Práticas interdisciplinares de educação em saúde e meio ambiente na educação de jovens e adultos: percepção dos alunos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14i3.10064

Palavras-chave:

Práticas interdisciplinares, Educação em saúde, Educação em meio ambiente, Educação de Jovens e Adultos.

Resumo

O estudo busca apresentar a percepção de alunos da modalidade de ensino Educação de Jovens e Adultos mediante práticas interdisciplinares de educação em saúde e meio ambiente. Trata-se de um estudo de abordagem qualitativa e inspiração etnográfica. Foram realizadas práticas interdisciplinares e entrevistas com os alunos. A aprendizagem acerca dos temas propostos, mediante a prática interdisciplinar, contribuiu para a aquisição de conhecimentos, visto que tal prática contempla também seus conhecimentos prévios. Considera-se que a interdisciplinaridade, em conjunto com as temáticas propostas, foi percebida como uma metodologia inovadora que possibilita um olhar crítico acerca de mudanças na postura do aluno em relação à saúde e o meio ambiente.

Biografia do Autor

Elisa Angélica Alves Guedes, Universidade de Pernambuco

Licenciada em Ciências Biológicas. Pós-Graduada em Gestão Ambiental. Bacharel em Nutrição. Mestranda do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Formação de Professores e Práticas Interdisciplinares.

Marianne Louise Marinho Mendes, Universidade de Pernambuco

Nutricionista, Mestre em Ciência e Tecnologia dos Alimentos e Doutora em Ciência e Tecnologia dos Alimentos. Professora Adjunta da Universidade de Pernambuco (UPE), Campus Petrolina, vinculada ao curso de graduação em Nutrição e ao Programa de Pós-Graduação em Formação de Professores e Práticas Interdisciplinares – PPGFPPI.

 

Cristhiane Maria Bazílio de Omena Messias, Universidade de Pernambuco

Docente Adjunta da Universidade de Pernambuco (UPE) Campus Petrolina e Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação Stricto sensu Formação de Professores e Práticas Interdisciplinares (PPGFPPI) - Nível mestrado – modalidade profissional da UPE Campus Petrolina vinculada a linha de pesquisa "Educação, Meio Ambiente e Saúde".

Referências

ARROYO, M. Formar educadoras e educadores de jovens e adultos. In: Formação de educadores de jovens e adultos. Organizado por Leôncio Soares. Belo Horizonte: Autêntica/SECAD-MEC/UNESCO, 2006.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: LDA, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Alimentação saudável: siga os 10 passos. 2013. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_alimentar_alimentacao_saudavel_1edicao.pdf. Acesso em: 27 out. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 1996. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/lei9394_ldbn2.pdf. Acesso em: 12 set. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais. Apresentação dos temas transversais. Brasília, DF, 1997.

CARBONELL, S. Educação estética na EJA: a beleza de ensinar e aprender com jovens adultos. 1ª Ed. São Paulo: Cortez. 2012. 152p.

COMPESA. Companhia Pernambucana de Saneamento. Vamos Evitar o Desperdício de Água. 2013. Disponível em: http://servicos.compesa.com.br/documentos-publicacoes-e-folhetos/. Acesso em: 22 out. 2016.

FAZENDA. I. C. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. 2ª. ed. Campinas, SP: Papirus, 1994.

FAZENDA. I. C. Integração da interdisciplinaridade no ensino brasileiro. 6ª ed. São Paulo: Edições Loyala Jesuítas. 176p., 2011.

FAZENDA; I. C. A; GODOY, H. P. Interdisciplinaridade: pensar, pesquisar e intervir. 50ª ed. São Paulo: Cortez, 285p., 2014.

FINO, C. N. Inovação pedagógica, etnografia, distanciação: etnografia da educação. Funchal: Universidade da Madeira, CIE-UMA, 2011.

FREIRE, P. Pedagogia da Esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Ed. Paz e Terra, S.A, Rio de Janeiro, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. Ed. Paz e Terra, S.A, Rio de Janeiro, 2002.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 50ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 254p., 2011.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

LIBÂNEO, J. C. Democratização da escola pública: a pedagogia histórico-crítico social dos conteúdos. São Paulo: Loiola, 1986.

LUCKESI, C. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 18ª ed. São Paulo: Cortez, 2006.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

MIRANDA, P. R.; FARIA, R. C.; GAZIRE, E. S. Interdisciplinaridade no ensino de Matemática e Educação Física no PROEJA. Revista Zetetiké. FE/Unicamp, v. 20, n. 38, jul/dez 2012.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 2ª ed. São Paulo: Cortez, Brasília, DF: UNESCO, 2000.

NASCIMENTO, R. Desabafo do Rio São Francisco. 2010. Recanto das Letras. Disponível em: http://www.recantodasletras.com.br/cordel/2203645. Acesso em: 24 set. 2016.

SÃO PAULO (Estado). SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Diretoria de Orientação Técnica Divisão de Orientação Técnica – Educação de Jovens e Adultos. Educação de Jovens e Adultos: princípios e práticas pedagógicas. São Paulo, 2015. 40 p. temas transversais. Brasília: MEC, 1997.

SICRIVANO, C. N. et al. Ciência, transformação e cotidiano. São Paulo: Global. Coleção Viver e Aprender, 2013.

THIESEN, J. S. A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo ensino-aprendizagem. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, v. 13, n. 39, p. 545-554, dez. 2008.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Tradução: Ernani F. da F. Rosa. Porto Alegre: Artmed. Ano 1998. Reimpressão, 2010.

Publicado

18/10/2019

Como Citar

GUEDES, E. A. A.; MENDES, M. L. M.; MESSIAS, C. M. B. de O. Práticas interdisciplinares de educação em saúde e meio ambiente na educação de jovens e adultos: percepção dos alunos. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. 3, p. 1030–1048, 2019. DOI: 10.21723/riaee.v14i3.10064. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/10064. Acesso em: 25 fev. 2021.

Edição

Seção

Artigos