De enfermeiro(a) a professor(a): trajetórias de profissionalidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16i4.13886

Palavras-chave:

Identidade profissional, Narrativas autobiográficas, Formação docente

Resumo

O campo de atuação do(a) enfermeiro(a) também pode ser a educação básica. Nesse sentido, esse artigo descreve a construção da identidade docente de enfermeiros(as) que atuam como professores(as) no ensino médio da educação profissionalizante, a partir de narrativas autobiográficas. Para tanto, desenvolvemos uma pesquisa qualitativa, de vertente filosófica hermenêutica, ancorada na abordagem autobiográfica. Assim, aceitaram participar dez colaboradores enfermeiro(as) que exercem atividade em sala de aula, por um período superior a dois anos na instituição. As narrativas envolveram as trajetórias familiares, escolares e profissionais, permitindo conhecer as experiências que os(as) marcaram e os(as) formaram, buscando atingir a profissionalidade que buscavam. Conclui-se que a formação identitária está indissociavelmente atrelada à produção de sentidos das vivências pessoais e profissionais e que esse rito de passagem, de um lugar a outro, requer aprendizagem dos novos modos do fazer profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Agnete Troelsen Pereira Nascimento, Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Senhor do Bonfim – BA

Professora Assistente da UNEB. Docente e Coordenadora dos Colegiados de Nutrição e Enfermagem da Faculdade Ages de Senhor do Bonfim. Docente da Pós-Graduação da UNEB, do Curso de Urgência, Emergência e UTI. Mestrado em Educação e Diversidade (UNEB).

Maria José Souza Pinho, Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Senhor do Bonfim – BA

Professora Aposentada da rede Estadual de Educação e Professora Adjunta da UNEB. Leciona as disciplinas Prática Pedagógica, Estágio Supervisionado, Gênero, Sexualidade e Educação e Educação Ambiental. Vice Coordenadora pro tempore e Professora Permanente do Mestrado Profissional em Educação e Diversidade. Doutorado em Educação (UFBA).

Referências

ABRAHÃO, M. H. M. B. Memória, narrativas e pesquisa autobiográfica. História da Educação, n. 14, p. 79-95, set. 2014. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/asphe/article/view/30223. Acesso em: 04 jun. 2019.

ABREU, G. R. Ressignificação da formação do professor de ensino técnico profissional: por uma prática reflexiva na reconstrução de sua identidade. Revista Profissão Docente, v. 9, n. 21, p. 114-132, jan./jul. 2009. Disponível em: http://www.revistas.uniube.br/index.php/rpd/article/view/231. Acesso em: 29 abr. 2019.

BOLÍVAR, A.; DOMINGO SEGOVIA, J. La investigación (auto)biográfica y narrativa en España: principales ambitos de desarrollo en educación. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 3, n. 9, p. 796-813, 2018. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/rbpab/article/view/5594. Aceso em: 04 jan. 2021.

BORN, B. B.; PRADO A. P.; FILIPPE, J. M. F. G. Profissionalismo docente e estratégias para o seu fortalecimento: entrevista com Lee Shulman. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 45, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ep/v45/1517-9702-ep-45e201945002003.pdf. Acesso em: 18 jan. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução n. 6, de 20 de setembro de 2012. Define diretrizes curriculares nacionais para a educação profissional técnica de nível médio. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, ano 149, n. 184, p. 21-22, 2012.

BUENO, S. M. V. et al. O diálogo no processo ensino-aprendizagem. Temas em Educação e Saúde, v. 5, 2017. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/tes/article/view/9507. Acesso em: 13 jan. 2021.

CRESWELL, J. W. Investigação qualitativa e projeto de pesquisa: escolhendo entre cinco abordagens. 3. ed. Porto Alegre: Penso, 2014. 342 p.

DELORY - MOMBERGER, C. Abordagens metodológicas na pesquisa biográfica. Revista Brasileira de Educação, v. 17, n. 51, set./dez. 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbedu/v17n51/02.pdf. Acesso em: 28 jan. 2020.

DELORY- MOMBERGER, C. Experiencia y formación. biografización, biograficidad y heterobiografía. Revista Mexicana de Investigación Educativa, v. 19, n. 62, p. 695-710, jul./set. 2014.

FAZENDA, I. C. A. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. Campinas: Papirus, 2007. 143 p.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996. p. 23-28.

FRISON, L. M. B.; VEIGA SIMÃO, A. M. Histórias de vida em pesquisa (auto)biográfica: circuito que inclui tempos, lugares e autorregulação da aprendizagem. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 5, n. 13, p. 71-90, 2020. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/rbpab/article/view/7508. Acesso em: 08 jan. 2021.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. (org). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009. 120 p.

GORZONI, S. P.; DAVIS, C. O conceito de profissionalidade docente nos estudos mais recentes. Cadernos de Pesquisa. n. 47, v. 16, p. 1396-1413, 2017.

JOSSO, M. C. Histórias de vida e formação: suas funcionalidades em pesquisa, formação e práticas sociais. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica, Salvador, v. 05, n. 13, p. 40-54, jan./abr. 2020. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/rbpab/issue/view/443. Acesso em: 5 jan. 2021.

LENGERT, R. Profissionalização docente: entre vocação e formação. La Salle - Revista de Educação, Ciência e Cultura, v.16, n.2, p. 11-23, jul./dez. 2011. Disponível em: https://revistas.unilasalle.edu.br/index.php/Educacao/article/view/195. Acesso em: 04 jan. 2020.

MAIA, L. F. S. O enfermeiro educador: conhecimento técnico na formação profissional docente. Revista Científica de Enfermagem, São Paulo, v. 2, n. 5, p. 19-25, 2012. Disponível em: https://www.recien.com.br/index.php/Recien/article/view/38. Acesso em: 08 jun. 2018.

MATOS, R. S. S. M. Identidade e profissionalismo docente – uma revisão da abordagem narrativa. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 1, n. 1, p. 61-74, 2016.

MENEZES-RODRIGUES, F. S. et al. Vantagens da utilização do Método de Aprendizagem Baseada em Problemas (MAPB) em cursos de graduação na área da saúde. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. 2, p. 340-353, abr./jun. 2019. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/11660. Acesso em: 10 mar. 2020.

MIGNOT, A. C.; SOUZA, E. C. Modos de viver, narrar e guardar: diálogos cruzados sobre pesquisa (auto)biográfica. Revista Linhas, Florianópolis, v. 16, n. 32, p. 10-33, set./dez. 2015.

NÓVOA, A. Profissão: Professor reflexões históricas e sociológicas. Análise Psicológica, v. VII, n. 1-2-3, p. 435-456, 1989.

NÓVOA, A. Formação de professores e trabalho pedagógico. Lisboa: Educa, 2002. Disponível em: https://repositorio.ul.pt/handle/10451/3703. Acesso em: 10 mar. 2020.

NÓVOA, A. Profissão Professor. 2. ed. Portugal: Porto Editora, 2008. 192 p.

NÓVOA, A. Professores: imagens do futuro presente. Lisboa: Educa, 2009. Disponível em: https://www.unifal-mg.edu.br/humanizacao. Acesso em: 03 mar 2020.

NÓVOA, A. Firmar a posição como professor, afirmar a profissão docente. Cadernos de Pesquisa, v. 47, n. 166, p. 1106-1133, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/198053144843

OLIVEIRA, D. K. S. et al. A arte de educar na área da saúde: experiências com metodologias ativas. Humanidades & Inovação, n. 1, p. 70-79, 2015. Disponível em: http://revista.unitins.br/index.php/humanidadeseinovacao/article/view/60. Acesso em: 27 dez. 2019.

OLIVEIRA, R. S. SALES, M. A.; SILVA, A. L. G. Professor por acaso? A docência nos institutos federais. Revista Profissão Docente, v. 17, n. 37, p. 5-16, 2017. Disponível em: http://www.revistas.uniube.br/index.php/rpd/article/view/1115. Acesso em: 03 jan. 2021.

QUEIRÓS, P. J. P. O conhecimento em enfermagem e a natureza dos seus saberes. Esc. Anna Nery, n. 20, v. 3, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452016000300101. Acesso em: 27 jan. 2020.

REHEM, C. M. Perfil e formação do professor de educação profissional técnica. São Paulo: SENAC, 2009.

ROCHA, C. J. T.; MALHEIRO, J. M. S. Narrativas identitárias em experiência de transformação e desenvolvimento profissional docente. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. 3, p. 986-1000, 2019. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/11836. Acesso em: 02 fev. 2021.

SACRISTAN, J. G. La carrera profesional para el profesorado. Revista Interuniversitaria de Formación del Profesorado, v. 2, n. 24, p. 243-260, 2010. Disponível em: dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/3276065.pdf. Acesso em: 27 jan. 2020.

SOUZA, E. C. Diálogos cruzados sobre pesquisa (auto)biográfica: análise compreensiva-interpretativa e política de sentido. Educação, Santa Maria, v. 39, n. 1, p. 39-50, jan./abr. 2014. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/11344. Acesso em: 04 maio 2018.

TOZZETO, S.; GOIS DOMINGUES, T. A formação de professores da Educação Profissional e Tecnológica nas Diretrizes Curriculares publicadas pelo Conselho Nacional de Educação (2012 – 2018). Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 15, n. 1, p. 172-188, jan./mar. 2020. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12151. Acesso em: 05 jan.2021.

Publicado

21/10/2021

Como Citar

NASCIMENTO, A. T. P.; PINHO, M. J. S. De enfermeiro(a) a professor(a): trajetórias de profissionalidade. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. 4, p. 2493–2508, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16i4.13886. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/13886. Acesso em: 23 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos