A influência da gestão escolar na motivação dos professores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo-Brasil

Breno Bricio Amaral

Resumo


O presente artigo é resultado de uma dissertação acerca da dinâmica curricular e processo ensino-aprendizagem com objetivo de responder ao problema sobre Gestão Escolar do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (Câmpus Vitória), especificamente sobre o curso de Mecânica oferecido por essa instituição. Nos anos de 2011 a 2014, procurou-se investigar a relação entre a Gestão Escolar e a sua influência na motivação dos professores envolvidos com base nas teorias da Administração e Gestão Democrática. Como hipótese de pesquisa, pressupõe-se que o modelo de gestão adotado pelo instituto tem desmotivado os professores do Curso Técnico de Mecânica. A investigação se realizou por meio de uma pesquisa de campo do tipo coleta de dados, cujo instrumento de pesquisa utilizado foi a aplicação de questionários e entrevistas aos sujeitos, os professores do curso em questão. Foi possível comprovar a hipótese no sentido de que o modelo de gestão adotado tem incidido negativamente sobre a motivação docente, gerando desconfortos emocionais, inseguranças profissionais, dentre outros aspectos. As análises finais demonstraram que a gestão adotada, especificamente nesse câmpus, evoca uma transformação para tornar a motivar os professores em sua atuação profissional e realização pessoal enquanto membros da equipe educacional da instituição.


Palavras-chave


Ensino-aprendizagem. Gestão escolar. Motivação.

Texto completo:

PDF

Referências


BALDUCCI, D.; KANAANE, R. Relevância da gestão de pessoas no clima organizacional de uma empresa de engenharia. Boletim - Academia Paulista de Psicologia, São Paulo, v. 27, n. 2, p. 133-147, dez. 2007. Disponível em: . Acesso em: 5 dez. 2013.

BARROSO, J. O reforço da autonomia das escolas e a flexibilidade da gestão escolar em Portugal. São Paulo: Cortez, 2000.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: . Acesso em: 13 ago. 2014.

BRASIL. Lei n. 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 1996. Disponível em: . Acesso em: 13 ago. 2014.

CERQUEIRA, W. Endomarketing, educação e cultura para a qualidade. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1994.

CHIAVENATO, I. Administração de recursos humanos: fundamentos básicos. São Paulo: Atlas, 1999.

CURY, A. J. Treinando a emoção para ser feliz. São Paulo: Academia de Inteligência, 2001.

GLATTER, R. A gestão como meio de inovação e mudança nas escolas. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1998.

LIBÂNEO, J. C. Organização e Gestão da Escola: Teoria e Prática. 5. ed. Goiânia: Alternativa, 2004.

NÉRICI, I. G. Introdução à Supervisão Escolar. São Paulo: Atlas, 2004.

NÓVOA, A. (Org.) Profissão professor. Lisboa: Porto Editora, 2002.

PONTE, J. P. Didáticas específicas e construção do conhecimento profissional. Conferência no IV Congresso da SPCE, Aveiro, 1998.

SANTOS, C. R. dos. A gestão educacional e escolar para a modernidade. São Paulo: Cengage Learning, 2008.

SILVA, E. P. da. A importância do gestor educacional na instituição escolar. Revista Conteúdo, Capivari, v. 1, n. 2, jul./dez. 2009. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2014.

VEIGA, As dimensões do projeto político pedagógico. São Paulo: Papirus, 2007.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n2.2017.10024



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.