Povos originários no Brasil e no México

Reflexões sobre currículo e interculturalidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v26i00.16056

Palavras-chave:

Educação, Currículo, Formação, Interculturalidade, Professores

Resumo

Esse trabalho objetiva trabalhar diálogos entre pesquisadores para fomentar reflexões sobre a formação docente no Brasil e no México, com vistas a uma prática educativa significativa através de uma formação intercultural na qual se conectem educação e espiritualidade. Para tanto, foi realizada uma busca na literatura com temas relativos ao assunto e como a revisão do currículo embasa a formação de professores, apontando conteúdos que em sala de aula estimulam o debate tanto sobre currículo quanto sobre interculturalidade. Para tal, prevalece a opinião de que os mais indicados sejam os sujeitos habilitados numa prática educativa autorreflexiva, padrão Freire. O processo de ensino e aprendizagem intercultural deve se apoiar em pensadores e escritores latino-americanos, incluindo os saberes dos povos originários. A proposta é repensar os currículos de ambos os países, com discussões que estimulem os/as pesquisadores/as a refletir sobre a desconstrução das ideias eurocêntricas e a linearidade histórica que permeia os currículos utilizados na formação de professores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sueli do Nascimento, Universidade Estadual Paulista (FFC/UNESP), Marília – SP – Brasil

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação. Docente e pesquisadora nas disciplinas de: História e Cultura Afroindígena, Cultura e Mitologia.

Alonso Bezerra de Carvalho, Universidade Estadual Paulista (FFC/UNESP), Marília – SP – Brasil

Docente do Departamento de Didática e do Programa de Pós-Graduação em Educação. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação, Ética e Sociedade (GEPEES), cadastrado no CNPq. Doutorado em Educação (USP).

Cynthia Coronado Aguirre, Universidade de Sonora (UNISON), Sonora – México

Mestranda em Ciências Sociais no Programa de Pós-graduação Integral em Ciências Sociais.

Referências

APPLE, M. W. Ideologia e currículo. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

BENÍTEZ, M. A. R. et al. La formación de docentes indígenas a partir de la producción de artefactos culturales y el trabajo colaborativo: Los Ikoots de Oaxaca, México. México: UNAM, 2015. Disponível em: http://bgtq.ajusco.upn.mx:8080/jspui/bitstream/123456789/1572/1/7%20La%20formacion%20de%20docentes%20indigena%20Interculturalidades.pdf. Acesso em: 15 nov. 2021.

BRASIL. Lei n. 11.645, de 10 março de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Brasília, DF: Presidência da República, 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm. Acesso em: 4 set. 2021.

BRASIL. Projeto de Lei n. 5.466, de 2019. Institui o Dia dos Povos Indígenas. Brasília, DF: Congresso Nacional, 2019. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=2224662. Acesso em: 15 dez. 2021.

BUENABAD, E. M. La educación indígena e intercultural en México y sus implicaciones en la construcción de ciudadanías. México, D.F: Universidad Autónoma de México, 2011. Available in: http://www.comie.org.mx/congreso/memoriaelectronica/v11/docs/area_12/1004.pdf. Acesso em: 15 nov. 2021.

CANDAU, V. M. F. Diferenças culturais, cotidiano escolar e práticas pedagógicas. Currículo sem Fronteiras, v. 11, n. 2, p. 240-255, 2011. Disponível em: https://biblat.unam.mx/pt/revista/curriculo-sem-fronteiras/articulo/diferencas-culturais-cotidiano-escolar-e-praticas-pedagogicas. Acesso em: 15 dez. 2021.

CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL R. (comp.). El giro decolonial: Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana: Instituto Pensar, 2007. Disponível em: http://www.ceapedi.com.ar/imagenes/biblioteca/libreria/419.pdf. Acesso em: 15 dez. 2021.

DIARIO OFICIAL DE LA FEDERACIÓN. Convenio 169, de 2020. Acuerdo por el que se modifican las Reglas de Operación del Programa de Apoyo a la Educación Indígena a cargo del Instituto Nacional de los Pueblos Indígenas, para el ejercicio fiscal 2021. 31 de diciembre de 2020. México: Gobierno de México, 2020. Disponível em: https://www.dof.gob.mx/nota_detalle.php?codigo=5609372&fecha=31/12/2020. Acesso em: 15 out. 2021.

DOMÍNGUEZ BORBÓN, V. La tribu yaqui: Sus usos y costumbres en la educación. Instituto de Investigaciones Económicas, v. 5, p. 705-728, 2018. Disponível em: http://ru.iiec.unam.mx/id/eprint/3948. Acesso em: 22 dez. 2021.

FREIRE, P. Pedagogía de la autonomía: Saberes necesarios para la práctica educativa. São Paulo: Paz e terra, 2006.

FREIRE, P. Conscientização. São Paulo: Cortez, 2016.

GOODSON, I. F. Historias de vida del profesorado. Barcelona: Octaedro, 1992.

GOODSON, I. F. Currículo, Narrativa Pessoal e Futuro Social. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2019.

HERRERA LABRA, G. Los docentes indígenas: Breve historia. Reencuentro, v. 33, p. 31-39, 2002. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/340/34003304.pdf. Acesso em: 15 dez. 2021.

INAH. Instituto Nacional de Antropología e Historia. La tribu yaqui y la defensa de sus derechos territoriales. Diario de campo, v. 2, n. 8, p. 1-88, 2015. Disponível em: https://cmdpdh.org/wp-content/uploads/2016/03/diario_de_campo_8.pdf. Acesso em: 15 nov. 2021.

MIGNOLO, W. Os esplendores e as misérias da ‘ciência’: Colonialidade, geopolítica do conhecimento e pluri-versalidade epistémica. In: SANTOS, B. S. (org.). Conhecimento prudente para uma vida decente: ‘Um discurso sobre as ciências’ revisitado. São Paulo: Cortez, 2004.

ORTIZ, A. Configuralogía: Paradigma epistemológico y metodológico en las Ciencias Humanas y Sociales. Antillas: Barranquilla, 2013.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: Primeiras aproximações. 8. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2003.

SCHMELKES D. V. S. Interculturalidade, democracia e formação de valores no México. Revista eletrônica de pesquisa educacional, v. 11, n. 2, p. 1-10, 2009. Disponível em: http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1607-40412009000200004. Acesso em: 15 nov. 2021.

Secretaría de Educación Pública. SEP. Programa Nacional de Educación 2001-2006. 1. ed. México: Comisión Nacional de Libros de Texto Gratuitos, 2001. Disponível em: http://planeacion.uaemex.mx/InfBasCon/2001-2006.pdf. Acesso em: 15 nov. 2021.

WALSH, C. Interculturalidad y (de)colonialidad: Perspectivas críticas y políticas. Visão Global, v. 15, n. 1-2, p. 61-74, 2012. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/visaoglobal/article/view/3412. Acesso em: 23 dez. 2021.

Publicado

30/09/2022

Como Citar

NASCIMENTO, S. do; CARVALHO, A. B. de; AGUIRRE, C. C. Povos originários no Brasil e no México: Reflexões sobre currículo e interculturalidade. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 26, n. 00, p. e022134, 2022. DOI: 10.22633/rpge.v26i00.16056. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/16056. Acesso em: 4 dez. 2022.

Artigos Semelhantes

1 2 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.