O papel da educação escolar na construção de conhecimento em tempos de domínio do mercado

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v22.n.1.2018.10721

Palavras-chave:

Educação, Mercado, Escola, Conhecimento.

Resumo

O presente artigo é parte das reflexões que vêm sendo desenvolvidas em uma pesquisa intitulada “Que educação para que país?”, a qual tem por objetivo identificar possíveis transformações nas práticas docentes e gestoras, reconhecidas pelos professores e gestores da rede pública de Minas Gerais como decorrentes das atuais políticas educacionais. Os estudos têm indicado um percurso de construção de uma proposta de educação para o país desenvolvida em meio a debates e conflitos em relação à forma de se construir uma sociedade e uma perspectiva de educação que a sustente. Neste debate, forças diversas têm atuado no sentido de influenciar o trabalho e os conhecimentos escolares, sendo possível constatar a predominância de uma lógica voltada aos interesses de mercado e competitividade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elita Betania de Andrade Martins, Universidade Federal Juiz de Fora

Professora Adjunta da Faculdade de Educação/UFJF, atuando na disciplina de Politicas Públicas e Gestão escolar. Doutora em Educação pela UFJF (2014), dedica seus estudos ao tema autonomia docente. Coordenadora do grupo de pesquisa GESE que discute questões ligadas a administração e sistemas de ensino. Tem experiências na educação, nas áreas de políticas públicas educacionais , gestão e formação de professores.

Referências

BALL, Stephen J. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Revista Cadernos de Pesquisa, v.35, n.126, p. 539-564, set./dez., 2005.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação? São Paulo: Brasiliense, 2007

BRITO, Vera Lúcia Ferreira Alves de. Identidade docente: um processo de avanços e recuos. In: Professores: identidade, profissionalização e formação. Belo Horizonte, MG: Editora Argvmentvm, 2009, p.79-100.

CANÁRIO, Rui. A escola tem futuro? Das promessas às incertezas. Porto Alegre: Artmed, 2006.

DARDOT, Pierre.; LAVALL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

LUDKE, Menga.; BOING, Luiz Alberto. Caminhos da profissão e da profissionalidade docentes. Revista Educação & Sociedade. Campinas, v.25, n.89, 2004.

MACEDO, Elizabeth. Base Nacional Curricular Comum: Novas formas de sociabilidade produzindo sentidos para educação. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 03, p.1530-1555, out./dez., 2014.

MELLO, Paulo Eduardo Dias de. Base Nacional Comum, Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento e o IDEB : nexos, contextos, rastros e o lugar do professor. Disponível em: www.academia.edu/9809465/Base_Nacional_Comum. Acesso em: 10 mar. 2017.

OLIVEIRA, Dalila Andrade de. Política educacional e a re-estruturação do trabalho docente: reflexões sobre o contexto latino-americano. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 99, p. 355-375, maio/ago., 2007.

PENNA, Fernando de Araujo. O Escola sem Partido como chave de leitura do fenômeno educacional. In: FRIGOTTO, Gaudêncio (Org.). Escola “sem” Partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2017.

PONCE, Anibal. Educação e luta de classes. 3ª edição. Tradução de José Severo de Camargo Pereira. São Paulo: Cortez, 1982.

ROSA, Sanny Silva da. Entrevista com Stephen J. Ball: Privatizações a educação e novas subjetividades – contornos e desdobramentos das políticas (pós) neoliberais. Revista Brasileira de Educação, v,18, n 53, abr-jun/2013

Downloads

Publicado

07/01/2018

Como Citar

DE ANDRADE MARTINS, E. B. O papel da educação escolar na construção de conhecimento em tempos de domínio do mercado. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, p. 322–335, 2018. DOI: 10.22633/rpge.v22.n.1.2018.10721. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/10721. Acesso em: 5 ago. 2021.

Edição

Seção

Artigos