A universidade pública frente ao contexto contemporâneo: em discussão o currículo e suas possibilidades na formação docente

Dagmar Mello e Silva, Erika Souza Leme, Lisete Jaehn

Resumo


Considerando as demandas da sociedade contemporânea, a universidade pública e gratuita enfrenta o desafio de repensar a si própria. Portanto, é preciso tensionar a razão instrumental cristalizada na sociedade, que visa à formação para a produção de bens de consumo em detrimento da formação humana. Ao tratarmos dessas questões, faz-se necessário refletir sobre a autonomia universitária, frente à adequação curricular dos cursos de Licenciaturas ao currículo nacional gestado na Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Pensar sob esse prisma nos ajuda a compreender os limites e as possibilidades da universidade em nosso país, especialmente da formação docente. Neste sentido, analisamos o Currículo da Faculdade de Educação da UFF, com ênfase no Componente Curricular Atividades Culturais, cujos resultados demonstram a possibilidade de se criar espaços/tempo de experiências estético-culturais crítico-emancipadoras que possibilitem a formação que prioriza o Ser em detrimento do Ter.


Palavras-chave


Universidade pública; Autonomia universitária; Formação docente; Currículo; Formação cultural.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, T. W. Educação e Emancipação. 5a reimpressão. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

ADORNO, T. W. Teoria da Semicultura. Primeira Versão, Ano IV. No191. Vol. XIII. Maio/Agosto – Porto Velho, 2005.

ADORNO, T. W. & HORKHEIMER, M. Dialética do Esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

AGUIAR, M. A. da S.; DOURADO, L. F. (Orgs.) A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. [Livro Eletrônico]. Recife: ANPAE, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília/DF, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acessado em: 15 de maio de 2019.

BAUMAN, Z. Medo líquido. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2008.

BAUMAN, Z. Comunidade: a busca por segurança no mundo atual; tradução Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003

BENJAMIN, W. Obras escolhidas I: Magia e Técnica, Arte e Política. São Paulo: Brasiliense, 1994.

CURSO DE PEDAGOGIA. Projeto Pedagógico: estrutura Curricular. Faculdade de Educação (FEUFF) da Universidade Federal Fluminense (UFF). Jun, 2018. Disponível em: http://feuff.sites.uff.br/coordenacao-de-pedagogia/126-2/. Acessado em 15 de maio de 2019.

DELEUZE, G. Aula. In: O Abecedário de Gilles Deleuze. TV Escola, Ministério da Educação. Tradução e Legendas: Raccord, 1996.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade II.O uso dos prazeres. Rio de Janeiro: Edições Graal,1984.

FOUCAULT, M. A Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense, 1986.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. Laura Fraga de Almeida Sampaio (Trad.). 16. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2008.

GALLO, S. Cuidar de si e cuidar do outro: implicações éticas para a educação dos últimos escritos de Foucault. Advir, nº 20, dezembro de 2006, p. 71-9.

GALLO, S. As múltiplas dimensões do aprender. COEB 2012, Congresso de Educação Básica: Aprendizagem e Currículo. Disponível em: http://www.pmf.sc.gov.br/arquivos/arquivos/pdf/13_02_2012_10.54.50.a0ac3b8a140676ef8ae0dbf32e662762.pdf. Acessado em 17 de maio de 2019.

.

JAEHN, L. Semi-formação e formação cultural. ETD - Educação Temática Digital, 10(1), 114-132, 2009. https://doi.org/10.20396/etd.v10i1.1019.

JAEHN, L. Currículo, políticas e regulação social. In: XAVIER, G. T. R. (Org.); JAEHN, L. (Org.); OLIVEIRA, M. L. (Org.). Currículo e Práxis Docente. Niterói: EDUFF, 2014.

KANT, I. Pedagogía. Traducción Lorenzo Luzuriaga e José Luis Pacual. Madrid: Akal, 2003.

LEME, E. S; COSTA, V. A. da. Formação estético-cultural no pensamento de Theodor W. Adorno: a reflexão crítica e o desenvolvimento da sensibilidade. Revista Estética. Universidade de São Paulo - Escola de Comunicações e Artes, v.2, p.1 - 14, 2015.

LOPES, A. C. Apostando na produção contextual do currículo. In: AGUIAR, M. A. da S.; DOURADO, L. F. (Orgs.) A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. [Livro Eletrônico]. Recife: ANPAE, 2018.

MACEDO, E. “A Base é a base”. E o currículo o que é? In: AGUIAR, M. A. da S.; DOURADO, L. F. (Orgs.) A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. [Livro Eletrônico]. Recife: ANPAE, 2018.

POPKEWITZ, T. S. Reforma educacional: uma política sociológica. Poder e conhecimento em educação. Trad. Beatriz Affonso Neves. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

POPKEWITZ, T. S. Lutando em defesa da alma: a política do ensino e a construção do professor. Trad. Magda França Lopes. Porto Alegre: Artmed Editora Ltda., 2001.

SANTOS, B. S. Reinventar a Democracia. Cadernos Democráticos, n. 4, Lisboa: Fundação Mário Soares/ Gradiva Publicações Ltda,1998.

SCHILLER, F. A Educação Estética do Homem: numa série de cartas. São Paulo: Iluminuras, 1990.

SCHMIED-KOWARZIK, W. Pedagogia Dialética: de Aristóteles a Paulo Freire. Trad. Wolfgang Leo Maar. São Paulo: Brasiliense S. A. 1983.

TEIXEIRA, A. Educação e Universidade. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1988.

VEIGA-NETO, A. Currículo e Cultura. Revista Contrapontos, v. 2, n. 1, 2002. Disponível em: https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/rc/article/view/133/113.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v23iesp.1.13011



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.