Tabu

Um convite a (re)pensar a educação para as relações raciais em tempos sombrios

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v17iesp.2.16058

Palavras-chave:

Relações raciais, Identidade, Alteridade, Cultura, Educação

Resumo

 O artigo tem por objetivo (re)pensar a educação para as relações raciais em tempos que se revelam sombrios a partir do filme “Tabu”. O trabalho trata-se de uma pesquisa exploratória pautada em uma abordagem qualitativa reflexiva. Os resultados apontam que as políticas que vêm buscando instituir novas formas de se encarar e trabalhar as diferenças esbarram na ideia de uma identidade nacional homogênea, que desqualifica diferenças, impedindo que se dê o devido valor às especificidades da condição negra na sociedade. Sabemos que temos muito caminho a percorrer na criação e/ou valorização de outros modos de agir na educação, para além das tentativas de se elaborar um discurso isento, neutro e politicamente correto. É a educação sendo chamada a se posicionar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elivaldo Serrão Custódio, Universidade Federal do Amapá (UNIFAP), Macapá – AP – Brasil

Professor no Mestrado em Educação da UNIFAP. Doutorado em Teologia (EST)

Eugénia da Luz Silva Foster, Universidade Federal do Amapá (UNIFAP), Macapá – AP – Brasil

Professora no Mestrado em Educação. Doutorado em Educação (UFF).

Referências

ALVES, N.; OLIVEIRA, I. B. Imagens de escolas: Espaçostempos de diferenças no cotidiano. Educ. Soc., Campinas, v. 25, n. 86, p. 17-36, abr. 2004. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/tNr9GNVPHvhZfL3qL8CYFML/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 10 set. 2021.

BAPTISTA, P. G. Imigração e trabalho doméstico: O caso português. 2009. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Cooperação Internacional) – Instituto Superior de Economia e Gestão, Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa, 2009. Disponível em: https://www.repository.utl.pt/handle/10400.5/1653. Acesso em: 10 out. 2021.

BARBON, J. Após 2 meses, Brasil não sabe a cor de 29% dos mortos pela Covid-19. Folha de São Paulo, São Paulo, 17 maio 2020. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2020/05/apos-2-meses-brasil-nao-sabe-a-cor-de-29-dos-mortos-pela-covid-19.shtml?origin=uol. Acesso em: 20 dez. 2021.

BATALHA, L. Cabo-verdianos em Portugal: “Comunidade” e identidade. In: GÓIS, P. (org.). Comunidade(s) cabo-verdiana(s): As múltiplas faces da imigração cabo-verdiana. Lisboa: ACIDI, 2008.

BENJAMIN, W. Sobre o conceito da história. In: BENJAMIN, W. Obras Escolhidas: Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1996.

BRASIL. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. Brasília, DF: IBGE, 2019. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/trabalho/9171-pesquisa-nacional-por-amostra-de-domicilios-continua-mensal.html?=&t=destaques. Acesso em: 12 out. 2021.

BRASIL. Procuradoria da República em Pernambuco. MPF encaminha recomendação à UFPE e ao IFPE para adoção da disciplina Educação para as Relações Étnico-raciais. Brasília, DF: MPF, 2020a. Disponível em: http://www.mpf.mp.br. Acesso em: 23 jul. 2020.

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. Ministério da Educação. Divisão de Temas Educacionais (DELP). Programa de Estudantes/Convênio de Graduação (PEC-G). Brasília, DF: MEC, 2020b. Disponível em: http://www.dce.mre.gov.br/PEC/PECG.php. Acesso em: 23 jul. 2020.

COUTO, M. Pensageiro Frequente. Lisboa: Editorial Caminho, 2010.

DOMINGOS, N. Tabu da História: “Desejo de ficção” e imagens do colonialismo. Buala.org, 2014. Disponível em: https://www.buala.org/pt/afroscreen/o-tabu-da-historia. Acesso em: 25 jun. 2019.

FOSTER, E. L. S. Garimpando pistas para desmontar racismos e potencializar movimentos instituintes na escola. Curitiba: Editora Appris, 2015.

GOMES, N. Educação Cidadã, Etnia e Raça. In: AZEVEDO, J. C.; GENTILI, P.; KRUG, A.; SIMON, C. (org.). Utopia e Democracia na Educação Cidadã. Porto Alegre: UFRGS; Secretaria Municipal de Educação, 2000.

GOMES, N. (org.). Um olhar além das fronteiras: Educação e relações raciais. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

GOMES, M. Tabu de Miguel Gomes. Entrevistador: Olivier Barlet. BUALA, Lisboa, 12 dez. 2012. Tradução: de Maria José Cartaxo. Disponível em: https://www.buala.org/pt/afroscreen/tabu-de-miguel-gomes. Acesso em: 02 dez. 2019.

GUIMARÃES, A. S. A. Racismo e Antirracismo no Brasil. Revista Novos Estudos - CEBRAP, n. 43, p. 26-44, nov. 1995. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/2128310/mod_resource/content/1/ASG_racismo_e_anti_racismo_NE%2043_1995.pdf. Acesso em: 23 abr. 2021.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 12. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2015.

HECKERT, A. Narrativas de Resistências: Educação e Políticas. Tese (Doutorado em Educacão) – Faculdade de Educação, Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, Rio de Janeiro, 2004. Disponível em: https://app.uff.br/riuff/handle/1/20780. Acesso em: 13 out. 2021.

JOUTARD, P. Desafios à História Oral do Século XXI. In: FERREIRA, M. M. (org.). História oral: Desafios para o século XXI. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2000.

LINHARES, C. F. Experiências Instituintes em escolas públicas e formação docente. Rio de Janeiro: UFF, 2006.

LINHARES, C. F. Tempo de recomeçar: movimentos instituintes na escola e na formação docente. In: DALBEN, Â. (org.). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

MBEMBE, A. Crítica da razão negra. Tradução: Sebastião Nascimento. São Paulo: N. 1 edições, 2018.

MBEMBE, A. Políticas da inimizade. Lisboa: Antígona, 2017.

MELUCCI, A. Por uma sociologia reflexiva: Pesquisa qualitativa e cultura. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

MEMI, A. Retrato do colonizado precedido pelo retrato do colonizador. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

MUNANGA, K. Rediscutindo a Mestiçagem no Brasil: Identidade nacional versus identidade negra. Petrópolis-RJ: Vozes, 1999.

MUNANGA, K. Superando o racismo na escola. Brasília, DF: MEC; SEF, 2008.

OXFAM BRASIL. Instituto Datafolha. Pesquisa Nós e as desigualdades: Percepções sobre desigualdades no Brasil, 2019. São Paulo: Oxfam Brasil, 2019. Disponível em: ttps://www.oxfam.org.br/um-retrato-das-desigualdades-brasileiras/pesquisa-nos-e-as-desigualdades/pesquisa-nos-e-as-desigualdades-2019/. Acesso em: 25 jun. 2020.

POLLACK, M. Memória, Esquecimento, Silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989. Disponível em: https://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/2278. Acesso em: 15 out. 2020.

RAPOSO, O. Violência e racismo na Cova da Moura. Rede Angola, 2015. Disponível em: http://m.redeangola.info/especiais/violencia-e-covardia-na-cova-da-moura/. Acesso em: 12 out. 2021.

RÁDIO MOÇAMBIQUE. Filme Tabu, 23 nov. 2015.

SODRÉ, M. Claros e Escuros, Identidade, povo e mídia no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

Publicado

30/06/2022

Como Citar

CUSTÓDIO, E. S.; FOSTER, E. da L. S. Tabu: Um convite a (re)pensar a educação para as relações raciais em tempos sombrios. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. esp.2, p. 1239–1263, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v17iesp.2.16058. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/16058. Acesso em: 2 out. 2022.