Ensino remoto na educação superior: impactos na formação inicial docente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16i2.14238

Palavras-chave:

Formação inicial, Ensino remoto, Educação superior

Resumo

Ao apontar situações sociais que impactam no campo educacional, emergem inquietações acerca de ações decorrentes de medidas de prevenção da pandemia causada pela Covid-19. Nessa direção, este artigo objetiva refletir sobre as percepções de estudantes do curso de Pedagogia, da Universidade Federal de Lavras, Minas Gerais, a partir da experiência do ensino remoto, verificando impactos no processo de formação inicial dos estudantes. A reflexão teórica parte de diferentes legislações sobre o ensino remoto; distinção entre ensino remoto e educação a distância; o uso das tecnologias e a pandemia do Covid-19. O estudo destaca percepções em relação aos modos de organização pessoal do tempo, do processo de autonomia de estudos, de habilidades de uso de recursos digitais ou da inviabilidade de acesso à rede de internet, o que gerou impactos no processo de aprendizagem dos estudantes e nos modos de relação com os diferentes contextos formativos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joselma Silva, Secretaria Municipal de Educação de Lavras (SME), Lavras – MG

Professora da Rede Municipal. Mestrado em Educação (UFLA).

Ilsa do Carmo Vieira Goulart, Universidade Federal de Lavras (UFLA), Lavras-MG

Professora no Departamento de Educação e no Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutorado em Educação (UNICAMP).

Giovanna Rodrigues Cabral, Universidade Federal de Lavras (UFLA), Lavras-MG

Professora no Departamento de Educação e no Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutorado em Educação (PUC-Rio).

Referências

ANDRÉ, M. E. D. A. Etnografia da prática escolar. 18 ed. Campinas: Papirus, 2012.

ARRUDA, E. P. Educação remota emergencial: elementos para políticas públicas na educação brasileira em tempos de Covid-19. Em Rede – Revista De Educação a Distância, Porto Alegre, v. 7, n. 1, p. 257-275, 2020.

BACICH, L.; MORAN. J. (Org.). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Trad. Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BEHAR, P. A. O ensino remoto emergencial e a educação a distância. Disponível em: https://www.ufrgs.br/coronavirus/base/artigo-o-ensino-remoto-emergencial-e-a-educacao-a-distancia/. Acesso em: 6 jul. 2020.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Decreto n. 9057, de 25 de maio de 2017. Regulamenta o art. 80 da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: CNE, 26 maio 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/decreto/d9057.htm. Acesso em: 7 jul. 2020.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Portaria n. 2.167, de 19 de dezembro de 2019. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Brasília, DF: CNE, 20 dez. 2019. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-2.167-de-19-de-dezembro-de-2019-234650456. Acesso em: 7 jul. 2020.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Portaria n. 2117, de 6 de dezembro de 2019. Dispõe sobre a oferta de carga horária na modalidade de Ensino a Distância - EaD em cursos de graduação presenciais. Brasília, DF: CNE, 11 dez. 2019. Disponível em: http://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-2.117-de-6-de-dezembro-de-2019-232670913. Acesso em: 7 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Parecer CNE/CP n. 5, de 28 de abril de 2020. Brasília, DF: MEC/CNE, 2020. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=145011-pcp005-20&category_slug=marco-2020-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 7 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP n. 1 de 15 de maio de 2006. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para Cursos de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Portal MEC. Brasília: MEC/CNP/CP, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf. Acesso em: 20 set. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 12.056, de 13 de outubro de 2009. Acrescenta parágrafos ao art. 62 da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, p. 1, 14 out. 2009. PL 7515/2006

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

HODGES, Charles et al. The difference between emergency remote teaching and online learning. EDUCAUSE Review, 2020. Disponível em: https://er.educause.edu/articles/2020/3/the-difference-between-emergency-remote-teaching-and-online-learning. Acesso em: 27 mar. 2020.

MILL, D. R. S.; RIBEIRO, L. R. C; OLIVEIRA, M. R.G. (Org.). Polidocência na educação a distância: múltiplos enfoques. São Carlos, SP: EdUFSCar, 2010.

MONTEIRO, S. S. (Re)inventar educação escolar no brasil em tempos da covid-19. Revista Augustus, Rio de Janeiro, v.25, n. 51, p. 237-254, jul./out. 2020. DOI: https://doi.org/10.15202/1981896.2020v25n51p237

PRENSKY, M. Digital natives. Digital immigrants. On the Horizon, MCB University Press, v. 9, n. 5, p. 1-6, oct. 2001. Disponível em: https://www.marcprensky.com/writing/Prensky%20-%20Digital%20Natives,%20Digital%20Immigrants%20-%20Part1.pdf. Acesso em: 02 jan. 2018.

SACCOL, A.; SCHLEMMER, E.; BARBOSA, J. M-learning eu-learning: novas perspectivas da aprendizagem móvel e ubíqua. São Paulo: Pearson, 2010.

SANTOS, E. Pesquisa-formação na cibercultura. Santo Tirso: White Books, 2019. Disponível em: http://www.edmeasantos.pro.br/assets/ livros/Livro%20PESQUISA- FORMA%C3%87%C3%83O%20NA%20 CIBERCULTURA_E-BOOK.pdf. Acesso em: 20 set. 2020.

SKLIAR, C. Desobedecer a linguagem: educar. Trad. Giane Lessa. Belo Horizonte: Autentica, 2014.

TANIGUCHI, N. COVID-19: Ponto a ponto sobre o novo coronavírus. Fiocruz Brasília, 20 mar. 2020. Disponível em: https://www.fiocruzbrasilia.fiocruz.br/covid-19-ponto-a-ponto-do-novo-coronavirus/. Acesso em: 7 ago. 2020.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

TOEBE, Í. C. D. Políticas públicas para integração de tecnologias educacionais na formação inicial de professores. Orientadora: Elena Maria Mallmann. 2016. 172 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2016. Disponível em: https://bit.29 ly/3kJRGmN. Acesso em: 2 ago. 2020.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS. Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão. Resolução n. 089, de 29 de julho de 2020. Altera a redação da Resolução n. 059/2020. Lavras, MG: CEPE, 2020. Disponível em: https://prograd.ufla.br/images/arquivos/legislações/5_089_29072020.pdf. Acesso em: 18 de setembro de 2020.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS. Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão. Resolução n. 059, de 14 de maio de 2020. Lavras, MG: CEPE, 2020. Disponível em: https://prograd.ufla.br/images/arquivos/legislações/5_089_29072020.pdf. Acesso em: 18 de setembro de 2020.

Downloads

Publicado

01/02/2021

Como Citar

SILVA, J.; GOULART, I. do C. V.; CABRAL, G. R. Ensino remoto na educação superior: impactos na formação inicial docente. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. 2, p. 407–423, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16i2.14238. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/14238. Acesso em: 12 abr. 2021.