação do tempo de permanência dos estudantes na escola. Educar em Revista, Curitiba, n. 45, p. 125-135, jul./set. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/n45/09.pdf. Acesso em: 13 nov. 2019.

Downloads

Publicado

01/09/2020

Como Citar

Vilas Boas, M. L., & Abbiati, A. S. (2020). A educação (em tempo) integral no Brasil: um olhar sobre diferentes experiências. Revista on Line De Política E Gestão Educacional, 24(3), 1573–1597. https://doi.org/10.22633/rpge.v24i3.13545