Gestão democrática e crise estrutural do capital: alguns apontamentos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v24i2.13283

Palavras-chave:

Educação, Gestão, Crise estrutural do capital.

Resumo

O artigo objetiva debater o princípio da gestão democrática em relação à crise estrutural do capital, que, segundo Mészáros, tem início na década de 1970. Opta-se por uma pesquisa teórica, documental e bibliográfica. Sob a orientação desses pressupostos, observa-se que os desdobramentos dessa crise assolam todos os complexos sociais. Os sistemas educacionais, sobretudo os localizados nos países que orbitam na periferia do grande capital, como o Brasil, passam a ser monitorados pelos organismos internacionais. Essas agências têm como finalidade desresponsabilizar o Estado de suas atribuições de execução e financiamento educacional. Para isso, montam requintados processos de monitoramento. A gestão democrática para a educação imersa nesse cenário apresenta-se como um princípio que deve corroborar com as políticas de diminuição das funções estatais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Mota de Oliveira Sidou, Universidade Estadual do Ceará (UECE), Fortaleza – CE

Doutoranda em Educação pela Universidade Estadual do Ceará. Professora técnica da Prefeitura Municipal de Fortaleza.

Agercicleiton Coelho Guerra, Universidade Estadual do Ceará (UECE), Fortaleza – CE

Doutorando em Educação pela Universidade Estadual do Ceará.

José Deribaldo Gomes dos Santos, Universidade de Educação, Ciências e Letras do Sertão Central (FECLESC), Quixadá – CE

Professor Adjunto da Faculdade de Educação, Ciências e Letras do Sertão Central (FECLESC-UECE), atuando no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE/UECE) e no Mestrado Acadêmico Intercampi em Educação e Ensino (MAIE/UECE).  Bolsista de Produtividade em Pesquisa, nível 2 do CNPq.

Referências

ARROYO, Miguel Gonzáles. Administração da Educação, Poder e Participação. Educação & Sociedade, São Paulo, Ano I, n. 2, p. 36-46, janeiro, 1979.

BRASIL. Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado: Câmara da Reforma do Estado. Brasília, DF: Planalto, 1995. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/publi_04/colecao/plandi. Acesso em: 15 jan. 2014.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. LEI nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. D.O.U. de 23 dez. 1996.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988, com as alterações adotadas pelas Emendas Constitucionais nºs a 42/2003 e pelas Emendas Constitucionais de Revisão nºs 1 a 6/94. Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, 2004.

BRASIL. Ministério da Educação. Anais do Seminário Internacional Gestão Democrática da Educação e Pedagogias Participativas. Brasília, DF – 24 a 28 de abril de 2006. Disponível em: http://fne.mec.gov.br/images/doc/DocumentoFina240415.pdf. Acesso em 10 jan. 2020.

GADOTTI, Moacir. Escola Cidadã. São Paulo: Cortez, 1999.

GADOTTI, Moacir. Gestão Democrática com participação popular: no planejamento e na organização da educação nacional. Brasília, 2014. Disponível em: http://conae2014.mec.gov.br/images/pdf/artigogadotti_final.pdf. Acesso em: 11 jan. 2014.

LIMA, Antônio Bosco. Políticas educacionais e o processo de “democratização” da gestão educacional. In: BOSCO, A. et al. Estado, políticas educacionais e gestão compartilhada. São Paulo: Xamã, 2004.

MENDES SEGUNDO, Maria das Dores. O Banco Mundial e suas implicações na Política de Financiamento da Educação Básica do Brasil: O Fundef no centro do debate. Tese de Doutorado. Fortaleza, UFC, 2005.

MÉSZÁROS, István. O século XXI: socialismo ou barbárie. Tradução de Paulo Cezar Castanheira. São Paulo: Boitempo, 2009.

MÉSZÁROS, István. A crise estrutural do capital. Tradução de Francisco Raul Cornejo... [et al.]. São Paulo: Boitempo, 2011a.

MÉSZÁROS, István. Para Além do Capital: rumo a uma teoria da transição. Tradução Paulo Cezar Castanheira, Sérgio Lessa. São Paulo: Bointempo, 2011b.

RODRIGUES, Marly. A DÉCADA DE 80 – Brasil: quando a multidão voltou às praças. São Paulo: Ática, 2001.

SAVIANI, Dermeval. Escola e Democracia. Campinas- SP: Autores Associados, 2009.

SOUZA, Ângelo Ricardo. Perfil da gestão escolar no Brasil. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2006. Disponível em: http://livros01.livrosgratis.com.br/cp026427.pdf. Acesso em: 01 set. 2019.

TONET. Ivo. A educação numa encruzilhada. In: MENEZES, Ana Maria Dorta de Menezes e FIGUEIREDO, Fábio Fonseca Figueiredo (orgs). Trabalho, sociabilidade e educação - uma crítica à ordem do capital. Fortaleza: UFC, p. 201-219, 2003. Disponível em: www.ivotonet.xpg.com.br. Acesso em: 15 fev. 2012.

TONET. Ivo. Educação, Cidadania e Emancipação Humana. Ijuí, Unijuí, 2005. Disponível em: www.ivotonet.xpg.com.br. Acesso em 24 set. 2019.

UNESCO (ORGANIZAÇÕES DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA). Declaração Mundial sobre Educação para Todos (Conferência de Jomtien). Plano de ação para satisfazer as necessidades básicas de aprendizagem. Tailândia: UNESCO, 1990. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/declaracao-mundial-sobre-educacao-para-todos conferencia-de-jomtien-1990. Acesso em: 01 nov. 2019.

VIRIATO, Edaguimar Orquizas. Descentralização e desconcentração como estratégia para redefinição do espaço público. In: BOSCO, A. et al. Estado, políticas educacionais e gestão compartilhada. São Paulo: Xamã, 2004.

Publicado

09/04/2020

Como Citar

DE OLIVEIRA SIDOU, A. M.; GUERRA, A. C.; SANTOS, J. D. G. dos. Gestão democrática e crise estrutural do capital: alguns apontamentos. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 24, n. 2, p. 314–331, 2020. DOI: 10.22633/rpge.v24i2.13283. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/13283. Acesso em: 21 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos