A REPRESENTAÇÃO SOCIAL DA INCLUSÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

SANDRA CRISTINA MORAIS SOUZA

Resumo


Este artigo é resultado de um recorte de pesquisa de tese, com objetivo apreender e identificar as estruturas representacionais da inclusão elaboradas pelos do Curso de Pedagogia da UFPB, no total de 243 discentes. Realizou-se uma pesquisa de campo de abordagem multimétodos. Utilizou-se como instrumentos o teste de associação livre de palavras e o questionário sociodemográfico. A palavra respeito constitui-se como um elemento centralizador das Representações Sociais, no que tange os discentes, esse grupo entende a inclusão como um ato que envolve a educação e o amor para sua realização. Especificamente, os discentes evocaram respeito (99), acessibilidade (56), igualdade (47), direito (42), educação (26), aceitação (22) e oportunidade (19). O núcleo figurativo, imagético, que representa a inclusão para esses alunos aponta para a ideia de respeito. O respeito se apresenta como elemento essencial na ancoragem com a realidade, constituindo-se, na visão dos discente como fator primordial para a inclusão.

 


Palavras-chave


Representação Social. Inclusão. Formação. Professores.

Referências


ABRIC, J. Abordagem estrutural das representações sociais. In: MOREIRA, A.S.P. (Org.). Estudos interdisciplinares de representação social, 2. ed. Goiânia: AB, 2000, p. 27-38

ACORSI, R. Inclusão: (im)possibilidades para a educação. In: LOPES, ACORCI, M.C.; FABRIS, E. H.(Orgs.). Aprendizagem & Inclusão: implicações curriculares. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2010. p. 177-193.

ARRUDA, A. Teoria das Representações sociais e Teorias de Gênero in Cadernos de Pesquisa, n.117, p.127-147. Nov.2002.

BARROS, I.C.S. Estresse ocupacional e qualidade de vida no contexto hospitalar: um estudo psicossociológico. 2013, 230 f. Tese (Doutorado em Psicologia). Universidade Federal da Paraíba – UFPB, 2013.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2010.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, 1988.

BRASIL. Ministério da Educação e Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais – Adaptações Curriculares: estratégia para a educação de alunos com necessidades educacionais especiais. Brasília, 1998.

______. Ministério e Educação e do Desporto. Política Nacional de Educação Especial. Brasília: MEC, 1994.

______. Ministério de Educação e Cultura. LDB - Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro

de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.

______. Ministério da Educação. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: MEC/SEESP, 2001.

FONSECA, A.A.; COUTINHO, M. P. L.; Depressão em adultos jovens: representações sociais dos estudantes. In: COUTINHO. M. P. L.; SALDANHA, A. A. W. Representação social e práticas de pesquisa. João Pessoa: Ed. Universitária – UFPB, 2005, p. 69-106.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed, 2007.

CROCHIK, J. L. et al. Inclusão e discriminação na educação escolar. Campinas/SP: Editora Alínea, 2013.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 39 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

FOUCAULT, M. Segurança, território e população. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

JODELET, D. Representações sociais: um domínio em expansão. In: JODELET, D. (Org.). As representações sociais. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2001, p. 17-41.

LOPES, M. C.; FABRIS, E. H. Inclusão & Educação. Belo Horizionte: Autêntica Editora, 2013.

LOPES, M. C. Inclusão como prática de política e governamentalidade. In: LOPES, M. C.; HATTGE, M. D. (Orgs.). Inclusão escolar: conjunto de práticas que governam. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009, p. 107-130.

MANZINI, E. J. Acessibilidade: um aporte na legislação para o aprofundamento do tema na área de educação. In: BAPTISTA, C. R.; CAIADO, K. R. M.; JESUS, D. M. de (Org.). Educação especial: diálogo e pluralidade. Porto Alegre: Mediação, 2008.

MENEZES, E. C. P. A maquinaria escolar na produção de subjetividade para uma sociedade inclusiva. 2011. 189 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação, Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS, São Leopoldo/RS, 2011.

MOSCOVICI, S. A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigação em Psicologia Social. 11. ed. Petrópolis: Vozes, 2015.

RANGEL, M. Métodos de ensino para a aprendizagem e a dinamização das aulas. Campinas: Papirus, 2005.

RECH, T. L. A emergência da inclusão escolar no governo FHC: movimentos que a tornaram uma “verdade” que permanece. 2010. 183 f. (Dissertação Mestrado). Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS. Programa de Pós-Graduação em Educação, São Leopoldo/ RS, 2010.

RATINAUD, P. IRAMUTEQ: Interface de R pour les Analyses Multidimensionnelles de Textes et de Questionnaires [Computer software]. Retrieved from, 2009.

SÁ, Celso Pereira de. Núcleo central das representações sociais. Petrópolis/RJ: Vozes, 1996.

STAINBACK, S; STAINBACK, W. Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre: Artmed, 1999.

UNESCO. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Paris, 1948. Disponível em: . Acesso em: 16 de jun.de 2017.

VEIGA-NETO, A. Foucault e a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

VEIGA-NETO, Alfredo; LOPES, Maura Corcini. Inclusão e Governamentalidade. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100 - Especial, p. 947-964, out. 2007. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br Acesso em: 20 set. de 2017.

WAGNER, M. B.; MOTTA, V. T.; DORNELLES, C. C. SPSS passo a passo: Statistical Package for the Social Sciences. Caxias do Sul: EDUCS, 2004




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v24i3.13603



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.