Interações entre professor, profissional de apoio escolar e aluno com deficiência intelectual

Reflexões sobre a prática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v18i00.17714

Palavras-chave:

Professor, Profissional de apoio escolar, Deficiência intelectual, Interações

Resumo

Este artigo originou-se de uma pesquisa caracterizada como estudo de caso, locada em uma rede municipal de ensino do interior do estado de São Paulo, desenvolvida em nível de Mestrado na área da Educação. Buscou-se compreender as interações entre professor regente e profissional de apoio escolar do aluno com deficiência intelectual, objetivando identificar como ambos os profissionais descrevem seus papéis e como se relacionam para consolidar o aprendizado do aluno. A pesquisa foi desenvolvida entre 2020 e 2021, com dados coletados através de questionários respondidos remotamente. Os resultados foram analisados de forma qualitativa, contendo relevantes informações do professor sobre sua prática docente e do profissional de apoio escolar sobre sua atuação, indicando dificuldades e fatores que auxiliaram no direcionamento de formações mais específicas sobre uma coparticipação dos profissionais em benefício das necessidades educacionais de alunos com deficiência intelectual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mônica Menin Martins, Universidade de Araraquara

Mestrado em Processos de Ensino, Gestão e Inovação.

Maria Lúcia Oliveira Suzigan Dragone, Universidade de Araraquara

Docente no Programa de Pós-Graduação em Processos de Ensino, Gestão e Inovação. Doutorado em Educação Escolar (UNESP/FCLAr).

Referências

ANDRÉ, M. O que é um estudo de caso qualitativo em educação? Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 22, n. 40, p. 95-103, jul./dez. 2013. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/7441. Acesso em: 05 out. 2021.

BLANCO, R. A atenção à diversidade na sala de aula e as adaptações do currículo. In: COLL, C.; MARCHESI, A.; PALACIOS, J. (org.). Desenvolvimento psicológico e educação. Tradução: Fátima Murad. Porto Alegre, RS: Artmed, 2004.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 10 nov. 2020.

BRASIL.Lei n. 13146 de 6 de julho de 2015. Institui a Lei brasileirade Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, DF: Presidência da República, 2015. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em: 07 ago. 2020.

COLE, M. et al. A Formação Social da Mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores – L. S. Vigostski. Tradução: José Cipolla Neto, Luís Silveira Menna Barreto e Solange Castro Afeche.7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

FIERRO, A. Os alunos com deficiência intelectual. In: COLL, C.; MARCHESI, A.; PALACIOS, J. (org.). Desenvolvimento psicológico e educação. Tradução: Fátima Murad. Porto Alegre, RS: Artmed, 2004.

MARCHESI, A. A prática das escolas inclusivas. In: COLL, C.; MARCHESI, A.; PALACIOS, J. (org.). Desenvolvimento psicológico e educação. Tradução: Fátima Murad. Porto Alegre, RS: Artmed, 2004.

MARTINS, M. M. Aluno com deficiência intelectual em sala de aula: interações e reflexões de professores e monitores. Dissertação (Mestrado em Processos de Ensino, Gestão e Inovação) – Universidade de Araraquara, Araraquara, SP, 2022.

MARTINS, M. M; DRAGONE, M. L. O. S. Reflexões de professores sobre a inclusão de alunos com deficiência intelectual. In: SEBASTIÁN-HEREDERO, E.; ESQUIVEL, J. L. B.; SILVA, M. E. M. (coord.). Actas del XV Encuentro Iberoamericano de Educación: Tejiendo redes. México: EIDE, 2021. Disponível em: https://www.cetys.mx/wp-content/uploads/2021/12/Actas-del-EIDE2021_v1.pdf. Acesso em: 02 jan. 2023.

MATTOS, S. M. N. A afetividade com fator de inclusão escolar. Revista Teias, Rio de Janeiro, ano 9, n. 18, p. 50-59, jul./dez. 2008. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/view/24043. Acesso em: 04 out. 2021.

PERRENOUD, P. Dez novas competências para ensinar. Tradução: Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre, RS: Artmed, 2000.

SEBÁSTIAN-HEREDERO, E. A escola inclusiva e estratégias para fazer frente a elas: as adaptações curriculares. Acta Scientiarum. Educacion, v. 32, n. 2, p. 193-208, 2010. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciEduc/article/view/9772/9772. Acesso em: 15 ago. 2021.

SEBASTIÁN-HEREDERO, E.; ANACHE, A. A. A percepção docente sobre conceitos, políticas e práticas inclusivas Estudo de caso no Brasil. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 15, n. esp. 1, p. 1018-1037, maio 2020. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/13514/9017. Acesso em: 09 ago. 2021.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Tradução: João Batista Kreuch. 9. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

Publicado

07/12/2023

Como Citar

MARTINS, M. M.; DRAGONE, M. L. O. S. Interações entre professor, profissional de apoio escolar e aluno com deficiência intelectual: Reflexões sobre a prática. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 18, n. 00, p. e023120, 2023. DOI: 10.21723/riaee.v18i00.17714. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/17714. Acesso em: 2 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos teóricos

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.