Avaliação da gestão no ensino técnico profissional: implicações da reforma do ensino médio

Marcos Antonio Martins Lima, Denize de Melo Silva, Maria Lucijane Gomes de Oliveira, Jaderson Cavalcante da Silva

Resumo


A respectiva pesquisa objetiva avaliar a gestão das escolas profissionais da rede pública estadual localizadas em Fortaleza, no estado do Ceará. Para essa análise, consideraram-se (n=39) professores, no intuito de entender os efeitos da reforma do ensino médio para a organização e sistematização das ações pensadas para a avaliação e a gestão das escolas pesquisadas. A metodologia adotada centrou-se na estratégia metodológica quadripolar de Bruyne, Herman e Schoutheete (1977). O estudo inseriu-se na abordagem quantitativa do tipo descritiva e exploratória quanto ao seu objetivo geral. No tocante ao tratamento das análises oriundas dos dados quantitativos sobre a escala Likert de avaliação dos oito itens objetivos presentes no questionário semiestruturado para a pesquisa, foram adotadas as seguintes técnicas: o alfa de Cronbach (α), a Corrected Item-Total Correlation e a Análise Fatorial Exploratória.


Palavras-chave


Avaliação; Gestão; Ensino médio profissional; SAEB.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


BAUER, A. Avaliação de impacto no Brasil: é possível mensurar impacto de programas de formação docente? Estudos em Avaliação Educacional, 21(46), 229-252. 2010.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF. 2014.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF. 2017.

BRASIL. Decreto nº 9.432, de 29 de junho de 2018. Regulamenta a Política Nacional de Avaliação e Exames da Educação Básica. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF. 2018.

BONAMINO, A.; FRANCO, C. Avaliação e políticas educacionais: o processo de institucionalização do SAEB. Caderno de Pesquisa, 108, 101-132. 1999.

BRUYNE, P.; HERMAN, J.; SCHOUTHEETE, M. Dinâmica da pesquisa em ciências sociais: os polos da prática metodológica. Tradução de Ruth Joffily. Rio de Janeiro: Francisco Alves. 1977.

CARNOY, M. O estruturalismo e o Estado: Althusser e Poulantzas. In: M. Carnoy (Org.). Estado e teoria política (pp. 119-164). Campinas: Papirus. 1987.

CERQUEIRA, W. Taylorismo e fordismo. Brasil Escola. 2018. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/geografia/taylorismo-fordismo.htm. Acesso: 17 set. 2019.

DUARTE, N.; OLIVEIRA, B. Socialização do saber escolar. São Paulo: Cortez. 1987.

ENGELS, F. O papel do trabalho na transformação do macaco em homem. 1876. Disponível em: http://www.marxists.org/portugues/marx/1876/mes/macaco.htm. Acesso em: 24 jul. 2019.

ENGUITA, M. F. A face oculta da escola: educação e trabalho no capitalismo. Porto Alegre: Artes Médicas. 1989.

FIELD, A. Discovering Statistics Using SPSS (3ª ed.). London: Sage. 2009.

KUENZER, A. Z. Ensino de 2º grau: o trabalho como princípio educativo. São Paulo: Cortez. 1992.

LÜCK, H. Avaliação e monitoramento do trabalho educacional. Petrópolis: Vozes. 2013.

MARCONI, M.; LAKATOS, E. Fundamentos da metodologia científica. São Paulo: Atlas. 2015.

MINAYO, M.; DESLANDES, S.; CRUZ NETO, O.; GOMES, R. (1994). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes. 1994.

PARO, V. Administração escolar: introdução crítica. São Paulo: Cortez. 2012.

PARO, V. Crítica da estrutura da escola. São Paulo: Cortez. 2016a.

PARO, V. Gestão democrática da escola. São Paulo: Cortez. 2016b.

PINTO, R.; VIANA, M. As avaliações externas e a escola: possibilidades e desafios para a sala de aula. 2019. Disponível em: as-avaliaexternas-e-a-escola-possibilidades-e-desafios-para-a-sala-de-aula.pdf. Acesso em: 12 jul. 2019.

PONTES JÚNIOR, J. Matriz ACEF9: matriz de referência para a avaliação cognitiva em larga escala dos conteúdos de educação física no ensino fundamental (9ª ano). Tese de doutorado, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil. 2014.

SANTOS, A.; GIMENES, O.; MARIANO, S. Avaliações externas e seus impactos nas práticas pedagógicas: percepções e visões preliminares. Revista Encontro de Pesquisa em Educação, 1(1), 38-50. 2013.

SEDUC. Escolas Estaduais de Educação Profissional (EEEP). 2019. Disponível em: educacaoprofissional.seduc.ce.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=3&Itemid=103. Acesso em: 12 jul. 2019.

SEVERINO, A. Metodologia do trabalho científico (24ª ed.) São Paulo: Cortez. 2016.

SOUZA, L. A. S.; OKÇANA, B. A formação por base em competências na educação profissional frente às novas tecnologias. Anais da Jornada de Didática e do I Seminário de Pesquisa do Cemad. Londrina, Paraná, Brasil. 2013.

TITTON, M. O princípio educativo do trabalho e o trabalho enquanto princípio educativo: ampliando o debate com os movimentos de luta social. S./d. Disponível em: anped.org.br/biblioteca/item/o-principio-educativo-do-trabalho-e-o-trabalho-enquanto-principio-educativo. Acesso em: 12 jul. 2019.

VIEIRA, S. L. Estrutura e funcionamento da educação básica (2ª ed.). Fortaleza: UECE. 2015.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v24i2.13305



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.